Imagem da matéria: Estados Unidos colocam uma corretora de criptomoedas na lista negra pela primeira vez
Foto: Shutterstock

Pela primeira vez na história, o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos (EUA) colocou uma corretora de criptomoedas na sua “lista negra” de sanções. Trata-se da russa Suex.io, que passou a ser investigada pelas autoridades por permitir que hackers utilizassem a plataforma para sacar criptomoedas roubadas em ataques ransomware.

Numa atualização da lista desta terça-feira (21), o órgão explicou que exchange foi incluída “por facilitar transações financeiras para agentes de ransomware, envolvendo produtos ilícitos de pelo menos oito variantes de ransomware”. 

Publicidade

A sanção a corretora acontece num momento em que grandes empresas baseadas nos EUA se tornaram alvos de ataques ransomware, uma ofensiva em que hackers “sequestram” um sistema e só liberam o acesso se a vítima realizar um pagamento, geralmente através de criptomoedas como Bitcoin (BTC) e Monero (XMR).

De acordo com o relatório do Tesouro americano, a investigação sobre as operações da Suex mostrou que mais de 40% de todas as transações que aconteciam na plataforma estavam associadas a atos ilícitos.

“O Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros (OFAC) impôs, e continuará a impor, sanções a esses atores e outros que ajudem, patrocinem ou forneçam apoio financeiro, material ou tecnológico para essas atividades”, aponta o documento.

A partir da nova medida, nenhum cidadão norte-americano poderá utilizar a plataforma, sob pena de sofrer multa e até mesmo prisão. O Departamento do Tesouro também confirmou que o governo irá fechar qualquer propriedade da Suex dentro de suas fronteiras.

Publicidade

Segundo o Coindesk, o secretário adjunto do Tesouro, Adewale Adeyemo, disse em uma coletiva de imprensa que “exchanges como a Suex são essenciais para a capacidade dos invasores de extrair lucros de ataques de ransomware. A ação de hoje é um sinal de nossa intenção de expor e interromper a infraestrutura ilícita usada nesses ataques”.

Embora essa seja a primeira vez que o tesouro americano tenha imposto sanções a uma exchange, o órgão já havia colocado na “lista negra” endereços de criptomoedas utilizados em outras atividades ilícitas , como o ransomware SamSam de 2018.

Atualmente, a lista possui 25 endereços sancionados de diversas criptomoedas, como Bitcoin (BTC), Ethereum (ETH), Tether (USDT) e XBT.

As operações da Suex 

A Suex é uma corretora OTC legalmente registrada na República Tcheca, mas que opera em filiais em Moscou e São Petersburgo, bem como em outras localidades na Rússia e no Oriente Médio.

A empresa global de análise de blockchain Chainalysis revelou em uma publicação desta terça-feira que ajudou a investigar as operações ilegais da Suex.

Publicidade

“Desde a abertura de suas portas em 2018, a Suex movimentou centenas de milhões de dólares em criptomoedas, muitos dos quais provenientes de fontes ilícitas e de alto risco. Somente de bitcoin, os endereços de depósito da Suex receberam mais de US$ 160 milhões de agentes de ransomware, golpistas e operadores de mercado darknet”, apontou a Chainalysis.

A investigação da empresa descobriu que a corretora ajudava os hackers a converter as criptomoedas em dinheiro fiduciário em negociações que aconteciam em filiais físicas da corretora, em cidades como Moscou e São Petersburgo.

De acordo com o relatório, a Suex recebeu 55% de todos os fundos enviados de endereços ilícitos em 2020. Os endereços da Suex também aparecem no Rogue 100, uma lista da Chainalysis que rastreou os 100 principais endereços que facilitaram o crime de lavagem de dinheiro em 2019.

“A designação de hoje é importante porque representa uma ação significativa tomada pelo governo dos EUA para combater os lavadores de dinheiro que tornam lucrativas todas as outras formas de crime baseado em criptomoeda”, conclui a empresa.

VOCÊ PODE GOSTAR
Pessoa olha para scanner da Worldcoin

Hong Kong bane Worldcoin por coleta de dados “desnecessária e excessiva”

A Worldcoin chegou a escanear o rosto e a íris de 8.302 indivíduos durante sua operação em Hong Kong, segundo autoridades
Imagem da matéria: MB e Rappi se unem para celebrar data histórica para Bitcoin com entrega de pizzas a clientes da exchange

MB e Rappi se unem para celebrar data histórica para Bitcoin com entrega de pizzas a clientes da exchange

A plataforma de ativos digitais também promove campanha para recompensar trades realizados até 4 de junho
Três policiais na porta de suspeito de tráfico de drogas no MT

Servidor que usava sistema de secretaria para vendas de drogas com criptomoedas na dark web é preso no MT

A plataforma de comércio ilegal de entorpecentes funcionava através da rede Tor
Presidente do Banco Central Roberto Campos Neto falando diante de um microfone

Presidente do Banco Central se reúne com MB um dia após anunciar agenda da regulação do mercado cripto

O Banco Central divulgou ontem os próximos passos para a regulação do setor cripto e espera concluir o processo até o final de 2024