Imagem da matéria: China, criptomoedas e tecnologia blockchain
Foto: Shuttertock

A animosidade da China perante o mercado de criptomoedas, especialmente o do Bitcoin, já não é mais novidade para a comunidade cripto. O comportamento do país decorre de uma filosofia de governo fundamentada no alto intervencionismo econômico. As criptomoedas, incontroláveis, anárquicas e descentralizadas, são encaradas como um antagonista direto ao Estado Chinês e ao Partido Comunista da China.

Contudo, isso não quer dizer que a nação chinesa pretende ignorar e/ou banir a tecnologia por trás das criptomoedas, a blockchain; muito pelo contrário. A seguir, faremos uma análise geral do panorama histórico da China com relação ao mercado de criptomoedas, e veremos como o país tem tomado a dianteira no que se refere ao desenvolvimento e pesquisa em tecnologia blockchain.

Publicidade

A história das criptomoedas na China

A relação da China com as criptomoedas evoluiu gradativamente, com regulamentações cada vez mais pesadas sendo impostas na medida em que as criptos — especialmente o Bitcoin — ganhavam mais destaque. Até pouco tempo, a China era o país com o maior volume diário de transações, e detinha mais de 70% das instalações de mineração de Bitcoin. Uma grande parte dos indivíduos que ficaram milionários da noite para o dia, no Bull Market de 2017, era composta por chineses.

Contudo, em 2021, a China resolveu se posicionar mais veementemente, proibindo qualquer atividade de mineração de criptomoedas por PoW — o que afetou diretamente as redes Bitcoin e Ethereum. A preocupação principal, além da intenção clara de repressão à modalidade, está no alto consumo energético necessário para que a mineração aconteça.

De fato, a rede bitcoin consome, hoje, mais energia elétrica que toda a Argentina. Se colocado no ranking junto a todos os países, o Bitcoin ocupa a 27ª posição no consumo elétrico mundial. O crescimento da demanda ao longo de 2020 e 2021 veio intensificar ainda mais o aumento do gasto energético, que acabou motivando a ação do governo chinês.

Mesmo antes da era das criptomoedas, a China já tinha um histórico de forte regulamentação de ativos digitais. Em 2007, o governo derrubou a moeda Q Coin, criada pela provedora de internet e telefonia Tencent como parte de um programa de recompensas, e que já era usado por mais de 221 milhões de pessoas. Em 2009, o governo baniu as trocas de produtos virtuais por dinheiro, atingindo um mercado secundário crescente de contas de jogos como World of Warcraft e Runescapes.

Publicidade

Os primeiros anos

Os primeiros anos do Bitcoin na China foram, como na maioria dos países, praticamente livres de regulamentação, visto que a fase de “aguardar para ver” duraria até cerca de 2016. Em 2013, quando o Bitcoin ganhou muita força e aceitação de empresas e instituições no país, a China tomou sua primeira posição, proibindo bancos e corretoras tradicionais nacionais de operarem e investirem com Bitcoin. Isso levou à remoção da moeda como forma de pagamento em plataformas de comércio, como Baidu e Taobao.

Nos anos seguintes, apesar dos entraves do uso da moeda em transações comerciais, ainda era permitida a negociação entre indivíduos. Corretoras de criptomoedas, como BTCC e Huobi, se multiplicaram na China, tornando-se líderes mundiais em volume de negociação. Em 2015, 80% das trocas mundiais de BTC ocorriam perante o Yuan, algo que hoje não passa de 1%.

O panorama de infraestrutura nacional também se mostrou altamente atrativo à instalação das fazendas de mineração, mantendo o país na primeira posição mundial até 2021. Em setembro de 2017, ICOs foram totalmente banidas pelo governo chinês e todas as cripto-corretoras foram proibidas de negociar criptomoedas por moeda fiduciária.

Em 2018, esse movimento de restrição das criptomoedas foi aprofundado com a proibição adicional de transações cripto-cripto, entre indivíduos e/ou instituições, e mercados de balcão. Além disso, foi bloqueado o acesso a sites de corretoras internacionais e ICOs para habitantes chineses, por meio do Grande Firewall. 

Publicidade

Esses eventos levaram à maior queda na cotação do Bitcoin ao longo dos dois anos seguintes, uma baixa de 75% em relação à máxima histórica até então, em dezembro de 2017. O evento de Bear Market só voltaria a se repetir em 2021, com o já mencionado banimento das mineradoras em território chinês.

A China e a tecnologia Blockchain

Apesar das restrições e banimentos a fim de controlar e subjugar o mercado de criptomoedas, o governo chinês não deixou de reconhecer a importância estratégica da tecnologia por trás de tudo isso — a blockchain. Declarações públicas foram feitas em 2019 a respeito da importância nacional que a tecnologia representa para o país. O presidente Xi Jinping relatou que o desenvolvimento da tecnologia blockchain é uma prioridade chinesa.

De fato, hoje, a China detém o maior volume mundial de registro de patentes em blockchain. Sua liderança no mercado de criptos, entre os anos de 2010 e 2017, permitiu que alcançasse um grande nível de experimentação e qualificação da mão-de-obra especializada em desenvolvimento de blockchain e criptomoedas. Apesar dos subsequentes banimentos e restrições, a maior parte do conhecimento técnico permanece no país até hoje.

O maior exemplo prático disso é a DCEP, a moeda digital chinesa. Apesar de utilizar blockchain para funcionar, o conceito se baseia na centralização de uma moeda eletrônica com lastro no yuan nacional — conceito que já vem sendo testado por vários países.

Experimentações vêm ocorrendo em distribuições na loteria de Xangai, e já foram instalados mais de 3 mil caixas eletrônicos em Pequim com a opção de conversão entre o e-CNY (como também é conhecida a moeda digital) e o dinheiro físico.

Publicidade

Conclusão

A ideologia do governo chinês representa um embate direto à proposta de disrupção trazida pelo movimento das criptomoedas. O Partido Comunista Chinês, que recentemente celebrou seu 100º aniversário, vem solidificando seu controle sobre o Bitcoin, altcoins e as corretoras desde 2017. Contudo, as criptomoedas dão sinais de nova onda de valorização desde junho de 2021. Com a saída das mineradoras da China, muitas delas vêm se instalando em países vizinhos com condições propícias.

Além disso, a repressão tem causado a diminuição de oferta perante a demanda de Bitcoin, o que torna a mineração mais lucrativa e impulsiona o mercado. Muitos acreditam, inclusive, que o cenário atual, no qual nem mesmo a maior economia mundial consegue pôr um fim ao avanço do Bitcoin, provará a proposta original de disrupção, descentralização e independência econômica trazida pelas criptomoedas.

Sobre o autor

Fares Alkudmani é formado em Administração pela Universidade Tishreen, na Síria, com MBA pela Edinburgh Business School, da Escócia. Naturalizado Brasileiro. É fundador da empresa Growth.Lat e do projeto Growth Token.

VOCÊ PODE GOSTAR
Sigla ETF ao lado de moeda dourada de Ethereum

Veja todos os ETFs de Ethereum que devem estrear nesta terça

Grandes firmas de investimento receberam o sinal verde da SEC para listar ETFs de Ethereum à vista nos EUA. Aqui está a lista atualizada
Imagem da matéria: Comércio pré-mercado de Hamster Kombat expande à medida que o lançamento se aproxima

Comércio pré-mercado de Hamster Kombat expande à medida que o lançamento se aproxima

Bybit é a mais recente exchange a entrar na disputa, permitindo a negociação de pontos do jogo antes do lançamento do token on-chain
Imagem da matéria: Divulgador da BitConnect é proibido de administrar empresas por 5 anos

Divulgador da BitConnect é proibido de administrar empresas por 5 anos

Bigatton foi condenado na sexta-feira (12) a três anos de reconhecimento de bom comportamento e desqualificado para administrar empresas por cinco anos
J.D. Vance.

Quem é J.D. Vance? Vice de Trump que tem mais de US$ 100 mil em Bitcoin

O senador e autor de best-sellers J.D. Vance parece ter entrado no movimento republicano a favor das criptomoedas