Quatro dias depois de bater a máxima histórica de US$ 64.500, o bitcoin despencou no final de semana até atingir uma mínima de US$ 54.400 no domingo. O momento de correção se transformou em oportunidade para alguns investidores comprarem bitcoin

Segundo o analista de dados on-chain William Clemente, é possível notar que os HODLers ‘mãos firmes’ compraram a queda observando a mudança de fornecimento líquido do bitcoin.

De acordo com os dados do Glassnode citados pelo analista, mais de 200 mil bitcoins se tornaram ilíquidos no domingo. Isso representa a menor quantia de bitcoin disponível para compra no mercado nos últimos três anos.

Outro analista Willy Woo compartilhou os mesmos dados para mostrar como o mercado reagiu a correção do final de semana. Ele notou ainda que o indicador SOPR está em queda e se aproxima de 1. Quando a métrica atinge este nível, significa que o detentor não terá lucros instantâneos com a venda de suas criptomoedas.

“A obtenção de lucro por investidores de longo prazo está se completando, restando muito pouco poder de venda, a menos que os investidores queiram vender com prejuízo de seu preço de entrada. Improvável em um mercado em alta”, explica.

Ao mesmo tempo em que o bitcoin caía, aumentava a presença do varejo no mercado cripto. Segundo Woo, a queda aconteceu enquanto “um número sem precedentes de novos usuários chegam à rede por dia”.

A plataforma Santiment que analisa o comportamento dos investidores nas redes sociais, indicou que a correção foi vista como oportunidade.

Quando o bitcoin começou a dar sinais de queda na sexta-feira, o termo “buy the dip” atingiu um pico no Twitter. Depois que a correção foi confirmada, as menções de “bought the dip” decolaram no domingo. 

Criptomoedas voltam para o verde

O bitcoin começou a segunda-feira se recuperando das quedas do fim de semana. Uma alta de 5% nas últimas 24 horas ajuda a criptomoeda a se manter acima de US$ 57 mil. No Brasil, o BTC está valendo R$ 324 mil segundo o Índice de Preço do Bitcoin (IPB).

As altcoins que foram impactadas com a queda da maior criptomoeda do mercado também voltaram a registrar ganhos. O Ethereum (ETH) está em alta de 6% enquanto a Binance Coin (BNB) cresce 15%.

Já a Dogecoin (DOGE) que decolou 400% na semana passada continua firme, em alta de 28% no dia. Com a cotação atual de US$ 0,38, a DOGE está 13% abaixo do seu recorde histórico.

No atual ritmo de recuperação, a capitalização de mercado de todas as criptomoedas cresceu US$ 200 bilhões desde a queda e agora se mantém acima de US$ 2 trilhões, segundo o CoinMarketCap.