Imagem de Glaidson Acácio dos Santos, mais conhecido como Faraó do Bitcoin
Glaidson Acácio dos Santos, mais conhecido como Faraó do Bitcoin (Foto: Reprodução)

O criador da GAS Consultoria, Glaidson Acácio dos Santos, conhecido como o Faraó do Bitcoin e atualmente preso no Rio de Janeiro por suspeita de crimes financeiros, entrou com uma ação de cobrança na Justiça do Rio de Janeiro no valor de R$ 72,3 milhões contra a Igreja Universal do Reino de Deus (IURD).

Segundo informações do site O Globo nesta quarta-feira (30), o valor é referente a doações feitas por ele à entidade religiosa na qual já atuou como pastor.

Publicidade

De acordo com a ação, iniciada em setembro deste ano e que corre na 1ª Vara Cível da Comarca de Cabo Frio, Glaidson alega que a IURD demonstrou ingratidão ao levantar suspeitas sobre a origem lícita dos recursos, afirma a reportagem.

Ao fundamentar o motivo da revogação das doações, feitas nos anos de 2020 e 2021, o empresário citou, dentre outros aspectos, sua atuação como voluntário na causa da entidade, exercendo, inclusive a função de missionário.

Além do pedido de restituição milionário, Glaidson também pede nos autos uma compensação de R$ 200 mil por danos morais, conforme explicou seu representante ao O Globo, o advogado David Augusto Cardoso de Figueiredo. Para ele, não há dúvidas de que a IURD agiu de má-fé com seu cliente ao se “locupletar” (endinheirar-se) com as doações e mesmo assim pedir abertura de inquérito contra ele.

A reportagem ainda cita um trecho de um discurso proferido ao público da IURD feito pelo Bispo Renato Cardoso, liderança da igreja, no Templo de Salomão. Segundo o religioso, Glaidson não teria explicado a origem do dinheiro doado à entidade depois de questionado por diversas vezes, o que causou estranhamento e consequentemente o pedido de investigação.

Publicidade

De acordo com o portal UOL, em publicação no último dia 22, Glaidson tinha em sua lista de clientes 160 pessoas que eram da Igreja Universal do Reino de Deus ou que trabalhavam na TV Record.

O grupo de pessoas levou um prejuízo que chega em R$ 8,71 milhões. Segundo a reportagem, quem atraiu todas essas pessoas para a pirâmide financeira criada pelo Faraó do Bitcoin foi Fabiano Freitas, ex-pastor da igreja de Edir Macedo.

A GAS Consultoria é investigada por pirâmide financeira através de ofertas de investimentos em criptomoedas. O empresário Glaidson, o Faraó, está preso na Cadeia Pública Joaquim Ferreira de Souza, no Complexo de Gericinó desde agosto do ano passado, também acusado de vários crimes contra o Sistema Financeiro Nacional, além de suposta participação em um crime de homicídio e outro de tentativa de homicídio.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: MB e Rappi se unem para celebrar data histórica para Bitcoin com entrega de pizzas a clientes da exchange

MB e Rappi se unem para celebrar data histórica para Bitcoin com entrega de pizzas a clientes da exchange

A plataforma de ativos digitais também promove campanha para recompensar trades realizados até 4 de junho
Silhueta de pessoa jogando videogame À frente de TV

Os maiores tokens de jogos lançados em 2024 – até agora

O Notcoin aparece na lista dos maiores tokens de jogos deste ano, ao lado de Pixels, Portal, Saga e muito mais
Imagem da matéria: Fundador do Telegram diz que manterá seus tokens do Notcoin até multiplicarem por 100

Fundador do Telegram diz que manterá seus tokens do Notcoin até multiplicarem por 100

Pavel Durov detém 1% do maior token de jogo deste ano, doado pelos jogadores. E ele não está vendendo seus Notcoin – não agora, pelo menos
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Ethereum surpreende e cai 3,6% após aprovação dos ETFs

Manhã Cripto: Ethereum surpreende e cai 3,6% após aprovação dos ETFs

Embora esteja em queda nesta sexta, o Ethereum ainda registra ganhos de mais de 21% na semana