Imagem da matéria: "Importante é crescer com qualidade e furar a bolha", diz organizador da Ethereum Rio 2024
Shutterstock

Em 2024, o evento Ethereum Rio recebeu um número menor de pessoas — se nos anos anteriores as sedes foram o Museu do Amanhã e o Museu de Arte do Rio, desta vez foi um pequeno pavilhão dentro do Porto Maravalley. Entre o público, havia poucas “pessoas de fora”; a maioria era executivos do mercado, programadores ou empreendedores.

A impressão geral é que todos se conheciam, um grande reencontro. Isso permitiu um evento com debate de alto nível e possibilidade de conexão entre possíveis parceiros. No entanto, o objetivo do evento agora é voltar a crescer e atrair centenas de participantes. Quem afirma isso é Antonio Neto, responsável pela organização da Ethereum Rio 2024.

Publicidade

Segundo Antonio, a intenção é construir um ecossistema onde negócios tokenizados possam florescer, reunindo desenvolvedores, investidores e associações de apoio. 

Apesar da redução no número de participantes, a meta a longo prazo é atrair novamente grandes públicos, com um foco claro na qualidade e na expansão do interesse pelo tema, incluindo a incorporação de setores de Web2 e fintechs.

O Portal do Bitcoin entrevistou Neto, que fez uma análise do evento. Em sua visão, a Ethereum Rio 2024 deixou claro o interesse crescente pela tokenização dos ativos do mundo real (RWA)

Para o futuro, o executivo delineou planos ambiciosos para a expansão dos eventos ligados ao ecossistema Ethereum no Brasil. Além de aumentar a frequência de encontros menores, como meetups e workshops, há planos para um grande evento Ethereum Brasil, possivelmente em São Paulo, visando causar um impacto ainda maior. 

Publicidade

Leia abaixo a entrevista com Antonio:

Portal do Bitcoin – O evento teve uma mudança de foco, um público menor, com quase todos os participantes sendo membros construtores do mercado cripto. Este é o objetivo da Ethereum Rio ou almejam voltar a ter público maior?

Antonio Neto – Sim, houve uma mudança de foco principalmente por conta do momento em que estamos, na tecnologia, no mercado local e global. Com certeza o objetivo é voltar a ter milhares de pessoas nos eventos da Ethereum. Contudo, para esta edição, quisemos deixar clara esta mensagem: queremos trazer as pessoas de negócios e os desenvolvedores/builders, e os apoiadores destes (Venture Capital e Associações) para construir um ecossistema onde possamos de fato construir uma economia tokenizada.

Nas próximas edições, com certeza traremos mais gente e temos a expectativa de que o público interessado nesse tema também cresça, mas o importante é que cresçamos com qualidade, buscando furar nossa bolha e atrair Web2 e fintechs. Nosso objetivo final é ser um espaço de congregação ao redor da tecnologia EVM, independente de estar sendo aplicada em DeFi (Web3) ou no TradFi (Web2), e dos valores de liberdade e auto-soberania.

PB – Você que acompanha o mercado por tanto tempo, qual debate sente que cresceu dentro da comunidade cripto do Brasil e qual perdeu relevância?

Publicidade

AN – É nítido o aquecimento e o interesse maior ao redor de tokenização e RWA. Tenho visto um desaquecimento na discussão ao redor de temas relacionados a trading e afins – não que o interesse tenha diminuído, mas há claramente um “aguardo” dos participantes pelo direcionamento do BC.

Vimos diferentes momentos onde os empreendedores e desenvolvedores exploraram o limite do que é possível construir com a tecnologia, criando novos modelos de negócio, explorando ativos que antes não eram possíveis, até chegar agora numa abstração do que há por trás para entregar uma experiência que só a Web3 permite, mas dentro do ambiente Web2.

PB – Pelo que entendi, ano que vem o plano é ter eventos Ethereum locais e um Ethereum Brasil maior, mas não necessariamente no Rio. Pode me dar detalhes e se já tem uma cidade em mente?

AN – Ainda não tenho um plano muito claro, apenas ideias. Porém temos duas coisas claras: primeiro, aumentar a frequência de encontros, como meetups, workshops, mas não necessariamente conferências; e segundo, usar a rede já existente para apoiar o surgimento de outros hubs localmente, especialmente no Norte e Nordeste – já estamos em conversas para ter um em Recife.

Além disso, a ideia é termos um evento Ethereum Brasil, muito provavelmente acontecendo em São Paulo, anualmente. Não queremos diminuir o evento do Rio, só aumentar. Porém, acreditamos que São Paulo é o lugar para estar quando falamos de causar o impacto que estamos buscando.

Publicidade

PB – A Ethereum Foundation foi parceira para esta edição da ETH Rio? Vê possibilidade de estreitar essas relações?

AN – Infelizmente, pelo pouco tempo, não pudemos nos aproximar muito e ter o apoio deles nesta edição. Está no nosso radar não somente nos reaproximarmos da Fundação, mas também juntar forças com ETH Samba e outras comunidades e hubs que apoiam o ecossistema EVM. Nosso foco com a ETH BR agora é ser esse espaço de congregação para realizar negócios, falar do futuro da economia tokenizada no Brasil e unir as pontas que nem sempre estão no mesmo ambiente, mas possuem interesses similares.

PB – Acha possível um esforço para trazer Vitalik Buterin ao Brasil em 2025?

AN – Seria muito, muito legal! Eu aprendi na vida é que o “não” a gente já tem, então com certeza buscaremos trazê-lo para cá. Não somente por ser o Vitalik, mas também por acreditar que ele pode dar muitos insights interessantes em relação à construção desse ecossistema EVM no Brasil.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Pectra, nova grande atualização do Ethereum, irá ser implementada no começo de 2025

Pectra, nova grande atualização do Ethereum, irá ser implementada no começo de 2025

Principais mudanças são atualizações na Ethereum Virtual Machine e aumento de limite de stake para um validador
Mão segurando celular com o logo da carteira de criptomoedas MetaMask

MetaMask adiciona staking de Ethereum em pool, mas exclui EUA e Reino Unido

Staking agrupado permitirá que os usuários da MetaMask façam staking de qualquer quantia de ETH e ganhem recompensas
moedas de bitcoin e letras ETF

Analista prevê que ETFs de Ethereum podem capturar até 20% dos fluxos de ETFs de Bitcoin

Performance, contudo, pode depender de como a SEC vai classificar o staking de ETH
Gary Gensler, presidente da SEC

ETFs de Ethereum provavelmente serão lançados até agosto, afirma presidente da SEC

Gary Gensler espera que os ETFs de Ethereum à vista entrem em operação no verão dos EUA — entre julho e agosto, mas ainda não respondeu se o ETH é valor mobiliário ou commodity