Imagem da matéria: Fundo brasileiro cripto que operou na FTX encerra operações: “Enorme insegurança”
Foto: Shutterstock

A gestora brasileira Giant Steps Capital anunciou nesta quarta-feira (4) que vai encerrar seu fundo de criptomoedas Giant Satoshi, promovido até então como o “primeiro fundo do Brasil que busca performar acima do Bitcoin”.  

Como descreveu a empresa em e-mail enviado aos clientes, a decisão de colocar um fim ao produto no dia 25 de janeiro se deve a desconfianças no mercado de criptomoedas que se intensificaram após a queda da corretora FTX.

Publicidade

A Giant Satoshi operava os fundos dos clientes no mercado de derivativos dentro da FTX e chegou a ter o equivalente a 16 bitcoins na corretora, conforme dados da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Ela afirma, contudo, que não perdeu dinheiro na FTX ao retirá-lo de lá antes do colapso.

“A partir da venda de todos os ativos da FTX, movemos a totalidade do patrimônio do fundo para nosso custodiante principal e mantivemos 100% da carteira do fundo comprada em Bitcoin enquanto definíamos os próximos passos”, contextualiza a empresa no e-mail.

A decisão final, como visto agora, foi acabar de forma definitiva com o fundo Giant Satoshi: “Os acontecimentos recentes envolvendo a FTX revelam uma enorme insegurança institucional que ainda permeia o ecossistema de criptomoedas como um todo, com desdobramentos ainda desconhecidos.”

A Giant Steps afirma que, para rodar a estratégia do fundo cripto, dependia do uso de derivativos disponibilizados apenas por corretoras. Com a ruína da FTX, a gestora constata que outras plataformas que atuam neste ramo não cumprem seus critérios de diligência, nem possuem políticas e infraestrutura tecnológica desejada. “Não estamos confortáveis, portanto, em operar com elas”, diz a gestora ao ver como inviável a continuação do fundo Giant Satoshi.

Publicidade

A exposição do fundo à FTX

Até julho deste ano, 11,9% do patrimônio líquido do principal fundo cripto da Giant Steps, o Giant Satoshi II Master, estava em bitcoin mantido na FTX. Essa porcentagem era equivalente a 16 BTCs, cotados a R$ 2 milhões na época.

A estimativa é que pelo menos 636 cotistas tinham exposição ao Giant Satoshi II Master, uma vez que ele servia de referência para outros dois produtos: o Giant Satoshi Cripto Advisory, fundo cripto mais popular do grupo, destinado aos clientes da XP, que também é sócio-investidor da Giant Steps; e o Giant Satoshi Cripto, oferecido para investidores de outras corretoras.

Quando a FTX entrou em colapso em novembro, surgiu a especulação no mercado de que a gestora brasileira poderia ter sido afetada. Afinal, os dados de julho que mostravam a exposição à FTX eram os mais recentes disponíveis para consulta na CVM, uma vez que a empresa usou uma manobra legal para ocultar ao público geral os relatórios dos meses de agosto, setembro e outubro.

Questionada sobre isso na época, a equipe da Giant Steps garantiu que não havia sofrido prejuízo na FTX: “A Giant utilizava a FTX para operar uma parcela minoritária dos trades de spot e futuros da carteira do fundo Satoshi, posições essas que foram vendidas em sua totalidade, não havendo perdas a serem reconhecidas.”

  • Como será o mercado de criptomoedas em 2023? Clique aqui e descubra no relatório gratuito do time de Research do MB
VOCÊ PODE GOSTAR
Mulher olhando celular com logotipo do paypal

PayPal libera uso de stablecoins para pagamentos internacionais

Empresa explicou que clientes podem converter o PayPal USD (PYUSD) em dólares e enviar dinheiro para 160 países
simbolo do dólar emergindo de placa de computador

Mercado Bitcoin lista duas novas stablecoins da startup Aryze

Ambas as moedas, devido à paridade com o dólar americano e à libra esterlina, representam estabilidade e diversificação na carteira dos investidores
Do Kwon, criador da Terra (LUNA) olhando assustado para a câmera.

Criador da LUNA é considerado responsável por fraude em julgamento nos EUA

Os reguladores dos EUA prevaleceram com a acusação de que Do Kwon enganou milhares de investidores com o ecossistema Terra (LUNA)
Imagem da matéria: Toncoin (TON) valoriza  40% na semana e ameaça ultrapassar Dogecoin

Toncoin (TON) valoriza 40% na semana e ameaça ultrapassar Dogecoin

Uma possível IPO do Telegram contribuiu para o recente aumento no preço do TON, fortalecendo sua posição entre os maiores tokens do mercado