Imagem da matéria: Coreia do Sul vai criar agência para supervisionar mercado de criptomoedas
Foto: Shutterstock

A Comissão de Serviços Financeiros da Coreia do Sul (FSC) anunciou na quinta-feira (26) a criação de uma agência independente para supervisionar operações com criptomoedas. Segundo o órgão, a iniciativa faz parte de uma mudança organizacional na Unidade de Inteligência Financeira da Coreia (KoFIU) para melhorar a transparência nas transações de ativos virtuais. 

De acordo com a nota da FSC, a entidade começa a funcionar em setembro e seu desenvolvimento está em consonância com a revisão da lei acerca de informações sobre transações financeiras específicas do setor de criptomoedas, que entrou em vigor em março deste ano — a Lei de Informações sobre Transações Financeiras Especiais (SFTIA). A ação foi endossada pelo Ministério do Interior e Segurança.

Publicidade

“A mudança legislativa relativa à mudança organizacional cria uma nova divisão e adiciona pessoal especificamente encarregado da gestão e supervisão de provedores de serviços de ativos virtuais e suas funções de AML (sigla em inglês para ‘Prevenção à Lavagem Dinheiro’). A adição de pessoal deste nível funcional vai fortalecer a capacidade do KoFIU de inspeção e análise com relação a essas transações”, diz a Comissão.

De acordo com uma publicação do Korea Times no dia do anúncio, o novo departamento se chamará ‘Crypto Asset Monitoring Bureau’ — Agência de monitoramento de Ativos — e será responsável por supervisionar licenças de exchanges e monitorar atividades suspeitas.

Regulação na Coreia do Sul

O governo da Coreia do Sul tem se voltado cada vez mais para o mercado de criptomoedas por causa do crescente nível de endividamento de jovens, comentou o Coindesk.

Dados fornecidos pela FSC ao Korea Times mostraram que os jovens são responsáveis por mais da metade da população endividada do país. Para o diretor da FSC, Koh Seung-beom, pelo menos parte dessas dívidas são oriundas de especulação de ativos digitais.

Publicidade

A partir de 24 de setembro, conforme o comunicado da FSC, as corretoras de criptomoedas que não forem registradas na KFIU não terão permissão para operar na Coreia do Sul. As empresas de criptomoedas também devem obter a aprovação da FSC e da Agência de Segurança e Internet do país antes da data estipulada.

Dentre as exigências do regulador estão a identificação dos usuários e a divugação sobre quais ativos podem ser listados.

VOCÊ PODE GOSTAR
Algoritimos formam rosto em tela de computador

Portal do Bitcoin apresenta TOSHI, agente de Inteligência Artificial que busca a notícia que você precisa

TOSHI foi treinado para buscar as notícias que o leitor precisa via palavra-chave, tema, e possui comandos básicos de interação junto ao usuário
Imagem da matéria: Gestora lança proposta para primeiro ETF de Solana da América do Norte

Gestora lança proposta para primeiro ETF de Solana da América do Norte

Após as aprovações de ETFs de Bitcoin e Ethereum nos EUA, uma empresa pretende lançar o primeiro ETF de Solana do Canadá
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Ethereum sobe 3% com fim de investigação da SEC; Receita lança GT para fiscalizar corretoras estrangeiras

Manhã Cripto: Ethereum sobe 3% com fim de investigação da SEC; Receita lança GT para fiscalizar corretoras estrangeiras

Entre os objetivos do novo grupo de trabalho da Receita Federal está criar uma estratégia de atuação em relação às corretoras que não cumprem suas obrigações tributárias no Brasil
Imagem da matéria: Paradigm levanta US$ 850 milhões para investir em projetos cripto em estágio inicial

Paradigm levanta US$ 850 milhões para investir em projetos cripto em estágio inicial

A Paradigm, a proeminente empresa de capital de risco cripto, levantou US$ 850 mi para seu mais recente fundo voltado para projetos nascentes em várias categorias