Imagem da matéria: ChatGPT conduz missa para mais de 300 fiéis na Alemanha
Imagem gerada por inteligência artificial de robô conduzindo uma ritual religioso (Imagem; Decrypt)

Em um extraordinário encontro entre tecnologia e fé, mais de 300 cristãos protestantes se reuniram na semana passada na Alemanha para um serviço religioso único, orquestrado em grande parte com ferramentas de Inteligência Artificial (AI, na sigla em inglês). O serviço de 40 minutos – envolvendo orações, sermões, bênçãos e hinos – viu os paroquianos pastoreados por uma assembléia de discípulos digitais: quatro avatares controlado pelo ChatGPT, compostos por duas moças e dois rapazes.

A AI também não se limita apenas ao cristianismo. As pessoas já estão interagindo com versões baseadas em GPT de diferentes divindades, em várias religiões.

Publicidade

Essas entidades de AI fornecem um corpus completo de textos religiosos e, limitados a uma visão de mundo específica, provavelmente não disseminarão informações falsas ou orientações tendenciosas. Poderia ser uma interpretação tecnológica da intervenção divina, sem a incômoda falibilidade humana atrapalhando?

Este salto de fé particular no mundo digital foi recebido em parte com críticas. Um dos céticos era Heiderose Schmidt, uma profissional de TI de 54 anos, que achou o sermão liderado por AI sem o calor e a paixão normalmente associados a um pastor humano.

“Não havia coração ou alma; os avatares não exibiam emoções, não tinham linguagem corporal e falavam de forma tão rápida e monótona que era um desafio para mim me concentrar em suas palavras”, disse ela ao KTLA News.

Assista abaixo a reportagem:

Essa montagem digital levanta a questão: a AI deveria ter um lugar no reino religioso?

A capacidade da AI de fornecer informações religiosas precisas é inegável, mas a ausência de empatia – um elemento-chave da composição de qualquer líder religioso – apresenta uma preocupação significativa. Uma inteligência artificial ainda carece de apoio emocional e liderança que muitas vezes caracterizam os líderes religiosos humanos.

Publicidade

Com o rápido desenvolvimento de ferramentas de AI, é concebível que nossos futuros serviços religiosos possam ser conduzidos por reverendos robóticos e diáconos digitais. Como ilustra a experiência da congregação alemã, no entanto, o caminho para um cenário eclesiástico liderado pela inteligência artificial ainda está repleto de curiosidade e reservas.

No entanto, talvez haja uma certa ironia divina em uma máquina fazendo um sermão sobre a alma. Afinal, como diz o ditado, “Deus trabalha de maneiras misteriosas” — e às vezes essas maneiras podem envolver algumas linhas de código

*Traduzido com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
CEO da Galaxy Digital, Mike Novogratz, em entrevista ao BNN Bloomberg no YouTube

O Bitcoin precisa de uma nova narrativa para voltar a subir, segundo CEO da Galaxy Digital

Mike Novogratz também acredita que o preço do BTC flutue entre US$ 55 mil e US$ 75 mil até que novos eventos ocorram
Moeda prateada da Chainlink com reflexo em um fundo roxo

Chainlink sobe 18% ao lançar projeto piloto em Wall Street com JP Morgan, BNY Mellon e DTCC

A DTCC anunciou que acaba de concluir um projeto piloto de tokenização com gigantes de Wall Street, como JP Morgan e BNY Mellon, aproveitando o CCIP da Chainlink
bitcoin brilhando na mão

Semler Scientific investe US$ 40 milhões em Bitcoin e ações disparam 25%

As ações da Semler Scientific subiram 25% após a entidade anunciar a adoção do Bitcoin como principal ativo de reserva do tesouro
trader segura moeda de bitcoin em frente a grafico em computador

Bolsa de Chicago planeja lançar negociação de Bitcoin à vista, diz jornal

O objetivo é capitalizar a crescente demanda este ano entre os gestores de Wall Street para ganhar exposição ao setor de criptomoedas