Imagem da matéria: Está mais difícil do que nunca minerar bitcoin
Imagem ilustrativa (Foto: Shutterstock)

Está mais difícil de minerar bitcoin do que nunca. A dificuldade de mineração da criptomoeda com maior valor mercado atingiu um novo recorde acima de 20,8 trilhões, de acordo com dados fornecidos pela Bitinfocharts.

Isso representa um aumento de 1,05% desde o último reajuste em 9 de janeiro, quando a dificuldade de mineração atingiu um recorde acima de 20,6 trilhões, marcando o maior aumento em quase quatro meses.

Publicidade

A dificuldade é uma medida relativa da quantidade de recursos computacionais necessários para extrair bitcoin. Esse valor aumenta ou diminui a cada 2016 blocos ou aproximadamente a cada 14 dias, dependendo da rapidez com que os 2016 blocos anteriores foram encontrados.

O último aumento na dificuldade de mineração de bitcoin veio em meio a relatos de mineradores com base na China que enfrentam contratempos causados pela falta global de chips de mineração.

“Não há chips suficientes para suportar a produção de plataformas de mineração”, disse Alex Ao, vice-presidente da Innosilicon, uma grande fornecedora de equipamentos de mineração”, à Reuters.

Isso resultou em “preços sem precedentes de equipamentos de mineração” na China, que já foi uma força dominante no cenário de mineração. O relatório sugere que os preços dos novos equipamentos dobraram, enquanto as máquinas usadas viram seus preços subir mais de 50% no ano passado.

Publicidade

No entanto, a demanda por criptomoeda ainda é muito alta, e os mineradores estão dispostos a pagar um prêmio para adquirir ainda mais máquinas. Alguns estão até mesmo fazendo empréstimos para isso, demonstrando sua confiança no Bitcoin.

Taxa de hash do Bitcoin

Enquanto isso, a taxa de hash do Bitcoin, a unidade de medida do poder de processamento da rede, teve uma ligeira queda na semana passada, mas ainda está perto de um recorde histórico registrado em 17 de janeiro. Atualmente, o número está em 145,6 EH/s, de acordo com dados fornecidos por Blockchain.com.

Alejandro de la Torre, vice-presidente do pool de mineração de Bitcoin Poolin, disse ao Decrypt: “No ano passado, havia muitas especulações sobre o desempenho da rede do Bitcoin após o halving de maio. Eu esperava que a combinação de máquinas de mineração mais poderosas, aumento do preço do bitcoin e a expansão contínua das opções de financiamento para os mineradores causariam um aumento maciço na taxa global de hash do Bitcoin. Vemos agora que realmente foi esse o caso. “

*Traduzido e editado com autorização da Decrypt.co

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: ABCripto lança campanha de arrecadação de criptomoedas em apoio a vítimas de enchentes no RS

ABCripto lança campanha de arrecadação de criptomoedas em apoio a vítimas de enchentes no RS

Ação conjunta da ABcripto e associados visa levantar fundos e doações para desabrigados das inundações
Imagem da matéria: Gnosis (GNO) dispara 20% após lançamento de plano para reviver o token

Gnosis (GNO) dispara 20% após lançamento de plano para reviver o token

Um programa de crescimento com aporte milionário de fundo cripto está sendo votado neste momento pelos usuários do GNO
Fazenda de Mineração de criptomoedas Salto del Guairá Paraguai -ANDE

Paraguai usa inteligência artificial para encontrar fazenda ilegal de mineração de Bitcoin

Autoridades apreenderam 176 ASICs em Saltos de Guairá com ajuda de sistema que mede a tensão de redes elétricas
Imagem da matéria: 8 ETFs de Ethereum à vista são aprovados pela SEC nos EUA

8 ETFs de Ethereum à vista são aprovados pela SEC nos EUA

Expectativa agora é que Ethereum possa renovar sua máxima histórica de novembro de 2021 e passar com folga a marca dos US$ 5 mil