Hal Finney
Reprodução Wikipedia

A conta do Twitter de uma das maiores figuras históricas do Bitcoin “voltou à vida” após mais de uma década de inatividade. O perfil não postava nada desde 2010.

“Esta é Fran Finney”, twittou a esposa de Hal Finney, que toma conta da conta “halfin”, na sexta-feira (16). “Estou twittando para Hal evitar que sua conta seja expurgada por Elon Musk”.

Publicidade

Hal Finney é um dos primeiros testadores de Bitcoin a corroborar com o fundador anônimo da rede, Satoshi Nakamoto, em seus primeiros dias. Em 12 de janeiro de 2009, ele recebeu 10 Bitcoins de Satoshi – a primeira transferência de Bitcoin já realizada.

De fato, muitos hoje na comunidade Bitcoin acreditam que Finney provavelmente era Satoshi – ou pelo menos parte de um grupo de desenvolvedores por trás do pseudônimo.

Finney faleceu de uma doença fatal em agosto de 2014, deixando ele e Satoshi ausentes do futuro desenvolvimento do Bitcoin. Como tal, os fiéis do Bitcoin tratam as mensagens antigas, tweets e postagens de fórum de Finney como artefatos valiosos – assim como as mensagens assinadas por Satoshi.

Uma mensagem particularmente popular foi seu tweet de anúncio de que ele estava “rodando Bitcoin” em 10 de janeiro de 2009. Ele pode ter sido a segunda pessoa a executar o software depois do próprio Satoshi.

Publicidade

Naturalmente, o súbito renascimento de Finney pegou alguns de surpresa. Jameson Lopp – co-fundador e CEO da empresa de segurança e carteira Bitcoin Casa – inicialmente sugeriu que a conta pode ter sido comprometida, depois de perceber que havia seguido recentemente sua própria conta no Twitter.

Outros foram rápidos em apontar, no entanto, que a conta de Finney pode ter sido reativada por alguém que a controla para evitar que seja “expurgada por Elon Musk”. A esposa de Hal, Fran Finney, confirmou a si mesma que esse era realmente o caso.

Desde que assumiu o Twitter, Elon Musk prometeu excluir mais de 1,5 bilhão de contas do Twitter para liberar certos identificadores do Twitter para proprietários mais novos e ativos. “Essas são exclusões de contas óbvias sem tweets e sem login por anos”, disse ele em 9 de dezembro.

Seu anúncio despertou preocupação entre os Bitcoiners, que temiam que tal política pudesse permitir que contas como a de Finney caíssem por terra. Depois que Fran reativou o identificador, a comunidade agradeceu rapidamente.

Publicidade

Finney era um cyberpunk – o que significa que ele acreditava no uso da criptografia para garantir liberdade e privacidade para todos. Ele também viveu na mesma cidade que Dorian Nakamoto, o homem que a revista Newsweek disse de forma muito famosa e incorretamente ser Satoshi, por cerca de 10 anos.

Finney sempre negou as alegações de que ele era o criador pseudônimo do Bitcoin antes de sua morte – exatamente o tipo de coisa que Satoshi faria.

*Traduzido com autorização do Decrypt

Participe da comunidade de criptomoedas que mais cresce no Brasil. Clique aqui e venha conversar no Discord com os principais especialistas do país.

VOCÊ PODE GOSTAR
Pessoa olha para scanner da Worldcoin

Hong Kong bane Worldcoin por coleta de dados “desnecessária e excessiva”

A Worldcoin chegou a escanear o rosto e a íris de 8.302 indivíduos durante sua operação em Hong Kong, segundo autoridades
Michaël van de Poppe em vídeo no Youtube

“É hora de investir em altcoins como Ethereum além do Bitcoin”, diz Michaël van de Poppe

Citando o Ethereum com uma das opções, o analista diz que o mercado de altcoins já passou por correção e que a tendência agora é de alta
criptomoedas, criptoativos, regulação, Brasil, projeto de lei

Banco Central anuncia próximos passos da regulamentação do mercado cripto no Brasil

Sem definir datas, BC diz que irá fazer mais uma consulta pública no segundo semestre e um planejamento interno sobre stablecoins
Smartphone mostra logotipo da Receita Federal; ao fundo, um leão

Prazo para entrega do Imposto de Renda termina nesta sexta; veja como declarar criptomoedas

Com mudanças neste ano na declaração de criptomoedas, o contribuinte precisa ficar atento para não perder o prazo do Imposto de Renda, que vai até o dia 31