Imagem da matéria: Bitcoin (BTC) cai 4% em uma hora e encosta nos US$ 36 mil em dia de sangria no mercado
Foto: Shutterstock

O Bitcoin (BTC) entrou em queda livre no final da manhã desta quinta-feira (5), caindo de US$ 39.500 para uma mínima no dia de US$ 36.770 em poucas horas, segundo o CoinGecko.

A queda da criptomoeda mais popular do mundo teve início às 11h, quando ainda era negociada acima da barreira dos US$ 39 mil. Nos minutos seguintes, os gráficos começaram a cair e por volta de 12h30, o bitcoin bateu uma mínima no dia de US$ 36.770 – uma queda de mais de 4% em cerca de hora.

Publicidade
Gráfico da Coingecko mostra queda vertiginosa do Bitcoin nesta quinta-feira (5)

No momento da redação deste texto, às 13h15, o bitcoin tenta se distanciar do nível de US$ 36 mil, sendo negociado por volta de US$ 37.050 no par em USDT na Binance.

Apesar da queda abrupta, o Bitcoin está longe de sua pior cotação em 2022. O BTC chegou a valer US$ 33.100 na última semana do mês de janeiro.

Mercados tradicionais em queda

O cenário de queda também é visto nos mercados financeiros tradicionais mundo afora. No Brasil, o dólar teve uma alta de mais de 2% e passou novamente dos R$ 5 – no momento da redação deste texto é cotado em R$ 5,05.

A Bovespa opera em queda de 2,5%, aos 105.611 pontos.

E no cenário internacional a situação se repente. O índice S&P tem perdas de 2,3%, o Dow Jones 1,8% e Nasdaq 3,6%.

Publicidade

O mercado dos Estados Unidos parece sentir o aumento da taxa de juros básicos da economia feita pelo FED (banco central dos EUA) na quarta-feira (4).

O mercado na verdade esperava uma medida mais dura do FED: a expectativa are que taxa de juros fosse elevada em 0,75 pontos percentuais, mas na verdade o aumento ficou em 0,5%.

Em um primeiro momento a reação foi de alívio. O Índice S&P fechou a quarta em uma alta de 3%, a maior desde maio de 2020. E até o Bitcoin refletiu isso, atingindo a marca de US$ 39 mil antes da queda abrupta do momento.

Mas a ressaca não demoraria, como se vê agora.

Correlação se mostrou passageira até agora

A pergunta no mercado de criptomoedas é se o Bitcoin se perdeu sua característica de ser um ativo não correlacionado, já que nesta quinta está andando de mãos dadas com o mercado tradicional de ações.

Publicidade

Especialistas ouvidos pelo Portal do Bitcoin acreditam que um olhar com close fechado para a situação mostra a perda da correlação. Porém, quando se dá alguns passos para trás e se observa o cenário macro de longo prazo, não há motivos para acreditar que o BTC tenha deixado de ser uma reserva de valor.

André Franco, head de research do Mercado Bitcoinm afirma que momentaneamente a situação é de extrema correlação com o mercado de risco, mas que a história de mais de uma década do BTC o mostra como ativo descorrelacionado.

“Pelo que a gente olha na foto do que está o cenário do Bitcoin, e que se arrasta pelo menos desde o começo do ano, o Bitcoin andou muito correlacionado com o mercado de risco, como Nasdaq e até mesmo S&P. Então a gente vê que o Bitcoin deixou momentaneamente de ser esse ativo não correlacionado. Mas quando falamos do histórico dele como um todo, ainda não é o momento de falar sobre de ter deixado de ser um ativo não correlacionado , porque a história dele mostra que é um ótimo diversificador em período mais longos”, ressalta Franco.

O executivo do MB também lembra que não é a primeira vez que o Bitcoin gruda em algum outro ativo. “Ele andou de algum forma de mãos dadas com o ouro, agora com ações de risco. Isso tem muito a ver até com a própria guerra de narrativas sobre se o Bitcoin é um ativo que é reserva de valor ou se é um ativo que é reserva de risco”, afirma.

Pressão fortalece BTC no longo prazo

O analista de criptomoedas e trader Marcel Pechman entende ser normal que traders tenham maior influência nos movimentos de altas e baixas, e estes temem que a política contracionista do Banco Central dos EUA para conter a inflação tenha um impacto negativo nos ativos de risco.

Publicidade

“No entanto, passados alguns dias ou semanas, os investidores percebem que a eventual pressão negativa nas economias só fortalece a tese da necessidade de uma moeda descentralizada e escassa. Portanto, analisando ciclos mais longos, desaparece essa correlação que aparenta ‘copiar’ a tendência de preço dos mercados tradicionais”, afirma.

Pechman ressalta que o fato de o Federal Reserva anunciar que irá começar a vender ativos para reduzir seu balanço de US$ 9 trilhões faz os mercados de renda variável sofrem, mas que o sistema que fundamenta o Bitcoin segue o seu curso.

“O Bitcoin foi criado para servir como um sistema financeiro independente, e assim está funcionando desde seu lançamento em 2009. Os investidores e usuários não participam desse processo de decisão de preços nas exchanges, que determina a cotação em dólar”, diz.

VOCÊ PODE GOSTAR
Moedas de Bitcoin sobre mesa espelhada

Análise: o preço do Bitcoin está novamente sendo ditado pela política do Fed

“Análise dos últimos 40 dias revela uma maior alinhamento com as expectativas de taxa de juros para junho”, diz firma de análises CoinShares
CEO da Galaxy Digital, Mike Novogratz, em entrevista ao BNN Bloomberg no YouTube

O Bitcoin precisa de uma nova narrativa para voltar a subir, segundo CEO da Galaxy Digital

Mike Novogratz também acredita que o preço do BTC flutue entre US$ 55 mil e US$ 75 mil até que novos eventos ocorram
Anic de Almeida Peixoto Herdy é casada com herdeiro da Unigranrio

Herdeira é sequestrada em Petrópolis e criminosos exigem resgate em Bitcoin

Técnico de informática amigo do casal conversou com sequestradores por entender de criptomoedas e foi preso por suspeita de envolvimento
Criador do Twitter e da Square, Jack Dorsey em palestra no TED

Preço do Bitcoin atingirá US$ 1 milhão até 2030, diz Jack Dorsey

Em uma entrevista recente, o cofundador do Twitter e da Block argumentou que o Bitcoin poderia atingir US$ 1 milhão e ir “além” no futuro