Foguete decolando indo para o espaço
Foto: Shutterstock

Victor Hespanha deve se tornar neste sábado (4) o segundo brasileiro a ir ao espaço. O mineiro de 28 anos irá embarcar em um voo espacial da companhia Blue Origin, após ter vencido um sorteio entre donos de NFTs da empresa Crypto Space Agency (CSA).

A Blue Origin é uma empresa de voos espaciais comerciais privados fundada por Jeff Bezos, criador da Amazon. Ela é concorrente da Space X, de Elon Musk, no lançamento de cargas espaciais e satélites para empresas e governos.

Publicidade

Victor estava inicialmente programado para ir ao espaço no dia 20 de maio, mas durante uma inspeção de equipamento a Blue Origin descobriu uma peça que estava fora dos padrões da companhia e preferiu adiar a data do voo.

Victor Hespanha foi sorteado apśo comprar um NFT (Foto: Divulgação/CSA)

A CSA emitiu uma série de 5.555 tokens não-fungíveis (NFTs) chamados Gen-1. Todos que compraram os NFTs participaram do sorteio, que acabou agraciando o brasileiro.

Segundo a empresa, ao comprar um NFT, o cliente se torna membro de uma comunidade que tem como objetivo fomentar e viabilizar projetos espaciais com criptomoedas, entre outros benefícios.

O primeiro destes benefícios foi a viagem espacial, mas em breve a CSA diz que irá divulgar outras vantagens para os membros.

Publicidade

A empresa fala em seu site que tem como missão “convergir a tecnologia da indústria espacial com a inovação e o poder financeiro dos mercados de crypto para acelerar o futuro espacial da humanidade”.

O Portal do Bitcoin perguntou se há alguma prestação de serviços para empresas como Nasa, Space-X ou Blue Origin ou se a renda vem da criação de NFTs. A empresa confirmou que até o momento se trata do segundo caso.

“Contudo, com a finalidade de expandir a demanda do setor espacial, hoje a Crypto Space Agency também está focada no desenvolvimento de soluções e produtos que possam vir a surgir a partir da Web 3.0”, disse.

Em comunicado para a imprensa, Sam Hutchison, co-fundador da CSA, destaca que a viagem de Victor reforça a missão da agência: “Trabalhamos para unir a tecnologia da indústria espacial com a inovação e o poder financeiro do mercado cripto para que a humanidade possa ter uma visão do futuro além da Terra”. 

Publicidade

Joshua Skurla, também co-fundador, reforça que a chegada da agência ao mercado vai democratizar experiências como esta, antes restritas a um público muito específico, para uma comunidade bem mais ampla.

Primeiro brasileiro no espaço

O primeiro brasileiro a ir ao espaço foi o astronauta Marcos Cesar Pontes, no dia 30 de março de 2006. Ele e mais dois astronautas – o russo Pável Vinográdov e o americano Jeffrey Williams – saíram do cosmódromoBase de lançamento de foguetes. de Baikonur, no Cazaquistão, a bordo da nave Soyuz TMA-8, rumo à Estação Espacial Internacional. Depois de oito dias trabalhando na Estação Espacial, os astronautas voltaram à Terra na nave Soyuz TMA-7.

Mais recentemente, Marcos Pontes foi ministro da Ciência e Tecnologia entre os anos de 2019 e 2022, durante boa parte do mandato do presidente Jair Bolsonaro.

Pontes deixou a pasta em março deste ano para concorrer a uma vaga de deputado federal pelo estado de São Paulo nas eleições de outubro.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Dogecoin está se aproximando de uma "cruz dourada": o que isso significa?

Dogecoin está se aproximando de uma “cruz dourada”: o que isso significa?

Média móvel simples de 50 semanas (SMA) do preço spot da Dogecoin está atualmente em alta e pode passar barreira das 200 semanas
Imagem da matéria: FTX prometeu devolver 118% dos fundos dos clientes; o que acontece agora?

FTX prometeu devolver 118% dos fundos dos clientes; o que acontece agora?

Segundo os balanços, a FTX deve cerca de US$ 11 bilhões, e conseguiu levantar entre US$ 14,5 e US$ 16,3 bilhões até agora
Imagem da matéria: Propina paga a Eduardo Requião foi usada para investir na pirâmide financeira do "Rei do Bitcoin"

Propina paga a Eduardo Requião foi usada para investir na pirâmide financeira do “Rei do Bitcoin”

Nova operação da Polícia Federal visando fraudes no portos do Paraná revelou uma curiosa ligação entre o irmão do Roberto Requião e um dos maiores piramideiros do Brasil
Imagem da matéria: As criptomoedas estão se tornando políticas – e a Consensys quer ficar fora disso

As criptomoedas estão se tornando políticas – e a Consensys quer ficar fora disso

Enquanto outras empresas gastam milhões em candidatos pró-cripto, Joe Lubin diz ao Decrypt que a Consensys resistiu ao impulso