Imagem da matéria: CVM reverte liminar que permitia a Empiricus atuar sem credenciar analistas
(Foto: Daniel Ducci)

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) conseguiu reverter junto à Justiça uma liminar que permitia a Empiricus, empresa que se autoclassifica como produtora de conteúdo, a não se submeter a regras de análise de investimento.

De acordo com um comunicado do site da Autarquia, a medida havia afastado a exigência de credenciamento da Empiricus Research Publicações LTDA como analista de valores mobiliários, o que suspendia a exigibilidade de multas aplicadas contra a empresa.

Publicidade

A empresa foi à Justiça após a Autarquia ter solicitado acesso irrestrito ao conteúdo fechado para assinantes.

A CVM havia reagido a reclamações de investidores. Ela viu o marketing digital da empresa como agressivo, o que foi rebatido pelo diretor executivo da Empiricus, Felipe Miranda, que disse ser uma publicidade “assertiva” e “americanizada”.

“A Comissão de Valores Mobiliários (CVM), representada pela Procuradoria Federal Especializada junto à Autarquia (PFE/CVM), obteve junto ao Tribunal Regional da 3ª Região (TRF3) o deferimento de tutela de urgência para suspender a decisão liminar que havia afastado a exigência de credenciamento da Empiricus Research Publicações LTDA”, comunicou a Autarquia em 20 de dezembro.

A decisão obtida pela CVM considerou a inexistência de comprovação de que o conteúdo do material produzido pela Empiricus não se enquadraria na definição de “relatório de análise”, como previsto na Instrução CVM 598 de 03 de maio de 2018, diz a nota.

O artigo 3º da Seção I – Obrigatoriedade de Credenciamento — diz que “É obrigatório o credenciamento: I – dos analistas de valores mobiliários, pessoa natural, que exerçam a atividade de forma autônoma; II – das instituições integrantes do sistema de distribuição que exerçam a atividade de analista de valores mobiliários; e III – de qualquer outra pessoa jurídica que exerça a atividade de analista de valores mobiliários.

Publicidade

Segundo O Globo, a desembargadora Diva Prestes Marcondes Malerbi levou em conta que a publicidade das análises técnicas é inerente ao exercício da atividade de analista de valores mobiliários, cujos relatórios e recomendações são divulgados ao público em geral e não há como se afastar a exigência de credenciamento.

A CVM é vinculada ao Ministério da Fazenda do Brasil e foi criada em 7 de dezembro de 1976.

A liminar

A Empiricus havia conseguido a liminar na Justiça Federal em novembro. Isso impedia a CVM de regulamentar a empresa ou enquadrar seus funcionários na função de Analista de valores mobiliários, cujo credenciamento é feito por entidades autorizadas pela Autarquia.

Em junho deste ano, Felipe Miranda, sócio-fundador da empresa anunciou que iria abrir mão de sua certificação no exercício da atividade de Analista de investimentos. Em 2017, a empresa também havia alterado seu registro na Junta Comercial — deixou de ser consultoria de investimento para se transformar em empresa de comunicação.

Empresa não aceita

Procurada na ocasião do deferimento a favor da CVM, a Empiricus disse que ainda não havia sido intimada. Em nota, a empresa comunicou que “Qualquer manifestação de nossa parte será expressada nos autos do processo”.

Publicidade

Após o revés judicial, Miranda, que é economista, disse que não respeitava a CVM como seu regulador, conforme publicação do O Globo no domingo (23).

Ele reafirmou os argumentos que apresentou à Justiça, de que a Empiricus é uma empresa de caráter jornalístico e não uma casa de análise de valores mobiliários.

Miranda diz que a CVM passa por cima da Constituição ao tentar regular a Empiricus, pois diferentemente dos analistas de bancos e corretoras, a empresa não oferece serviços de distribuição de valores mobiliários e sim de “opiniões”, citando a liberdade de expressão como argumento.

No entanto, enquanto o mérito da disputa não é decidido, a Empiricus volta, a contragosto, a estar sob o guarda-chuva regulatório da CVM, diz o site.

Não somos um banco, nem uma corretora

Em seu site, a Empiricus se apresenta como uma empresa que “desde 2009 ajuda pessoas comuns a conquistarem a sua independência financeira” e que ela não é banco nem corretora. Diz que apenas vendem assinaturas para que as pessoas tenham acesso a publicações de ideias com sugestões de investimentos.

Publicidade

A Empiricus deve fechar o ano com 235 mil assinantes e um faturamento de R$ 170 milhões somente no segundo semestre. 

Empiricus e as Criptomoedas

A Empiricus, que no início de 2017 escreveu em um tweet não recomendar Bitcoin para ninguém, voltou atrás poucos meses depois e lançou relatórios voltado ao mercado cripto.

Anúncios chamativos como “Criptomoeda Asiática”, “Criptomoeda fora do radar”, “Retorno de 93x”, “Bitcoin 2.0” entre outros, inundam a internet para atrair novos assinantes para suas publicações.


BitcoinTrade

Baixe agora o aplicativo da melhor plataforma de criptomoedas do Brasil
Cadastre-se e confira todas as novidades da ferramenta, acesse: www.bitcointrade.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Antônio Ais posa para foto ao lado de carro

Criador da Braiscompany, Antônio Neto Ais é solto na Argentina

O benefício de prisão domiciliar valerá até que o processo de extradição para Brasil seja resolvido
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
Gustavo Scarpa em um campo de futebol usando o uniforme do Atlético Mineiro

Scarpa x Bigode: Pedras preciosas não valem como garantia em processo contra pirâmide cripto, diz PF

Um laudo das pedras de alexandrita apreendidas da suposta pirâmide Xland foi avaliado por um juiz, que determinou que elas não têm valor significativo
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide