Imagem da matéria: Bitcoin (BTC) tem segundo dia de queda; especialistas citam alavancagem e "ponto máximo de dor"
Foto: Shutterstock

Após uma euforia de Natal, o mercado de criptomoedas vem sofrendo novamente com a queda no preço do Bitcoin (BTC). Primeiro foi embora o marco do US$ 50 mil e agora parece que o dos US$ 48 mil também está indo.

O BTC é negociado a US$ 47.794, com acúmulo de queda de 2,4% nas últimas 24 horas – a desvalorização chegou a ser de 6% durante a tarde de terça-feira (28). Os dados são do Coinmarketcap.

Publicidade

Segundo o Índice de Preço do Bitcoin (IPB), o ativo é vendido a R$ 271.624

“Ponto máximo de dor”

A explicação parece estar nos contratos futuros de liquidação de bitcoin.

Usando dados colhidos pela Skew, o portal Coindesk aponta que quase 130 mil contratos de opção que valem mais de US$ 6 bilhões irão expirar na sexta-feira (31).

Essa situação gera uma queda de braços: os “option sellers” (vendedores de opções), em geral traders institucionais, operam para levar o preço a um ponto que crie o máximo de perda para o “option buyers” (compradores de opções).

Esse preço é chamado de “max point of pain” (ponto máximo de dor). A empresa de serviços financeiros em criptoativos Blofin aponta que o valor alvo para essa sexta é US$ 48 mil.

Posições alavancadas

Já o portal Decrypt aponta que o mercado em queda nos últimos dias tem gerado liquidações enormes de posições que estavam alavancadas – e que o processo ainda, provavelmente, não chegou ao fim.

Publicidade

O CoinGlass mostra que US$ 523 milhões foram liquidados em contratos futuros nas últimas 24 horas, envolvendo mais de 165 mil traders e isso sendo US$ 167 milhões em Bitcoin.

Mercado em queda

O mercado (quase) todo acompanha a queda do Bitcoin. O valor de mercado (market cap) das criptomoedas como um todo está em queda de 7%.

O Ethereum (ETH) é vendido a US$ 3.796, com queda de 2,7%.

Desvalorizações de 2,3% da Binance Coin (BNB), 7,2% da Solana (SOL), 4,6% da Cardano (ADA), 4,1% da XRP, 2,4% da Terra (LUNA), 3,5% da Avalanche (AVAX), 4,4% da Dogecoin (DOGE), 3,7% da Shiba Inu (SHIB), 1,9% da Polygon (MATIC), 3,9% da Crypto.com Coin (CRO), 2,4% da Wrapped Bitcoin (WBTC) e 1,8% da Litecoin (LTC).

Alta solitária

Entre as 20 criptomoedas com maior valor de mercado, a única em alta é UNI, token da Exchange descentralizada Uniswap, que está em alta de 2,7% e sendo vendido a US$ 18,62.

VOCÊ PODE GOSTAR
Cachorro Shiba Inu que inspitou Dogecoin

Kabosu, a cachorrinha que inspirou a Dogecoin, falece aos 18 anos

Kabosu sofria de doença crônica e já era muito idosa; segundo sua dona, a cachorrinha “faleceu silenciosamente”
Imagem da matéria: Merge Madrid: encontro Web3 promete unir Europa e América Latina em outubro

Merge Madrid: encontro Web3 promete unir Europa e América Latina em outubro

De 8 a 10 de outubro, pontos chave da cidade de Madri atrairão o ecossistema Web3 sob uma perspectiva de negócios, legal e técnica
Imagem da matéria: BNDES planeja lançar em agosto o piloto da Rede Blockchain Brasil

BNDES planeja lançar em agosto o piloto da Rede Blockchain Brasil

Blockchain deve chegar com casos de uso: diploma digital pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa e uma cadeia de custódia de provas
Celular com o logo da CVM e notebook aberto no site da Comissãod e Valores Mobiliários

CVM reconhece ativo de blockchain como token de pagamento

Dynasty Global AG recebeu na última semana a classificação do D¥N como um token de pagamento pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).