Imagem da matéria: Ethereum 2.0 deve atrair US$ 40 bilhões para indústria de staking, diz estudo do JP Morgan
Foto: Shutterstock

O Ethereum (ETH) recebe no ano que vem uma importante atualização que vai popularizar o staking de criptomoedas como uma fonte de receita para o varejo e investidores institucionais, na visão de dois analistas seniores do JP Morgan. 

Em um relatório divulgado pela Forbes na quinta-feira (1º), eles estimam que a receita dos investidores com staking deve alcançar US$ 20 bilhões nos trimestres seguintes ao lançamento do Ethereum 2.0. Até 2025, a previsão é que os lucros gerem US$ 40 bilhões para a indústria.

Publicidade

Na sua versão 2.0, o Ethereum vai substituir o modelo tradicional de mineração de prova de trabalho (PoW) pelo consenso de prova de participação (PoS). Ao invés dos participantes da rede dedicarem poder computacional para validar as transações, eles passam a emprestar suas criptomoedas para a blockchain em troca de recompensas — prática conhecida como staking. 

Além das recompensas e da melhoria importante na escalabilidade da rede, o ETH 2.0 também é visto com bons olhos por seu baixo consumo de energia.

Rendimentos

De acordo com os analistas do JPMorgan, esse conjunto de atributos que chegam à segunda maior criptomoeda do mercado vai atrair o interesse de milhares de investidores para o staking que se expande de diferentes formas no meio cripto.

Segundo dados do StakingRewards, o staking de ETH 2.0 está gerando um retorno anual de 6,14% para os investidores. No caso de outras criptomoedas como Polkadot (DOT), Binance Coin (BNB) e Cardano (ADA), os lucros sobem para 13%, 9% e 7%, respectivamente.

Publicidade

“Não apenas o staking reduz o custo de oportunidade de manter criptomoedas em comparação com outras classes de ativos, mas, em muitos casos, as criptomoedas pagam um rendimento nominal e real significativo”, diz o relatório. “Na verdade, no ambiente atual de taxa zero, vemos os rendimentos como um incentivo para investir”.

O staking também se tornou uma forma de corretoras de criptomoedas fidelizarem seus clientes. A Gemini, por exemplo, oferece rendimentos anuais de até 7,4% com base no saldo dos usuários. De forma geral, esses serviços geram uma receita anual de US$ 9 bilhões para a indústria cripto.

Para o staking se concretizar no futuro, no entanto, é preciso que a volatilidade dos criptoativos diminua. Como o rendimento do usuário é pago com criptomoeda, caso ocorra uma grande queda de preços, o investidor pode acabar sem ganhos reais. 

Talvez você queira ler
De costas, homem olha para grande tela com solução blockchain

Como manter sua empresa atualizada sobre as mudanças no ecossistema financeiro | Opinião

O autor comenta sobre o ‘Talkenização’, um podcast focado em preparar empresários para o mercado financeiro baseado nas tecnologias emergentes
Imagem da matéria: Investidor erra e paga R$ 15 milhões em taxa para simples transação de Bitcoin

Investidor erra e paga R$ 15 milhões em taxa para simples transação de Bitcoin

Um bug ou desatenção ao preencher os detalhes da transação pode explicar o caro erro do misterioso investidor
Imagem da matéria: CZ deixa comando da Binance e anuncia novo CEO da corretora

CZ deixa comando da Binance e anuncia novo CEO da corretora

Zhao informou em tweet que Richard Teng, anteriormente responsável global pelos mercados regionais da Binance, assumirá o cargo de CEO
Imagem da matéria: ABCripto anuncia Banco Topázio como novo associado

ABCripto anuncia Banco Topázio como novo associado

Com atuação nacional, o banco é especializado nos segmentos de câmbio, crédito e bank as a service e opera desde 2015