moeda de bitcoin e bandeira do japão ao fundo
Shutterstock

O Fundo de Investimento de Pensões do Governo do Japão (GPIF), considerado o maior fundo de pensão do mundo com US$ 1,5 trilhão em ativos sob gestão, abriu nesta terça-feira (19) uma consulta pública para receber sugestões de ativos que possam entrar para sua carteira de investimentos. Segundo a entidade, a busca no momento é por ativos de baixa liquidez como Bitcoin, ouro e terras agrícolas.

De acordo com o anúncio, a consulta decorre de um estudo de cinco anos focado na renovação de estratégias de investimento em resposta às mudanças econômicas e sociais e ao rápido desenvolvimento da tecnologia, que prevê a inclusão de ativos “diferentes” dos que já possui sob gestão.

Publicidade

Conforme descreve o GPIF, a procura é por “diversificação e sofisticação da gestão de investimentos e riscos”. A consulta pública vai até o dia 19 de abril.

Os investimentos do GPIF

A carteira atual da entidade é composta por títulos e ações nacionais e estrangeiras, imóveis, infraestrutura e private equity.

Considerando que o Fundo investiga novos ativos para investir há vários anos, o interesse pelo Bitcoin tem sido alavancado por sua alta histórica e pelo interesse institucional nos últimos anos, com destaque para MicroStrategy e Tesla.

Contudo, ressalta a CNBC, os fundos de pensão têm sido muito cautelosos ao investir em criptomoedas devido a natureza volátil desta classe de ativos. Alguns, no entanto, mergulharam de cabeça, com o fundo de pensões da Coreia do Sul que comprou ações da Coinbase no ano passado.

Por se tratar de uma consulta pública, não há indicação de que o GPIF investirá em Bitcoin ou outras criptomoedas. No entanto, em fevereiro deste ano, o governo do Japão propôs uma lei que, se aprovada, permitiria que fundos de investimento detivessem ativos digitais como criptomoedas.

VOCÊ PODE GOSTAR
Ilustração de moeda gigante de Bitcoin observada por investidores e prestes a ser cortada ao meio

CEO da Morgan Creek Capital prevê Bitcoin a US$ 150 mil após o halving

Para o CEO da Morgan Creek Capital Management, o FOMO (medo de ficar de fora) deve ser um dos fatores que vão alavancar o preço BTC após o halving
Leão com corrente de bitcoin

Aprenda a declarar criptomoedas no Imposto de Renda 2024

Operações com criptomoedas feitas ao longo de 2023 devem ser informadas à Receita Federal até o dia 31 de maio de 2024
moeda de bitcoin e ethereum com gráfico ao fundo

Manhã Cripto: Bitcoin (BTC) supera US$ 72 mil com halving cada vez mais próximo; ETH dispara 6%

É a primeira vez que o Bitcoin bate a marca de US$ 72 mil desde meados de março
Ilustração de moeda gigante de Bitcoin observada por investidores e prestes a ser cortada ao meio

Como será o futuro do Bitcoin à medida que recompensas aos mineradores ficam cada vez menores?

O que vai acontecer em 2140, quando os mineradores de Bitcoin não ganharem mais recompensas por blocos minerados?