Imagem da matéria: Exchange de bitcoin da Itália fecha após hackers roubarem mais de R$ 300 milhões
Foto: Shutterstock

Lançada há menos de um ano na Itália, a exchange de criptomoedas AltsBit anunciou o encerramento das atividades para maio deste ano. O motivo, conforme nota da empresa, foi um ataque hacker sofrido na última quarta-feira (05) que resultou na perda de mais de R$ 300 milhões (cerca de US$ 70 milhões) em bitcoin, ethereum e outras altcoins.

De acordo com empresa, os fundos que sobraram são os que estavam sendo mantidos em carteiras offline e que serão devolvidos aos clientes — A AltsBit tinha 14.782 btcs e na investida dos hackers eles levaram 6.929 btcs  — 53%, escreveu.

Publicidade

Conforme relatou a exchange, nos fundos em Ethereum o prejuízo em quantidade foi ainda maior. Os hackers conseguiram levar 23.000 mil ETH dos 32.000 mil mantidos pela empresa. Sobraram, portanto, apenas, 9.052 eths (28%).

Outras criptomoedas também foram roubadas: Pirate Chain (ARRR) e Verus Coin (VRSC), com perdas de mais de 50%, e Komodo (KMD), cujo rombo foi o menor, de menos de 3%.

Sobre o que sobrou dos fundos, a exchange publicou o seguinte:

“Essas moedas serão devolvidas aos usuários da bolsa AltsBit, não havendo a possibilidade de compensar as perdas”.

Ainda segundo a nota, os reembolsos já tiveram início na segunda-feira (10) e vão até o dia 08 de maio, quando a plataforma será encerrada.

Disse também que os pedidos de retirada devem ser feitos online e que as transferências serão realizadas de forma manual.

Publicidade

Grupo de hackers assumiu roubo

No sábado (08), poucos dias após o ocorrido, a conta ‘The Lulz Boat’ no Twitter de um grupo de hackers chamado ‘LulzSec’, assumiu o ataque e deixou a seguinte mensagem:

“Asseguramos que a AltsBit não possuía segurança adequada para bloquear o Lulz Canon. Muitos ainda estão por vir. Melhor implementar mais segurança. Isso vale para outras exchanges”.

‘CVM da Itália’ proíbe exchanges

Ao mesmo tempo em que a AltsBit fecha as portas, o regulador de valores mobiliários da Itália, Consob (Commissione Nazionale per le Società e la Borsa), proibiu oito exchanges de operar criptomoedas e forex no país.

De acordo com o órgão, além de as empresas estarem promovendo e comercializando produtos considerados ilegais, elas não tinham autorização da autarquia.

Publicidade

Apoiado numa lei chamada ‘Decreto Crescita’, que permite ao Consob obstruir o acesso de qualquer investidor ou corretor, a autarquia determinou que os provedores de Internet da Itália bloqueassem os acessos.

Segundo o Finance Magnates, nos últimos sete meses o Consob já bloqueou cerca de 150 plataformas. Isso porque o processo é trabalhoso e acaba sendo bastante demorado.


BitcoinTrade: Depósitos aprovados em minutos!

Cadastre-se agora! Eleita a melhor corretora do Brasil. Segurança, Liquidez e Agilidade. Não perca mais tempo, complete seu cadastro em menos de 5 minutos! Acesse: bitcointrade.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
o que é mineração de bitcoin

Dificuldade de mineração de Bitcoin está despencando, mas por quê?

A redução no preço do Bitcoin, combinada com a diminuição das recompensas de mineração, resulta em menos mineradores e em uma rede menos robusta — pelo menos por enquanto
Donald Trump ex-presidente dos EUA

Donald Trump recebe compradores de seus NFTs em jantar de luxo

O ex-presidente resolveu aproveitar o dia de folga do Tribunal de Nova York para receber os apoiadores no resort de luxo Mar-a-Lago
Imagem da matéria: '101 Perguntas sobre Bitcoin': Editora Portal do Bitcoin lança livro sobre a criptomoeda mais famosa do mundo

‘101 Perguntas sobre Bitcoin’: Editora Portal do Bitcoin lança livro sobre a criptomoeda mais famosa do mundo

A obra discorre os princípios técnicos da moeda até suas implicações socioeconômicas no contexto atual, de modo a proporcionar um entendimento profundo ao público geral
Criador do Twitter e da Square, Jack Dorsey em palestra no TED

Preço do Bitcoin atingirá US$ 1 milhão até 2030, diz Jack Dorsey

Em uma entrevista recente, o cofundador do Twitter e da Block argumentou que o Bitcoin poderia atingir US$ 1 milhão e ir “além” no futuro