Imagem da matéria: Banco Inter perde no STJ e terá de indenizar exchange por encerramento de conta
Foto: Shutterstock

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou recurso do Banco Inter que visava mudar decisão da Justiça de Minas Gerais que deu ordenou a reabertura da conta corrente da BitcoinToYou sob pagamento de multa diária de R$ 10 mil. Além disso, o banco havia sido condenado a pagar R$ 15 mil de indenização à exchange.

De acordo com a decisão monocrática do ministro do  STJ, João Otávio de Noronha, o acórdão da 17ª Câmara Cível de Minas Gerais deve ser totalmente mantido.

Publicidade

Na decisão do TJMG (Tribunal de Justiça de Minas Gerais) consta que o Banco Inter violou as regras do Banco Central. O desembargador Roberto Vasconcellos havia afirmado que o banco deveria fazer a notificação prévia de encerramento de conta com o motivo que levou a instituição ter tomado tal decisão.

“O abrupto encerramento de conta bancária é causa suficiente para acarretar considerável abalo à reputação de sociedade empresária voltada para o comércio de criptomoedas”.

Defesa do Banco Inter

O Inter sustentou que há “divergência jurisprudencial, aduzindo que deve ser reconhecida a regularidade no procedimento de encerramento da conta, ante a movimentação financeira suspeita”.

Segundo a instituição, havia disparidade entre o que estava registrado no valor de cotas da BitcoinToYou, com o que ela faturava anualmente. O banco afirmou que apesar de “suas cotas estarem avaliadas em R$ 15 mil, seu faturamento anual superou os R$ 5 milhões”.

Publicidade

A empresa de criptomoedas, segundo o Banco Inter, teve em abril de 2018, um saldo na conta de aproximadamente R$ 320 mil. O Inter defendeu que o BC determina aos bancos verificar “a compatibilidade entre a movimentação de recursos e a atividade econômica e capacidade financeira do cliente”. 

De acordo com a instituição há também divergência jurisprudencial quanto a necessidade de o banco ter de informar o motivo para o encerramento da conta. A instituição sustentou que há decisões contrarias ao que consta no Acórdão da Justiça de Minas Gerais.

STJ diz “não” ao Banco Inter

O ministro do STJ afirmou, porém, que não irá analisar a divergência jurisprudencial. De acordo com ele, o banco deveria ter prequestionado esse fato nos embargos de declaração ao TJMG e não o fez.

“Verifica-se que os dispositivos legais sob os quais teria havido o dissídio jurisprudencial não foram examinados pela Corte de origem. Dessa forma, reconhecida a ausência de prequestionamento da norma objeto da divergência jurisprudencial, inviável a demonstração do referido dissenso em razão da inexistência de identidade entre os arestos confrontados, requisito indispensável ao conhecimento do recurso especial”.

Publicidade

O Banco Inter questionou a indenização de R$ 15 mil, bem como o aumento da multa diária de R$ 5 mil para R$ 10 mil. Segundo o TJMG, esse aumento da multa ocorreu porque o Inter não cumprir com a determinação de reabertura da conta do BitcoinToYou. A instituição bancária só reabriu a conta após o aumento da multa. 

Segundo a defesa do Inter, seria incabível tanto o aumento do valor da multa quanto a indenização por danos morais. Noronha mencionou, contudo, que não cabe ao STJ fazer reexame de provas e o recurso deveria se ater apenas a discussão de Direito.

Desta maneira, o ministro negou provimento ao Agravo em Recurso Especial apresentado pelo banco.

Procurado, o banco Inter não respondeu aos questionamentos da reportagem.

VOCÊ PODE GOSTAR
CEO do MB Reinlado Rabelo em evento da CVM na USP

“A Bolsa é sim lugar de startups”, diz CEO do Mercado Bitcoin em evento da CVM

Reinaldo Rabelo participou do evento do “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil”
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais