Imagem da matéria: Bancos americanos vêm recebendo orientação do governo sobre criptomoedas
Foto: Shutterstock

Uma unidade do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos, que supervisiona os bancos nacionais e associações de poupança federais chamado OCC, vem buscando ajudar os bancos a adotarem criptomoedas.

Conforme publicado nesta terça-feira (6) pelo The Wall Street Journal, as novas orientações regulatórias sobre criptomoedas devem ajudar bancos tradicionais a adotá-las. O departamento emitiu algumas cartas que procuram desmistificar a visão que bancos tradicionais têm sobre criptomoedas como algo arriscado e que exige muita verificação para evitar delitos que custam caro na justiça.

Publicidade

“Eles acham que todo o mundo das criptomoedas é um pouco arriscado para eles e muitos deles relutam em mergulhar os pés na água”, disse Daniel Stipano, um sócio do escritório de advocacia Buckley LLP e anteriormente um vice-chefe do conselho no OCC à reportagem.

“Estamos tentando desmistificar as criptomoedas”, disse o chefe da OCC, Brian Brooks, ao The Wall Street Journal. Ele busca criar sistemas para permitir aos bancos s adotar criptomoedas de uma maneira segura, uma vez que, segundo Brooks, o crescimento de presença das moedas digitais é algo inevitável. 

Brooks já atuou como diretor jurídico da casa de câmbio digital Coinbase Global e por isso afirma que ajudar bancos tradicionais em sua relutância em incluir criptomoedas é algo que exige orientação dos reguladores. “Os reguladores bancários não falaram sobre o que pensamos que é seguro e o que pensamos que não é seguro”, disse ele.

Como exemplo, a reportagem cita uma pesquisa de setembro da Associação de Especialistas Certificados em Anti-Lavagem de Dinheiro e Royal United Services Institute do Reino Unido na qual 63% dos entrevistados do setor bancário acreditam que criptomoedas são mais um risco do que uma oportunidade.

Publicidade

Contudo, Brooks disse que a porcentagem de fraude ou atividade criminos envolvendo criptomoedas continua baixa, em comparação com aquelas que passam pelo sistema bancário tradicional. “É importante que tenhamos tolerância ao risco para essas coisas”, disse ele. “Entendemos que os criminosos tirarão vantagem de qualquer sistema que estiver à sua disposição.”

O Controlador da Moeda ainda afirma que outras tecnologias do passado também tinham potencial para atividades criminosas, mas que também há um gigantesco potencial para o crescimento econômico. “Não queremos descartar essas vantagens porque há uma chance de atividade criminosa. Em vez disso, queremos fornecer orientações de conformidade para ajudar os bancos a inovar ”.

VOCÊ PODE GOSTAR
Ilustração de bandeira do Brasil dentro moeda de Bitcoin

Fundos cripto do Brasil captam mais R$ 1,5 mi e chegam a 21ª semana consecutiva de entradas

Vindo de uma grande sequência de captação, fundos de criptomoedas do Brasil estão em 3º lugar no ranking global, atrás apenas dos EUA e Hong Kong
Imagem da matéria: Dogecoin está se aproximando de uma "cruz dourada": o que isso significa?

Dogecoin está se aproximando de uma “cruz dourada”: o que isso significa?

Média móvel simples de 50 semanas (SMA) do preço spot da Dogecoin está atualmente em alta e pode passar barreira das 200 semanas
Moedas de bitcoin sob mesa escura com sigal ETF

ETFs de Bitcoin têm entrada de US$ 303 mi, impulsionados por Fidelity e Grayscale

Os fluxos de entrada de ETFs de Bitcoin à vista nos EUA atingiram uma alta de US$ 303 milhões em duas semanas, já que o preço do Bitcoin ultrapassou US$ 66 mil
Imagem da matéria: O poder dos RWA: executivo explica por que faz sentido tokenizar ativos do mundo real

O poder dos RWA: executivo explica por que faz sentido tokenizar ativos do mundo real

Fabrício Tota, diretor do MB, discutiu no Ethereum Rio como empresas podem tirar o máximo proveito da tecnologia blockchain através da tokenização