Imagem da matéria: Banco Neon é Liquidado; Exchanges Brasileiras Afirmam que Clientes Não Serão Prejudicados
Foto: Shutterstock

O banco digital Neon acordou com a pior das ressacas financeiras. Um dia depois da fintech ter anunciado um aporte de R$ 72 milhões, o Banco Central decretou a liquidação extrajudicial da instituição financeira usada por algumas exchanges brasileiras.

O argumento foi que o BC “constatou o comprometimento da situação econômico-financeira, bem como a existência de graves violações às normas legais e regulamentares que disciplinam a atividade da instituição”, conforme a nota emitida pela assessoria da instituição. Quem entra no site da empresa, tem acesso somente a uma digitalização da ordem do BC, assinada pelo presidente Ilan Godlfajn.

Publicidade

Pelo menos três exchanges brasileiras possuíam contas no Neon — Walltime, Foxbit (no caso a FoxFast) e a FlowBTC. Ambas afirmaram que os clientes não seriam prejudicados.

Rafael Noguerol, o responsável pelo marketing da Walltime, disse ao Portal do Bitcoin que a empresa deixa lá apenas o que fica abaixo do FGC, o chamado Fundo Garantidor de Créditos, entidade que garante o resgate de até R$ 250 mil. No Facebook, a empresa informou que as atividades com o Neon “estavam totalmente interrompidas”. A sugestão é que os depósitos sejam feitos no Santander, Agibak ou Inter.

A FlowBTC, por meio da assessoria de imprensa, disse que, embora oferecesse a possibilidade dos clientes usarem o Neon, nenhum havia optado pelo banco digital.

No caso da Foxbit, quem operava com o Neon era a Foxfast, um produto da empresa. A assessoria de imprensa, em uma nota assinada pela sócia-diretora da corretora, Natália Garcia, disse que “os clientes eram vinculados à divisão de pagamento do Neon, portanto não serão afetados pela liquidação”.
A nota diz também o seguinte: “O banco era a instituição financeira que liquidava as operações da Neon pagamentos. A Foxbit não utilizava o Banco Neon. Como a instituição de pagamentos precisa ser 100% líquida, não existe o limite do FGC. Como as contas são pré-pagas, é uma questão apenas operacional para que o valor seja devolvido aos clientes”.

Problemas do banco Neon

Segundo o Banco Central, o Neon detém 0,0038% dos ativos do sistema bancário e está autorizado a operar como banco comercial. A empresa possui apenas uma agência física, que fica em Belo Horizonte.

Publicidade

O BC foi vago quanto aos motivos que levaram à liquidado da fintech. Disse, porém, que “as irregularidades encontradas não estão relacionadas com a abertura e movimentação de conta digital ou com a emissão de cartões pré-pagos”.

O Neon ainda não se pronunciou sobre o caso.

VOCÊ PODE GOSTAR
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais
Imagem da matéria: Justiça nega pedido de liberdade para PM acusado de vender armas ao "Faraó do Bitcoin"

Justiça nega pedido de liberdade para PM acusado de vender armas ao “Faraó do Bitcoin”

Réu é acusado de ser responsável pela segurança do criador da GAS Consultoria e vender armas para a organização criminosa
CEO do MB Reinlado Rabelo em evento da CVM na USP

“A Bolsa é sim lugar de startups”, diz CEO do Mercado Bitcoin em evento da CVM

Reinaldo Rabelo participou do evento do “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil”
simbolo do dolar formado em numeros

Faculdade de Direito da USP recebe evento da CVM sobre democratização dos mercados de capitais

Centro de Regulação e Inovação Aplicada (CRIA) da CVM vai a “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil” com transmissão ao vivo no Youtube