Imagem da matéria: EUA indiciam reservistas da marinha por roubarem identidades e venderem por bitcoin
Foto: Shutterstock

O Tribunal de Fresno, na Califórnia (EUA), indiciou no último dia 28 o casal de marinheiros Masquis Asaad Hooper e Natasha Renee Chalk, acusados de roubar a identidade de mais de 9 mil pessoas e negociar os arquivos por bitcoin. Segundo relatório do Departamento de Justiça (DoJ), com a fraude eletrônica, eles conseguiram obter cerca de US$ 160 mil.

De acordo com os promotores, tudo começou em 2018 com a ação fraudulenta do então suboficial Hooper, de 30 anos, e de sua esposa, Chalk, de 37,  também reservista da Marinha americana. Usando o nome da instituição, o casal, que é da cidade de Selma, persuadiu a empresa de segurança de dados a lhes fornecer acesso ao sistema.

Publicidade

Segundo o relatório, Hopper e Natasha alegaram falsamente que o 7º Batalhão precisava acessar o banco de dados para fazer verificações de antecedentes do pessoal da Marinha. Com base nessas informações, a empresa aprovou a conta.

Hooper então assinou o contrato de acesso, mas não o usou para fins legítimos do governo. Em vez disso, ele adicionou à conta Chalk, que não era do seu batalhão, e outros indivíduos, relatou a promotoria.

“Nos próximos dois meses e meio, Hooper e Chalk procuraram dezenas de milhares de indivíduos no banco de dados e venderam as informações a terceiros em troca de bitcoin. Os terceiros usaram as informações para cometer roubo de identidade”, diz o DoJ.

Para reforçar as acusações, a promotoria anexou aos autos uma ocorrência que aconteceu na comunidade de Gilbert, que fica no condado de Maricopa, no estado do Arizona. Segundo relataram os oficiais, um homem tentou sacar dinheiro da conta bancária de outra pessoa usando uma carteira de motorista falsa criada com as informações roubadas por Hooper.

Publicidade

Após o caso, a empresa de segurança de dados excluiu o acesso do casal, mas três meses depois eles tentaram novamente; desta vez, eles se passaram por um colega do batalhão de Hooper (LB), usando identidade e assinaturas falsas.

Se condenados, Hooper e Chalk podem enfrentar uma pena de até 20 anos de prisão por conspiração e fraude eletrônica agravada pelo crime de roubo de identidade, concluiu o órgão.

Talvez você queira ler
Dedo indicador apoia bolo de dinheiro em forma digital

FMI publica manual de CBDC e cobra maior proatividade de países na criação de moedas digitais 

A diretora-geral do FMI, Kristalina Georgieva, sugeriu aos países que façam um esforço mais proativo para desenvolver suas CBDCs
Imagem da matéria: Investidor erra e paga R$ 15 milhões em taxa para simples transação de Bitcoin

Investidor erra e paga R$ 15 milhões em taxa para simples transação de Bitcoin

Um bug ou desatenção ao preencher os detalhes da transação pode explicar o caro erro do misterioso investidor
homem em fundo escuro

Hacker expõe provas de que influencer cripto recebia dinheiro para promover golpes

Com 240 mil seguidores no X, ProfitBlue pede pagamento de publicidade adiantado, mas não cumpre acordos, segundo o detetive blockchain, ZachXBT
Placa de computador com lupa de investigação

CARF: Entenda como vai funcionar a troca de informações fiscais sobre criptomoedas entre Brasil e outros 46 países

A contadora Ana Paula Rabello e o advogado Daniel de Paiva Gomes comentam o novo padrão internacional que pegou alguns investidores cripto de surpresa