Imagem da matéria: Coinbase testou controversa tecnologia de reconhecimento facial reprovada por Google e Youtube
Foto: Shutterstock

O site BuzzFeed News revelou na quinta-feira (27) que a Coinbase, maior exchange de criptomoedas dos EUA, testou um controverso software de reconhecimento facial, inclusive já reprovado por empresas como Google, Youtube e LinkedIn.

Chamado Clearview AI, o programa é capaz de vasculhar redes sociais e identificar o local que uma pessoa frequenta, seus amigos e várias informações pessoais. Autoridades do Canadá, por exemplo, já colocaram a tecnologia em discussão.

Publicidade

Coinbase nega ter usado dados de clientes

A Coinbase não negou que adquiriu a tecnologia, mas também alegou que nos testes não foram usados dados de seus clientes. De acordo com um porta-voz, o sistema foi testado como parte das necessidades de segurança no que diz respeito a normas internas de compliance.

“Nossas equipes de segurança e compliance testaram o Clearview AI com objetivo de analisar se a tecnologia poderia reforçar significativamente os esforços em proteger nossos funcionários contra ameaças físicas, bem como investigar fraudes”, explicou o representante ao site.

Segundo a reportagem, mais de 40 instituições financeiras estão testando a ferramenta e pelo menos 2.200 empresas e autoridades em todo o mundo já adquiriram o produto.

Conforme o BuzzFeed, o Clearview AI foi primeiramente lançado com foco em entidades policiais nos EUA e no Canadá, mas que hoje já possui clientes em 26 países, incluindo o Brasil.

Publicidade

No Canadá, a empresa já é investigada. Conforme reportagem da Veja, as autoridades canadenses querem checar se o serviço está de acordo com a lei de segurança do país.

Segundo a revista, o maior problema detectado por críticos, tanto do Canadá como dos Estados Unidos é a falta de permissão das pessoas que aparecem nas fotos — o que seria um potencial uso indevidos da tecnologia.

Uma reportagem da Reuters também ‘botou lenha na fogueira’ quando reportou que várias autoridades de Ontário reconheceram publicamente que usam os serviços da Clearview AI, incluindo a polícia de Toronto, cidade mais populosa do Canadá.

Todos contra um

Apple, Google, Youtube e Twitter também estão insatisfeitos com as ações da Clearview. Pelo menos duas gigantes já pediram oficialmente para a empresa limpar o banco de dados — de 3 bilhões de imagens.

Publicidade

No início do mês, o Youtube exigiu que a Clearview AI parasse de extrair dados de vídeos da plataforma para o seu banco de dados. Segundo a CBS News, a empresa pediu, também, a exclusão das imagens já coletadas.

Além do YouTube, o Google a Venmo e o LinkedIn foram outras empresas que afrontaram a Clearview, enviando cartas de “cessar e desistir” (‘Cease and desist’, em inglês. É uma pedido extrajudicial para cessar uma atividade).


BitcoinTrade: Depósitos aprovados em minutos!

Cadastre-se agora! Eleita a melhor corretora do Brasil. Segurança, Liquidez e Agilidade. Não perca mais tempo, complete seu cadastro em menos de 5 minutos! Acesse: bitcointrade.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Sam Bankman-Fried se diz "assombrado" pelos erros da FTX

Sam Bankman-Fried se diz “assombrado” pelos erros da FTX

Em uma troca de e-mails com a ABC News, o ex-magnata das criptomoedas disse que está tentando consertar seus erros na prisão
Logotipo OKX ao fundo tela trading

OKX lança rede Ethereum de segunda camada para desafiar a Base da Coinbase

Uma rede de escalonamento Ethereum de segunda camada construída pela OKX lançou a rede principal, abrindo caminho para novos usuários
Brad Garlinghouse, CEO da Ripple , posa para foto

Mercado de criptomoedas vai valer US$ 5 trilhões até final do ano, prevê CEO da Ripple

Brad Garlinghouse justifica seu otimismo pelo halving do Bitcoin e um possível impulso regulatório positivo do mercado cripto nos EUA
Silhueta de pessoa jogando videogame À frente de TV

Agência federal de fiscalização dos Estados Unidos começa a olhar para games cripto

Comprar vidas extras ou ganhar tokens em um jogo do tipo play-to-earn equivale a um “banco em games e mundos virtuais”, diz agência