Imagem da matéria: Família não Encontra Dinheiro de Bilionário que fez Fortuna em Ripple e Morreu, diz Jornal
Matthew Melon (Foto: Arquivo pessoal)

A família do investidor de criptoativos Matthew Mellon, que morreu subitamente em abril, aos 53 anos, está muito preocupada. De acordo com o jornal britânico Daily Mail, os parentes de Mellon não estão conseguindo ter acesso à fortuna do empresário  calculada em US$ 500 milhões em Ripple.

Mellon teria ainda aproximadamente US$ 500 milhões em criptomoedas armazenados em carteiras frias espalhadas em todo o mundo. Criptoativos podem ser estocados off-line em aparelhos de memória digital, como pen drives e HDs externos. A família diz não possuir informações de onde o investidor teria escondido as criptomoedas.

Publicidade

O investidor teve um grande retorno depois de apostar US$ 2 milhões no ICO da XRP, criptomoeda da empresa Ripple, que o teria feito conseguir um retorno de US$ 1 bilhão.

Matthew tinha sérios problemas com drogas, chegando a gastar até US$ 100 mil por mês em OxyContin. Quando viajou a Cancún, porém, já estaria limpo há 88 dias. A viagem seria um procedimento normal da clínica para recém-habilitados.

O investidor, filho de longa linhagem de banqueiros, dizia preferir a Ripple por atuar em conjunto com os bancos e não se envolver nos ideais de descentralização financeira que geralmente permeiam os usuários de Bitcoin e altcoins:

Criptomoedas são assustadoras e obscuras. São anti-América. Eu sou pró-América, pró-negócios e pró-bancos. Por isso investi em Ripple.

Morte

As circunstâncias da morte do investidor são misteriosas. Um amigo ligado à família disse ao Daily Mail que Mellon morreu ao consumir ayahuasca e sofrer parada cardíaca. Ele teria passado mais de 90 dias numa clínica de reabilitação para dependentes químicos.

Publicidade

De acordo com o site People, a namorada de Matthew, a modelo Kick Kennedy, o acompanhava no momento em que ele passou mal. Ela disse que tudo aconteceu muito rápido.

Herdeiro do banco New York Mellon, das famílias Mellon e Drexel, Matthew, lutava contra o vício do medicamento OxyContin, um analgésico que se sintetiza a partir da tebaína, uma substância presente no ópio. Ou seja, é da família da heroína. Segundo o Pagesix, Mellon tomava até 80 comprimidos por dia. Essa medicação é três vezes mais potente que a morfina.

Conforme informações da família, o empresário passou a ficar dependente após ter se lesionado em um acidente quando praticava surfe. Após perceber o quanto estava viciado, Matthew partiu para o México a fim de se internar num centro de reabilitação em Cancún.

Quando questionado sobre o tratamento, Matthew disse que os médicos eram uns irresponsáveis por continuarem prescrevendo a droga como se fossem os donos da verdade. Ele disse que o OxyContin era como uma heroína legalizada e que precisava se tratar. Ele gastava cerca de US$ 100 mil por mês somente com essa medicação.

Publicidade

BitcoinTrade

Comprar e vender Bitcoin e Ethereum ficou muito mais fácil. A BitcoinTrade é a plataforma mais segura e rápida do Brasil. Além disso, é a única com a certificação de segurança PCI Compliance. Acesse agora ou baixe nosso aplicativo para iOs ou Android: https://www.bitcointrade.com.br/

VOCÊ PODE GOSTAR
Senado, Congresso, Câmara dos Deputados, Brasília, Parlamento

Projeto de Lei quer proibir uso de criptomoedas fruto de crimes durante processo penal

Deputado autor do PL afirma que em muitos casos, mesmo durante a investigação, acusados continuam a movimentar recursos do crime
ilustração do famoso sapo pepe

PEPE salta 19% e bate recorde após boato de listagem na Coinbase e hype da GameStop

As últimas 24 horas foram uma tempestade perfeita para Pepe: Roaring Kitty voltou causando um boom das memecoins, ao mesmo tempo que se espalhou rumores de listagem na Coinbase
Imagem da matéria: Tom Brady é ridicularizado por ligação com FTX em especial da Netflix

Tom Brady é ridicularizado por ligação com FTX em especial da Netflix

Brady e sua ex-esposa, Gisele Bündchen, adquiriram uma participação acionária na falida FTX em 2021
Imagem da matéria: Há 2 anos, LUNA caia para zero; relembre um dos dias mais caóticos do mercado cripto

Há 2 anos, LUNA caia para zero; relembre um dos dias mais caóticos do mercado cripto

Em maio de 2022, o ecossistema da Terra (LUNA) entrou em uma “espiral da morte” que levou uma das criptomoedas consideradas mais promissoras daquele ano a cair para zero em 24 horas