Imagem da matéria: Empresa de trade compra US$ 36 milhões em cobre e recebe tijolos
Conteiner com a falso cobre (Foto: Divulgação)

A multinacional de commodities Mercuria Energy Group, sediada na Suíça, está processando a companhia turca Bietsan Bakir por causa de uma suposta fraude cometida pela empresa em uma negociação realizada em 2020, segundo uma reportagem da agência de notícias Reuters publicada na quarta-feira (9).

A Mercuria alega que fechou um acordo com a Bietsan para a compra 10 mil toneladas de cobre blister — que é uma forma impura do metal — por US$ 36 milhões. No entanto, quando as cargas começaram a chegar ao destino, na China, a autoridade alfandegária do país descobriu que os contêineres continham apenas pedras de pavimentação.

Publicidade

As pedras, de acordo com a reportagem, foram pintadas com tinta spray para simular o aspecto do metal.

Além do processo, a multinacional também protocolou uma notificação de fraude e roubo junto à procuradoria turca. Até o momento, as autoridades do país ouviram 14 pessoas que podem estar ligadas aos crime, segundo a matéria.

À Bloomberg, os representantes da Mercuria disseram que os suspeitos foram levados sob custódia da polícia: “Acreditamos que eles estão envolvidos em vários aspectos da fraude que foi praticada contra nós”.

Trade de cinema

A ação dos supostos criminosos foi explicada à Bloomberg pelo advogado Sinan Borovali, que representa a Mercuria.

Inicialmente, de acordo com ele, o metal foi carregado nos contêineres e inspecionado por uma empresa local. Porém, durante a noite, o material foi retirado e substituído pelas pedras de pavimentação. O processo foi repetido dia após dia, enquanto cada uma das oito embarcações que continham a carga deixavam o porto de Istambul rumo à China.

A fraude demorou para ser descoberta por causa da distância percorrida pelos navios, segundo a Mercuria. A empresa disse que só descobriu o problema após pagar quase o valor total da aquisição — cerca de 90%. Ainda não se sabe se a Bietsan Bakir é responsável direta pelo crime.

Publicidade

Não foi a primeira vez que a Mercuria se envolveu em problemas com trade de commodities. A empresa teve prejuízos em 2014 e 2015, quando autoridades chinesas confiscaram cargas em uma investigação sobre uma suposta fraude, de acordo com a Bloomberg.

VOCÊ PODE GOSTAR
pilhas de moedas douradas à frente da bandeira da Colômbia

Maior banco da Colômbia lança corretora de criptomoedas

A plataforma Wenia visa atrair pelo menos 60.000 clientes em seu primeiro ano de operação
dupla de homens sendo presa

Irmãos são presos por roubo de R$ 130 milhões em ataque de 12 segundos na rede Ethereum

O procurador americano Damian Williams disse que “este suposto esquema era novo e nunca havia sido acusado antes”
Imagem por detrás de uma pessoa algemada

Interpol prende hacker que roubou R$ 260 mil da Polícia de Buenos Aires e lavou fundos com USDT

Liderado por um venezuelano, preso nos EUA, o grupo roubou R$ 8 milhões de entidades argentinas através de um malware de origem brasileira
martelo de juiz com logo da binance no fundo

Governo dos EUA contrata empresa para monitorar a Binance

A Forensic Risk Alliance venceu a disputa contra a Sullivan & Cromwell, que atuou no caso FTX