Imagem da matéria: EUA acusam dois brasileiros de fraude de US$ 100 milhões com criptomoedas
Emerson Pires (esquerda) e Flavio Gonçalves (direita), criadores da pirâmide de criptomoedas EmpiresX (Foto: Reprodução)

Dois brasileiros foram indiciados nos Estados Unidos por crimes contra o sistema financeiro e são apontados como criadores de uma pirâmide financeira chamada EmpiresX, que teria tirado mais de US$ 100 milhões dos investidores usando criptomoedas como chamariz.

As informações foram divulgadas em um comunicado para a imprensa, publicado pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos nesta sexta-feira (1º)

Publicidade

Emerson Pires e Flávio Gonçalves. ambos de 33 anos, estão sendo acusados no Distrito Sul da Flórida por fraude eletrônica (“wire fraud”, em inglês), conspiração para cometer fraudes no mercado de valores mobiliários (ações são o exemplo mais conhecido de produtos dessa área) e de formação de um esquema do tipo Ponzi, como é conhecida a pirâmide financeira nos Estados Unidos.

O Departamento de Justiça dos EUA afirma que os brasileiros fundaram a EmpiresX e fizeram dela uma gigantesca pirâmide.

“Fraudulentamente promoveram a EmpiresX, uma plataforma de investimentos em criptomoedas, e valores mobiliários não registrados. [Fizeram isso] apresentando informações falsas sobre um suposto bor que faria os trades e garantiam retornos para os investidores”, diz o comunicado.

Além disso, os promotores afirmam que uma análise de blockhain identificou que os brasileiros lavaram dinheiro dos investidores usando corretoras de criptomoedas com sedes fora dos Estados Unidos e que usavam o dinheiro de novos investidores para pagar os mais antigos.

As penas somadas dos crimes podem render aos brasileiros 45 anos de prisão.

No mesmo processo também foi indiciado o americano David Nicholas, de 28 anos. Ele era apresentado como o “head trader” da EmpiresX e sua pena pode chegar em até 25 anos de prisão.

Publicidade

Maior fraude com NFTs

No mesmo comunicado, o Departamento de Justiça anunciou o indiciamento no total de seis pessoas em quatro casos. Entre eles está um o qual as autoridades definem como a maior fraude com NFTs já feita até o momento.

O acusado é Le Anh Tuan, vietnamita de 26 anos, acusado de fraude eletrônica e conspiração para lavagem de dinheiro internacional e o processo tramita no Distrito Central da Califórnia.

Foi um caso clássico de rug pull segundo as autoridades: Tuan criou uma série de NFTs chamada “Baller Ape” e, após colocar os tokens para venda, tirou o site do ar e sumiu com o dinheiro dos investidores. Ele teria obtido US$ 2,6 milhões com o golpe.

Após o rug pull, uma análise de blockchain mostra que o acusado movimentou o dinheiro por várias corretoras descentralizadas para dificultar o rastreio do dinheiro.

Tuan pode pegar uma pena de até 40 anos de prisão.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Solana salta quase 5% e deixa Bitcoin e Ethereum para trás

Solana salta quase 5% e deixa Bitcoin e Ethereum para trás

Solana é a moeda que mais valoriza entre as 10 principais do mercado; BTC e ETH sofrem leves quedas nesta tarde
Imagem da matéria: Empresário "vende" Bitcoin durante discurso para formandos nos EUA e recebe onda de vaias

Empresário “vende” Bitcoin durante discurso para formandos nos EUA e recebe onda de vaias

O discurso de formatura da Ohio State University incluiu defesa do Bitcoin e cantorias que chocaram o público
Imagem da matéria: Fundador do Telegram diz que manterá seus tokens do Notcoin até multiplicarem por 100

Fundador do Telegram diz que manterá seus tokens do Notcoin até multiplicarem por 100

Pavel Durov detém 1% do maior token de jogo deste ano, doado pelos jogadores. E ele não está vendendo seus Notcoin – não agora, pelo menos
Imagem da matéria: FTX prometeu devolver 118% dos fundos dos clientes; o que acontece agora?

FTX prometeu devolver 118% dos fundos dos clientes; o que acontece agora?

Segundo os balanços, a FTX deve cerca de US$ 11 bilhões, e conseguiu levantar entre US$ 14,5 e US$ 16,3 bilhões até agora