Imagem da matéria: Consumo de energia do Bitcoin cresce e agora é comparável ao da República Tcheca
(Foto: Shutterstock)

O consumo de energia estimado e o impacto ambiental do Bitcoin – devido à grande demanda de energia das plataformas de mineração – cresceu até o halving desde ano, no início de maio, ponto em que caiu quando as recompensas da mineração foram cortadas pela metade.

Não demorou muito para que essas estimativas começassem a subir novamente e, neste mês, elas atingiram novos recordes.

Publicidade

De acordo com o Digiconomist, que rastreia o consumo total estimado de energia de toda a rede Bitcoin, o Bitcoin está atualmente estimado em 67.927 terawatts-hora (TWh) por ano.

Enquanto isso, o consumo total mínimo estimado de energia do Bitcoin atingiu um pico recente de 54.853TWh em 2 de setembro, que é o valor mais alto registrado desde novembro de 2018. Caiu um pouco na última semana, chegando a 50.715TWh na quinta-feira.

O último número estimado de consumo de energia do Bitcoin coloca a rede por trás do consumo de energia de apenas 42 países no mundo, com o consumo de energia do Bitcoin comparável ao da República Tcheca. O consumo de energia do Bitcoin agora está acima da Suíça, Kuwait e Argélia nessa lista.

O Digiconomist estima que a pegada de carbono do Bitcoin seja de 32,27 Mt CO2, ou comparável à do Azerbaijão, com geração de lixo eletrônico comparável a Luxemburgo a 10,81 kt.

Enquanto isso, estima-se que uma única transação de Bitcoin tenha a mesma pegada de carbono que 709.007 transações VISA ou assistir 47.267 horas de vídeos no YouTube, ou o consumo de energia de uma família americana média em 20 dias.

Publicidade

Essas são apenas estimativas, veja bem, e há algum debate sobre se elas levam em consideração as operações de mineração modernas mais eficientes. No entanto, um relatório de agosto da Energy Research & Social Science, de autoria de Alex de Vries, o criador do Digiconomist, sugere que as estimativas do consumo de energia do Bitcoin podem na verdade ser significativamente subestimadas.

Esse relatório, por exemplo, “conservadoramente” estimou o consumo total de energia da rede Bitcoin em 87,1TWh em 30 de setembro de 2019, enquanto o Digiconomist lista uma estimativa de 73,21TWh para a mesma data.

O hashrate do Bitcoin, ou o poder de processamento total combinado em toda a rede, estabeleceu um novo pico em 8 de setembro. O hashrate e os valores de consumo de energia estimados estão consistentemente interligados.

VOCÊ PODE GOSTAR
Ilustração de moeda gigante de Bitcoin observada por investidores e prestes a ser cortada ao meio

CEO da Morgan Creek Capital prevê Bitcoin a US$ 150 mil após o halving

Para o CEO da Morgan Creek Capital Management, o FOMO (medo de ficar de fora) deve ser um dos fatores que vão alavancar o preço BTC após o halving
Brad Garlinghouse, CEO da Ripple , posa para foto

Mercado de criptomoedas vai valer US$ 5 trilhões até final do ano, prevê CEO da Ripple

Brad Garlinghouse justifica seu otimismo pelo halving do Bitcoin e um possível impulso regulatório positivo do mercado cripto nos EUA
moedas de Bitcoin sobre notas de ienes

Anúncio de investimento em Bitcoin faz ações de empresa asiática disparar 90%

Seguindo o manual da MicroStrategy, a empresa japonesa Metaplanet está atraindo forte interesse dos investidores
Moeda de Bitcoin no centro de dados IA

Algoritmos de Aprendizado de Máquina preveem preço do Bitcoin para 30 de abril

Inteligência artificial prevê para o último dia deste mês que o preço do Bitcoin passe por um ligeiro ajuste