Imagem da matéria: Deputado que defendeu proibição do Bitcoin será relator de novo projeto de regulação
Expedito Netto durante sessão na Câmara (Foto: Divulgação)

O deputado federal Expedito Netto (PSD/RO) foi designado pela para ser mais uma vez o relator do projeto de lei 2.303/15 que visa a regulação do bitcoin e outras criptomoedas como espécie de arranjo de pagamento.

A decisão publicada na quinta-feira (11) foi tomada pela Comissão Especial da Câmara dos deputados destinada a proferir parecer sobre essa proposta legislativa.

Publicidade

Netto já havia sido relator desse projeto de lei, em 2017, antes de ele ser arquivado. Naquele período, o deputado defendeu a proibição da emissão das criptomoedas em território nacional, assim como a comercialização, intermediação e meio de pagamento.

O autor da proposta legislativa, o deputado federal Áureo Ribeiro (Solidariedade/RJ), numa entrevista ao Portal do Bitcoin, afirmou, entretanto, que atualmente a postura de Netto não é mais a mesma do passado.

“O relator ficou sem entendimento naquela época, mas agora já está criando um outro entendimento. Ele está mudando a ideia já”.

Regulação do Bitcoin

O PL 2.303/15, que hoje tramita na Comissão Especial da Câmara, criada pelo deputado federal Rodrigo Maia (DEM/RJ), havia sido arquivado no ano passado.

Publicidade

O desarquivamento dessa proposição legislativa ocorreu em março à pedido do deputado federal Áureo Ribeiro (solidariedade/RJ). Ribeiro, na época, havia apresentado uma nova proposta de lei (PL 2.060/19), a qual foi anexada ao antigo projeto.

No último mês, o deputado federal Eduardo Cury (PSDB/SP) encaminhou um requerimento ao presidente da Câmara dos Deputados para que os dois projetos fossem  apensados por tratarem ambos de regulação do Bitcoin.

Diferentemente, do novo projeto que visa tratar da regulação das criptomoedas como espécie de Valor Mobiliário a ser fiscalizado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a antiga proposta discute a possibilidade de as criptomoedas, assim como as milhas aéreas, serem reguladas como arranjo de pagamento, cabendo assim a competência do Banco Central como órgão regulador.

Projeto do Senado

No início do mês, foi a vez do Senado entrar no jogo da regulação. Na ocasião, o senador paranaense Flávio Arns (Rede) um projeto de lei que prevê até 12 anos de prisão para fraudes em exchanges de criptomoedas e necessidade de autorização do Banco Central para esse tipo de operação.

Publicidade

O projeto começa por definir exchanges: “pessoa jurídica que oferece serviços referentes a operações realizadas com criptoativos em plataforma eletrônica, inclusive intermediação, negociação ou custódia.”

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Memecoin de Trump na Solana dispara com boatos de ser token oficial

Memecoin de Trump na Solana dispara com boatos de ser token oficial

Sem nenhuma evidência de um vínculo com Trump, uma memecoin mais do que dobrou de preço e teve US$ 129 milhões em negociações com base em um boato
Homem preso com as mãos algemadas nas costas

Polícia do Rio prende suspeitos de integrar quadrilha especializada em golpes com criptomoedas

Operação ‘Investimento de Araque’ foi deflagrada nos estados do Rio, Amazonas e Pará; suspeitos movimentaram mais de R$ 15 milhões em dois anos
Banco Central se reunirá hoje com Facebook para debater proibição do WhatsApp Pay

“Inserimos com o Drex o conceito de tokenização nos sistemas dos bancos”, diz Campos Neto

O presidente do BC participa do Emerging Tech Summit, evento do Valor Capital Group em São Paulo
moedas de bitcoin e letras ETF

Analista prevê que ETFs de Ethereum podem capturar até 20% dos fluxos de ETFs de Bitcoin

Performance, contudo, pode depender de como a SEC vai classificar o staking de ETH