Imagem da matéria: Criptomoeda Libra do Facebook é vilã ou a redenção de Mark Zuckerberg?
(Imagem: Shutterstock)

Na quarta-feira (23) Mark Zuckerberg falou sobre o Libra frente ao House Financial Services Committee, comitê do congresso norte-americano responsável, entre outras funções, por legislar sobre serviços financeiros. O seu discurso foi publicado de antemão e está disponível aqui.

Dentre os diversos argumentos pró-Libra — inclusão financeira, eficiência, segurança, entre outros — o que mais me chama a atenção é aquele que explica que a China está correndo para ter sua própria criptomoeda e, com isso, ampliando sua força geopolítica, sendo o Libra uma potencial resposta à altura.

Publicidade

Apesar de todas as críticas que possamos ter ao Facebook, eu acredito que Mark Zuckerberg não poderia ter sido mais brilhante em seu posicionamento.

Quem hoje conseguiria fazer frente à China, senão a maior rede social ocidental do mundo com 2,4 bilhões de usuários, que, em uma virada de chave, poderia prover às autoridades norte-americanas não apenas dados sobre hábitos e ações dos indivíduos, mas também dados, acessos e influência sobre suas ações financeiras, provendo-lhes assim mais poder?

Na China, o caminho parece mais direto, considerando a relação do Estado e do Governo com as empresas e com a população em geral, que é mais simbiótico e impositivo.

Por isso, a mensagem de Zuckerberg, de que o projeto chinês pode se concretizar em meses, não me surpreende.

No ocidente, contudo, o caminho tende a ser mais sinuoso. Como bem lembrado por Zuckerberg, a história recente do Facebook o afasta do papel de herói. Ela o coloca entre consumidores e a mídia em uma posição mais próxima a um vilão da privacidade e da segurança das pessoas.

Publicidade

O que talvez estivesse mais implícito e com o passar do tempo vai se tornando mais relevante, é como esta realidade de influência via dados (agora, somando-se dados financeiros) poderia ser relevante em temas geopolíticos em escala global.

Por isso, os debates e decisões em torno do Libra terão cada vez mais peso nos rumos da humanidade.

Será que o governo norte-americano vai insistir na cobrança por privacidade? Ou irá ceder a um interesse geopolítico que se sobreponha a isto? — quem sabe até visando potencialmente, em um médio/longo prazo, resguardar estas mesmas pessoas através de mais capacidade de influência sobre elas?

E os Bancos Centrais dos diversos Estados-Nação? Eles terão interesse e conseguirão operar de forma sincronizada visando esta perspectiva macro, ainda que isto represente o seu enfraquecimento? 

Será que a Libra pode mesmo ser a redenção de Zuckerberg?

Sobre a autora

Rosine Kadamani é advogada e especialista em blockchain e criptoeconomia. É também cofundadora da Blockchain Academy, um projeto educacional brasileiro focado em inovações e iniciativas blockchain e DLTs.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: EUA acusam  2 chineses de lavarem US$ 73 milhões em esquema com criptomoedas

EUA acusam 2 chineses de lavarem US$ 73 milhões em esquema com criptomoedas

O Departamento de Justiça acusou Daren Li e Yicheng Zhang de orquestrar um esquema com criptomoedas de “abate de porcos”
Antônio Ais posa para foto ao lado de carro

Criador da Braiscompany, Antônio Neto Ais é solto na Argentina

O benefício de prisão domiciliar valerá até que o processo de extradição para Brasil seja resolvido
Imagem da matéria: Ex-diretor da FTX é condenado a 7,5 anos de prisão — mas poderá ficar com seu Porsche

Ex-diretor da FTX é condenado a 7,5 anos de prisão — mas poderá ficar com seu Porsche

Ryan Salame, o ex-colaborador da FTX de Sam Bankman-Fried, foi condenado a 90 meses de prisão nesta terça-feira
Michaël van de Poppe em vídeo no Youtube

“É hora de investir em altcoins como Ethereum além do Bitcoin”, diz Michaël van de Poppe

Citando o Ethereum com uma das opções, o analista diz que o mercado de altcoins já passou por correção e que a tendência agora é de alta