Sede do Banco de Compensações Internacionais (BIS), na Suiça
Sede do Banco de Compensações Internacionais (BIS), na Suiça (Foto: Shutterstock)

Um executivo do Banco de Compensações Internacionais (BIS), um consórcio que compreende a maioria dos principais bancos centrais do mundo, disse nesta segunda-feira (26) está trabalhando em um piloto de moeda digital do banco central com o banco central da Suíça.

“Até o final deste ano, planejamos publicar nossa primeira prova de conceito de um CBDC com o banco central suíço”, disse Benoît Cœuré, chefe do Innovation Hub do BIS, em um discurso no Shanghai Bund Summit.

Publicidade

CBDCs são moedas digitais do banco central mantidas por bancos. Teoricamente, eles facilitariam transações mais baratas e com maior segurança.

As moedas digitais do banco central diferem das criptomoedas por não serem descentralizadas e às vezes não dependem de um blockchain. Mas elas são tão semelhantes que (vagamente) se inspiram no Bitcoin e na tecnologia de contabilidade distribuída. Cerca de 80% dos principais bancos centrais do mundo estão, pelo menos, considerando uma moeda digital, de acordo com um relatório de janeiro do BIS.

“Olhando para o futuro, planejamos aproveitar a experiência dos bancos centrais com o uso transfronteiriço do CBDC, incluindo a [Autoridade Monetária de Hong Kong] e o Banco da Tailândia, a Autoridade Monetária de Cingapura e o Banco Nacional da Suíça”, disse Cœuré.

Cœuré também falou que este trabalho “abrirá o caminho” para versões de varejo de CBDCs — um dinheiro digital digital — e informará o projeto de outros bancos centrais para CBDCs, e ajudará a descobrir como os CBDCs se ligariam uns aos outros.

Publicidade

“Este complexo trabalho técnico está dirigido sobretudo a soluções práticas, e não à investigação conceitual dos últimos anos”, afirmou.

Cœuré observou que a China está liderando o caminho com seu próprio CBDC, um yuan digital, que está prestes a ser lançado. “Por meio da colaboração, podemos aprender.”

Cœuré disse que um CBDC não seria uma “revolução” nem inauguraria uma nova era de prosperidade, nem resolveria os principais problemas sociais (incidentalmente, todas as coisas reivindicadas por alguns proponentes de criptomoedas regulares). Em vez disso, seriam uma forma melhor de dinheiro que apoiaria um ecossistema de pagamento mais diverso e forneceria um bem público mais global.

Em um discurso separado na cúpula, Tom Mutton, diretor de Fintech do Banco da Inglaterra, que está considerando os CBDCs “com interesse”, pediu colaboração: “Os bancos centrais precisam fazer parceria com uma ampla gama de partes interessadas, dada a amplitude das questões apresentado pela CBDC”, disse ele. “Não podemos‘ continuar sozinhos ’.”

VOCÊ PODE GOSTAR
Vitalik Buterin criador do Ethereum

A proposta de taxas de gás de Vitalik Buterin tornará o Ethereum mais parecido com a Solana?

Vitalik propõe “taxas de gás multidimensionais” e afirma que é uma busca para um sistema mais personalizado e equitativo
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de criptomoedas e forex de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa diária de R$ 1 mil, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Xpoken
criptomoedas, criptoativos, regulação, Brasil, projeto de lei

Banco Central anuncia próximos passos da regulamentação do mercado cripto no Brasil

Sem definir datas, BC diz que irá fazer mais uma consulta pública no segundo semestre e um planejamento interno sobre stablecoins
Imagem da matéria: CEO da Grayscale deixa cargo: "Momento certo para transição"

CEO da Grayscale deixa cargo: “Momento certo para transição”

A Grayscale, uma das maiores gestoras de criptomoedas do mundo, anunciou que Michael Sonnenshein está deixando o cargo de CEO