paulo guedes
Ministro da Economia, Paulo Guedes (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Em resposta a uma consulta feita pela Junta Comercial do Estado de São Paulo (Jucesp), o Ministério da Economia, por meio de seu Departamento Nacional de Registro Empresarial e Integração, confirmou em ofício divulgado na terça-feira (1º) que empresas podem usar bitcoin e outras criptomoedas para integralizar o capital social de pessoas jurídicas.

No documento, direcionado a todas as juntas comerciais do Brasil, o órgão informou que não há nenhum impedimento legal para integralizar ativos digitais em sociedades. Para sustentar a posição, o Ministério citou dois artigos da legislação brasileira.

Publicidade

O primeiro artigo é o 997 do Código Civil, que em seu inciso II diz que “o capital da sociedade, expresso em moeda corrente” pode “compreender qualquer espécie de bens, suscetíveis de avaliação pecuniária”. O órgão também mencionou a Lei 6.404/1976, que em seu artigo 7º diz que “o capital social poderá ser formado com contribuições em dinheiro ou em qualquer espécie de bens suscetíveis de avaliação em dinheiro”.

Na consulta, a Junta de São Paulo também perguntou ao Ministério da Economia se há formalidades em caso de integralização de criptomoedas no capital de empresas. O Ministério da Economia informou que não e que as regras são as mesmas aplicáveis com bens móveis.

“Devem ser respeitadas as mesmas regras aplicáveis à integralização de capital com bens móveis, conforme o respectivo tipo societário, limitando-se às juntas Comerciais ao ‘exame do cumprimento das formalidades legais’ do ato objeto de arquivamento (art. 40 da Lei 8.934/1994)”, disse o órgão.

Natureza jurídica das criptomoedas

Por fim, a Jucesp questionou sobre a natureza jurídicas do bitcoin e altcoins. Na resposta, o Ministério da Economia informou que segue o entendimento da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), da Receita Federal do Brasil (RFB) e do Banco Central (BC).

Publicidade

A CVM, por exemplo, já emitiu nota afirmando que criptomoedas podem ser consideradas valores mobiliários. Assim como a autarquia, a Receita já divulgou que vê as criptos como ativos financeiros. Por fim, o BCB também reconhece os ativos digitas como bens.

VOCÊ PODE GOSTAR
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de criptomoedas e forex de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa diária de R$ 1 mil, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Xpoken
CEO do MB Reinlado Rabelo em evento da CVM na USP

“A Bolsa é sim lugar de startups”, diz CEO do Mercado Bitcoin em evento da CVM

Reinaldo Rabelo participou do evento do “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil”
moeda de Bitcoin ao lado de letreiro com ETF

Estado dos EUA investe R$ 510 milhões em ETF de Bitcoin da BlackRock

O investimento foi confirmado hoje pelo Conselho de Investimentos do Estado de Wisconsin (SWIB)
Michaël van de Poppe em vídeo no Youtube

“É hora de investir em altcoins como Ethereum além do Bitcoin”, diz Michaël van de Poppe

Citando o Ethereum com uma das opções, o analista diz que o mercado de altcoins já passou por correção e que a tendência agora é de alta