Imagem da matéria: Bank of America ataca Bitcoin em relatório aos clientes
Foto: Shutterstock

O Bank of America, o segundo maior banco dos Estados Unidos, criticou o Bitcoin em uma nota recente para clientes e questionou as implicações ambientais da manutenção do ativo.

De acordo com o The Street, o relatório, intitulado “Bitcoin’s Dirty Little Secrets”, argumentou que o Bitcoin tinha pouco papel a desempenhar no portfólio de um investidor.

Publicidade

“O Bitcoin também se correlacionou com ativos de risco, não está vinculado à inflação e permanece excepcionalmente volátil, o que o torna impraticável como reserva de valor ou mecanismo de pagamento”, disse o banco.

O relatório afirmava que os preços do Bitcoin poderiam ser manipulados para cima com uma quantia relativamente pequena de dinheiro. Ele disse que apenas US$ 93 milhões em entradas de fundos poderiam desencadear um aumento de 1% no preço (uma movimentação de US$ 580) do Bitcoin, enquanto que fazer o mesmo com o ouro levaria mais de US$ 1,86 bilhão.

Isso, de acordo com o Bank of America, provavelmente se deve à concentração do Bitcoin. Mais de 95% do total de moedas mineradas são controladas pelas 2,4% carteiras com os maiores saldos, afirma a nota, dizendo que tal propriedade cria um problema social para novos investidores.

Mineração: uma preocupação ambiental

Deixando de lado a volatilidade dos preços, a nota do Bank of America também levantou preocupações sobre o enorme consumo de energia necessário para a mineração de bitcoins.

Publicidade

A mineração de bitcoins é um processo que consome muita energia e requer o uso de equipamentos de computação massivos – e o hardware correspondente para resfriar essas máquinas – para processar transações e manter a rede.

Uma grande quantidade de dióxido de carbono é emitida como um subproduto da mineração, o que significa que não é um processo ambientalmente correto. “Um novo influxo de US$ 1 bilhão no Bitcoin pode fazer com que o CO2 aumente o equivalente a 1,2 milhão de carros (com motor de combustão)”, disse a nota.

Acrescentou que, como a maior parte do Bitcoin era minerado na China, o setor estava diretamente “ligado” aos recursos de combustível na China. “O poder de computação do bitcoin hoje está principalmente em Xinjiang, a carvão, uma ligação entre preços, demanda de energia e CO2 significa que o Bitcoin está vinculado ao carvão chinês”, disse a nota.

Os comentários do Bank of America vão contra a recente mudança de opinião sobre o Bitcoin em Wall Street. Grandes bancos como JPMorgan e Morgan Stanley mudaram seu tom em relação ao Bitcoin nos últimos meses e estão até criando produtos de criptomoedas para seus clientes.

Publicidade

O investimento institucional também não se limita aos bancos. Grandes empresas de tecnologia como Tesla, Square e MicroStrategy adicionaram Bitcoin aos seus caixas nos últimos meses, usando-o como uma proteção contra a inflação excessiva nos EUA e uma perspectiva econômica geral ruim.

*Traduzido e editado com autorização da Decrypt.co

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Herdeiro paga R$ 2,2 milhões em Bitcoin para resgatar vítima de sequestro em Petrópolis, mas é enganado

Herdeiro paga R$ 2,2 milhões em Bitcoin para resgatar vítima de sequestro em Petrópolis, mas é enganado

Ao todo, vítima gastou quase R$ 5 milhões nos pagamentos: além do envio de Bitcoin, foram 40 depósitos bancários
trader segura moeda de bitcoin em frente a grafico em computador

Bolsa de Chicago planeja lançar negociação de Bitcoin à vista, diz jornal

O objetivo é capitalizar a crescente demanda este ano entre os gestores de Wall Street para ganhar exposição ao setor de criptomoedas
Ilustração de baleia nadando com moeda de bitcoin em seu interior

Baleia movimenta R$ 321 milhões em Bitcoin pela 1ª vez em uma década

Quando o investidor desconhecido adquiriu os bitcoins em 2013, a cotação do ativo não passava de US$ 120
Imagem da matéria: Questões sociais são desafio para debate do Bitcoin, diz autor de livro da Editora Portal do Bitcoin

Questões sociais são desafio para debate do Bitcoin, diz autor de livro da Editora Portal do Bitcoin

“Parte técnica você descreve como funciona e acabou. Nas vacas sagradas leva um bom tanto de desconstrução de conceitos”, diz Breno Brito