farao do bitcoin glaidson
Glaidson Acácio dos Santos, mais conhecido como Faraó do Bitcoin (Foto: Reprodução)

Uma cold wallet da GAS Consultoria foi movimentada na sexta-feira (27), tendo sido transferidos dez bitcoins (R$ 1,7 milhão) para a conta de uma corretora centralizada. As informações são do jornal O Globo, que utilizou dados da BlockSeers, empresa de perícia e investigação em blockchain. 

Segundo o jornal, foi a quarta movimentação de bitcoins ligados à GAS desde agosto de 2021, quando grande parte da diretoria da empresa acusada de ser uma pirâmide financeira foi presa. As suspeitas de movimentação recaem sobre Mirelis Yoseline Dias Zerpa, esposa de Glaidson Acácio dos Santos, conhecido como “Faraó do Bitcoin”, que aguarda julgamento em cárcere fechado. 

Publicidade

Mirelis já admitiu que transferiu R$ 1 bilhão em Bitcoin para uma cold wallet logo após as prisões terem sido efetuadas. Ela afirma que fez o movimento para continuar pagando clientes da GAS Consultoria, mas a empresa parou de distribuir dinheiro ainda em agosto de 2021.

Em dezembro de 2021, usando uma conta na Binance, Mirelis transferiu o equivalente a R$ 2,3 milhões para a irmã, Noiralis. Já em março deste ano, a cold wallet da GAS Consultoria mexeu em 94 Bitcoins. Foi desse montante que saíram os BTCs movidos na sexta (27). Essa carteira, inclusive, é identificada nos processos da Justiça Federal como sendo de Glaidson.  

A defesa de Mirelis disse ao jornal que irá se pronunciar sobre o episódio, mas ainda não divulgou nenhum posicionamento até a publicação desta reportagem.

Rede internacional para lavagem de dinheiro

Segundo reportagem do jornal O Globo publicada em abril deste ano, a família de Mirelis Zerpa manteve uma rede de empresas no exterior para lavar dinheiro da GAS Consultoria.

Publicidade

Conforme aponta o jornal, a informação decorre de clientes lesados que foram ouvidos por especialistas locais.

Um dessas companhias funcionou na Colômbia por cerca de três anos para injetar dinheiro de origem desconhecida no mercado de câmbio local. A empresa, identificada como Consultoria Y Tecnologia Avanzada S.A.S, estev operacional entre março de 2020 e dezembro de 2022 na cidade colombiana de Medellín.

O objetivo, segundo as testemunhas, seria lavar dinheiro para ocultar os ganhos oriundos de golpes em vários países do esquema transnacional de pirâmide financeira criado pela GAS Consultoria.

Conforme apurou O Globo, a Consultoria Y Tecnologia Avanzada foi registrada nos nomes de Noiralis Zerpa, irmã de Mirelis, e Juan Pablo Bonilla Guzman, que teriam sido usados como ‘laranja’’.

VOCÊ PODE GOSTAR
Tela de computador com logotipo da Binance e lente de aumento

Binance aumenta capital da B Fintech em 37.300%, indo de R$ 50 mil para R$ 18,7 milhões

B Fintech é o nome da Binance nos registros empresariais do Brasil
Close na mão de candidato preenche gabarito com lápis preto

Novo concurso do BNDES pede conhecimento em criptomoedas e blockchain; Salário é de R$ 20,9 mil

São 900 vagas para vários cargos, incluindo cadastro de reserva e cotas para candidatos negros e pessoas com deficiência
Lionel Messi jogador de futebol durante partida pela seleção da Argentina

Tokens da Argentina e Espanha despencam mais de 20% após títulos; entenda por quê

Tokens oficiais das seleções da Argentina e Espanha caíram entre 22% e 25% após as vitórias de domingo
Dólares equilibrados formam uma pirâmide

Mercado ligado a elite do Camboja movimentou R$ 59 bilhões para golpistas cripto

Um grupo ligado à família Hun, no poder do Camboja, foi acusado de estar envolvido em um golpe multibilionário de cripto