Imagem da matéria: Hashrate em alta, preço do bitcoin em baixa. O que significa, segundo a Glassnode
Foto: Shutterstock

Os mercados globais de ações e títulos continuam a trilhar terreno desafiador, com evidências crescentes de estresse se desenvolvendo nos mercados de dívida soberana e de câmbio nesta semana. De particular interesse foi o deslocamento experimentado no mercado de Gilt do Reino Unido, onde os rendimentos dos títulos dispararam, a libra esterlina caiu para mínimas históricas em relação ao dólar americano e o Banco da Inglaterra restabeleceu a flexibilização quantitativa para dar mais liquidez aos mercados.

Em meio a esses extremos, os preços do Bitcoin permaneceram notavelmente estáveis, consolidando-se em uma faixa cada vez mais estreita entre US$ 19.921 e US$ 20.239. Esses períodos de silêncio são muito incomuns para o Bitcoin, parecido com o pré-crash de novembro de 2018, mas igualmente com o pré-rali de março de 2019.

Publicidade

Apesar das severas reduções de preços e da turbulência macro global, o hashrate do Bitcoin aumentou notavelmente para mais uma alta histórica nesta semana. Cobrimos pela última vez o estresse que se desenvolveu no setor de mineração de Bitcoin em junho (veja WoC 23 e WoC 25). Esta semana, revisitaremos com um mergulho profundo no lado da produção do Bitcoin, que parece estar se recuperando notavelmente bem, um sinal que historicamente tem sido construtivo nos meses que se seguiram.

Painel On-chain da Semana

O informativo semanal On-Chain tem um dashboard com todos os gráficos em destaque apresentados aqui. Esse painel e todas as métricas cobertas são exploradas em nosso relatório de vídeo, que é lançado às terças-feiras de cada semana. Visite e inscreva-se em nosso Canal do YouTube e visite nosso Portal de Vídeos para mais conteúdo de vídeo e tutoriais de métricas.

Aumenta a Concorrência de Mineração

À medida que o mercado urso continua, o hashrate do Bitcoin atingiu um novo recorde histórico de 242 Exahash por segundo. Para fazermos uma analogia da ordem de grandeza, isso é equivalente a todas as 7,753 bilhões de pessoas na Terra, cada uma completando um cálculo de hash SHA-256 aproximadamente 30 bilhões de vezes por segundo. Estes são números extraordinariamente grandes.

O Hash Ribbon do Bitcoin começaram a se desenrolar no final de agosto, fornecendo uma indicação de que as condições de mineração estavam melhorando e o hashrate estava voltando a ficar online. Curiosamente, o ambiente atual ainda não viu os preços se recuperarem, sinalizando que esse aumento de hashrate se deve ao hardware de mineração mais eficiente que está online e / ou mineradores com balanços superiores com uma participação maior na rede de hashpower.

Publicidade

Quase todos os desdobramentos históricos do Hash Ribbon precederam pastagens mais verdes nos meses que se seguiram.

O Mining Pulse fornece outra ferramenta para monitorar a atividade do minerador, medindo o intervalo médio de blocos em relação ao alvo de 600 segundos.

  • Valores mais baixos indicam que os blocos são mais rápidos que 600 segundos, sinalizando que o hashrate  está crescendo mais rápido do que o ajuste de dificuldade pode acompanhar.
  • Valores mais altos indicam que os blocos são mais lentos do que 600 segundos, sinalizando que o hashrate está ficando offline, geralmente em resposta a choques do setor, como eventos de capitulação.

Conforme mostrado em azul, a recente capitulação do minerador dura vários meses, começando no final de maio e com a recuperação começando no início de agosto. Como mostrado em rosa, os mercados de baixa anteriores normalmente terminaram com um evento mais dramático, com declínios severos e rápidos no hashrate.

Resta ver se isso é mais moderado, mas o evento de capitulação prolongada é simplesmente o aperitivo, ou se reflete uma nova dinâmica à medida que mais poder de hash é detido por empresas de mineração de capital aberto mais bem capitalizadas.

Atualizações do Produto: Setembro

Setembro foi um mês extremamente emocionante para a Glassnode, envolvendo toda a nossa equipe, desde engenharia, cientistas de dados e analistas, para implantar um novo conjunto de métricas para o Ethereum Merge e Proof-of-Stake. Lançamos 8x Relatórios de Análise, 16x Métricas, 19x Workbench e 2x Dashboards.

Publicidade

O Preço de Produção

À medida que o hashrate volta a ficar online, a dificuldade de mineração recomeçou uma série de ajustes para cima, tendo aumentado 27,9% desde o pico da grande migração em maio de 2021.

Maior dificuldade de protocolo implica em um custo crescente de produção por unidade de BTC à medida que mais concorrência de poder de hash entra na rede. Isso está ocorrendo em um momento em que as receitas dos mineradores já estão estressadas devido aos preços mais baixos das moedas, o que deve, em teoria, criar um alto estresse an rentabilidade do setor de mineração.

De fato, podemos ver que a receita obtida por Exahash está em uma tendência de baixa persistente e de longo prazo, com a recompensa denominada em BTC atualmente em uma baixa histórica de 4,06 BTC por EH por dia.

Em uma base denominada em USD, isso equivale a uma receita entre US$ 78 mil e US$ 88 mil por EH por dia. Isso voltou aos níveis de outubro de 2020, que ocorreu após o halving de 2020, e onde os preços do BTC estavam em torno de US$ 10 mil (atualmente ~ US$ 20 mil). A partir disso, podemos ver que um aumento de 66% na dificuldade e no hashrate desde outubro de 2020 corresponde a uma redução aproximada pela metade da receita por hash.

Numerosos modelos foram propostos para avaliar e estimar o custo de produção da rede para o BTC, muitos dos quais consideram a Dificuldade como um parâmetro de entrada essencial. A dificuldade representa efetivamente uma medida definida pelo protocolo da taxa para resolver o próximo bloco e ganhar a recompensa.

Publicidade

O modelo de Regressão de Dificuldade é uma interpretação bastante simples disso, calculada como uma regressão log-log entre Dificuldade e Valor de Mercado, apresentando um coeficiente R2 excepcionalmente alto de 0,944. Este modelo cruzou os preços spot pela última vez em torno de US$ 17.840, nas mínimas da liquidação de junho de 2022. Atualmente, está pairando em torno de US$ 18.300, o que está logo abaixo das mínimas do mercado desta semana.

Isso indicaria que os mineradores estão à beira de um estresse agudo de rentabilidade.

Uma nova estrutura de avaliação foi proposta pelo analista kuntah esta semana, que se encaixa em uma relação não linear entre o custo de produção e os parâmetros de entrada de Dificuldade e Emissão. O modelo busca capturar o ponto de máxima eficiência dos mineradores, estando no fundo dos mercados de baixa quando apenas os balanços e operações mais fortes da mineradora são rentáveis.

Três traços são mostrados:

  • 🔴 Custo de produção estimado atual de $ 12.140, localizado em torno do histórico de negociação dos últimos ciclos e a gênese da corrida de touros de 2020-21. Observe que isso reflete um modelo de preço mínimo, ajustado aos mínimos das capitulações do mercado urso.
  • 🟣 Custo de produção após halving de 2024 de $ 24.230 (assumindo dificuldade constante).
  • 🟠 Média geométrica dos dois traços acima mencionados $ 17.080, fornecendo um indicador do preço mais provável do estresse agudo da renda do minerador.

Semelhante ao Modelo de Regressão de Dificuldade, a faixa de preço entre US$ 17 mil e US$ 18 mil tem confluência como sendo uma área que induziu o estresse do minerador em junho e se alinha com várias estimativas de custo de produção.

O Risco de Capitulação do Minerador Passou?

Tendo estabelecido as áreas de interesse de preço relacionadas à lucratividade do minerador e estresse de rentabilidade, podemos revisar uma série de métricas que ajudam a descrever esses eventos.

Primeiro, o Multiplo de Puell, que é um oscilador cíclico que compara a receita de mineração diária atual com sua média anual. O Multiplo de Puell atingiu os mínimos atuais de cerca de 0,33 em junho, indicando que os mineradores estavam ganhando apenas 33% de sua receita média anual. Desde então, recuperou para cerca de 0,63, o que implica um certo alívio do stress e ajuste a este novo regime de preços.

Todos os ciclos de baixa anteriores experimentaram um forte rali às mínimas do Multiplo de Puell, associado ao alívio de preços de curto prazo, uma vez que uma verdadeira baixa do mercado de urso é estabelecida.

Publicidade

O Multiplo de Puell e os modelos de custo de produção são modelos de estresse implícito, nos quais estimamos preços em que as receitas dos mineradores podem estar sob pressão (necessitando, portanto, de distribuição adicional de moedas). Podemos reforçar esse caso usando modelos de estresse explícitos, como hash ribbon ou a compressão do ribbon da dificuldade, que reagem apenas às mudanças observáveis ​​nos mercados de hashpower.

O modelo abaixo combina o estresse de renda implícito do Multiplo de Puell, com a observação de estresse explícito da Compressão do Ribbon da Dificuldade. No momento da redação deste artigo, esse modelo acabou de sair dos níveis em que a capitulação do minerador é estatisticamente provável.

No entanto, observe que em todos os mercados de baixa anteriores, há alguns dias em que isso acontece fugazmente. Assim, a confirmação completa ainda não foi estabelecida, mas é preciso observar uma recuperação mais sustentada.

Se observarmos o tamanho agregado dos saldos dos mineradores, podemos ver que cerca de 78,4 mil BTC permanecem detidos pelos mineradores que rotulamos (representando ~ 96% do hashrate atual). A grupo de ‘Outros’ mineradores não rotulados é muito maior em cerca de 660 mil BTC, no entanto, isso inclui moedas acumuladas (e provavelmente perdidas) de mineradores dos primeiros anos do Bitcoin.

Isso fornece uma medida do risco, com cerca de 78,4 mil BTC detidos por mineradores que podem estar sob estresse de renda.

Para finalizar nossa avaliação, analisamos os padrões reais de distribuição de moedas dos mineradores para ver os impactos em seus saldos de tesouraria. O gráfico abaixo é a mudança de 30 dias nas carteiras de mineradores e, embora a distribuição tenha diminuído, permanece em um nível de cerca de 4,5 mil BTC por mês. No entento, este é um declínio de 50% desde o pico no início de setembro.

No entanto, aprofundando-se nisso, podemos identificar que a grande maioria das despesas atuais é proveniente de mineradores associados ao Poolin. A curva laranja abaixo mostra a mudança de 30 dias para todos os mineradores, enquanto a curva azul é específica para Poolin, demonstrando que quase todos os gastos estão associados a essa grupo.

Poolin era, até muito recentemente, um dos maiores pools de mineração do setor, respondendo por mais de 15% do hashrate no início de 2020 e 12% no início de setembro. Após o anúncio de que Poolin estava enfrentando ‘problemas de liquidez’, o hashrate estimado direcionado ao pool despencou, representando apenas 3,7% da rede de hashpower hoje.

Em um relatório do Market Pulse divulgado na época, demonstramos como usar as ferramentas Glassnode para estimar o hashrate de um pool de mineração específico. A metodologia usa sua participação na receita de recompensa de bloco em relação ao total como proxy, permitindo visualizar a rapidez com que os mineradores podem redirecionar o hashrate em tempos difíceis.

Sumário e Conclusões

Em meio ao caos global nos mercados tradicionais, os preços do Bitcoin permanecem notavelmente estáveis, em uma consolidação de vários meses entre US$ 18 mil e US$ 20 mil. É extremamente raro que os preços do BTC permaneçam tão estacionários por muito tempo, sugerindo maiores probabilidades de volatilidade no horizonte.

O hashrate de mineração de Bitcoin atingiu novos recordes esta semana, elevando o custo de produção do BTC, em um momento em que as receitas dos mineradores acabaram de se recuperar da recente capitulação. Por vários modelos, estimamos que o custo médio de produção do BTC fica logo abaixo dos preços atuais, de modo que qualquer queda significativa de preço pode transformar um estresse de renda implícito em estresse agudo e explícito.

Esse risco pode se manifestar como uma capitulação do minerador de segundo estágio, com cerca de 78,4 mil BTC ainda mantidos nas tesourarias do minerador. É extremamente improvável que esse valor total seja distribuído, no entanto, fornece um indicador de limite superior sobre os riscos potenciais disponíveis.

*Traduzido por Marcello Pinsdorf

Esse é o melhor momento da história para investir em cripto! E agora, você pode ter acesso a um curso exclusivo com os maiores especialistas em cripto para aprender os fundamentos e as técnicas que te ajudam a navegar nas altas e baixas do mercado. Inscreva-se aqui

Talvez você queira ler
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin (BTC) supera US$ 41 mil e atinge maior cotação desde colapso do Terra

Manhã Cripto: Bitcoin (BTC) supera US$ 41 mil e atinge maior cotação desde colapso do Terra

Mercado de criptomoedas vai na contramão dos índices futuros dos EUA, em um rali puxado pela expectativa de maior demanda por ativos digitais
Imagem da matéria: Memecoin inspirada em Charlie Munger decola 31.000% após morte do bilionário

Memecoin inspirada em Charlie Munger decola 31.000% após morte do bilionário

Como o falecido Munger receberia a notícia de que sua morte enriqueceu pelo menos alguns aficionados por shitcoin? Não muito bem.
Exibição de NFTs na Christie''s

Como a venda quase por acaso de um NFT por US$ 69 milhões criou um gigante da Web3

Christie’s foi a responável pela venda da obra “Everydays: The First 5000 Days”, de Beeple, em um ato que mudou a história dos leilões
Binance

“As criptomoedas não vão a lugar nenhum”: líderes da indústria reagem às notícias da Binance

A resposta da indústria à confissão de culpa de CZ e à mudança na Binance foi mista, com alguns argumentando que a notícia é positiva para os ativos digitais