Imagem da matéria: Banco do Brasil vai pagar cliente que teve cartão de crédito clonado para compra de Bitcoin
Foto: Shutterstock

Um caso envolvendo clonagem de cartão de crédito e compras de Bitcoins no exterior fez com que o Banco do Brasil e a Visa fossem processados por um cliente em Goiás.

A Justiça, entretanto, condenou apenas o Banco do Brasil a indenizar em R$ 6 mil a pessoa que teve o cartão clonado à título de danos morais e excluiu a Visa do polo passivo da ação. A sentença foi proferida na terça-feira (22).

Publicidade

Toda a história envolvendo a fraude começou em janeiro deste ano. O titular do cartão foi informado pelo Banco do Brasil sobre uma compra de criptomoedas, feita na Bitit.io, no valor de US$ 3.046,65.

Essa compra ocorreu mesmo com o cartão desabilitado para compras no exterior, conforme consta no processo.

A instituição financeira estranhou a operação e, sob a suspeita de clonagem, solicitou autorização para bloquear o cartão de crédito.

O cliente, que é um idoso e estava de férias em Salvador (BA) foi orientado pelo banco “a contestar junto a administradora do cartão as compras realizadas no site Bitit.io, todas efetivadas próximo às 24h do dia 04/01/2019”, dia em que ocorreu a compra dos bitcoins.

A partir desse momento as férias dele se tornaram numa sequência de frustrações. Ao entrar em contato com a administradora do cartão, ele não conseguiu estornar a compra.

Publicidade

A pessoa que era cliente do Banco do Brasil desde maio de 1991 e nunca teve histórico de compras de criptomoedas foi informado de que pelo fato de o Bitit.io ser um site seguro, não teria como o seu pedido de estorno ser atendido. 

Banco do Brasil cobrando

Esse cliente, então, ligou diversas vezes ao Banco do Brasil para resolver o problema, mas tudo em vão. 

A mesma instituição financeira que o avisou sobre a clonagem do cartão incluiu na fatura a cobrança referente a operação feita na Bitit.io.

“A fatura datada de 14/01/2019 constava a compra de bitcoins no valor de US$ 3.046,65 e também o valor de US$ 194,38 a título de IOF, o que perfaz a quantia de R$ 12.678,90”.

 A dor de cabeça, no entanto, não tinha parado por aí. Como a compra foi efetivada de forma parcelada, vencendo a primeira parcela em 05/02/2019, ainda estavam para vir as demais para a mesma data dos meses subsequentes, totalizando o valor de R$ 38.036,71.

Publicidade

Não vendo outra saída, esse cliente resolveu procurar o judiciário e entrou com uma ação contra o Banco do Brasil e a Visa. Ele resolveu fazer o depósito em juízo dos valores cobrados nas faturas.

A decisão

Em sentença, o juiz Sandro Cássio de Melo Fagundes, da 28º Vara Cível de Goiânia, decidiu que dos valores depositados em juízo deverão ser sacados pelo banco apenas o que não for referente a compra das criptomoedas. 

Nas palavras do juiz, o banco deverá apenas fazer a “amortização dos débitos realmente devidos pelo(a) autor(a) referentes às faturas vencidas no período compreendido entre 05/02/2019 a 05/10/2019, afastando-se os efeitos decorrentes da mora (incidência de atualização monetária, juros e demais encargos de inadimplência)”

Fagundes também ordenou que a instituição financeira declarasse a inexistência do débito relativo a compra de criptomoeda “que consta na fatura com vencimento em 05/02/2019, no importe de US$ 3.046,65 e do respectivo IOF em US$ 194,38 (arquivo 08, evento nº 01)”.

Além disso, o juiz ordenou que declarasse também a inexistência de quaisquer “encargos decorrentes do não pagamento da referida fatura, que foram cobrados nas faturas vencidas posteriormente (em 05/03/2019, 05/04/2019, 05/05/2019 e 05/06/2019)”.

Publicidade

O Banco do Brasil foi condenado a pagar a esse cliente uma indenização de R$ 6 mil pelos danos morais. O juiz, contudo, deixou de conceder ao autor da ação indenização por dano material a ser arcada pela instituição bancária.

Visa fora do processo

Quanto a bandeira Visa, o juiz afirmou que não há como responsabilizar a empresa pelo ocorrido, extinguindo o processo em face dessa empresa. Segundo o juiz, a Visa apenas concede o uso da bandeira nos cartões de crédito emitidos pelas administradoras e assim não mantém qualquer relação direta com o usuário. 

Esse fato fez com que o juiz condenasse o cliente do Banco do Brasil  a pagar as custas judiciais da Visa.

“Condeno a parte autora no pagamento de honorários advocatícios em favor da requerida Visa do Brasil Empreendimentos Ltda, que fixo em 5% do valor atualizado da causa (art. 85, § 2º, do CPC/15), eis que 02 são os requeridos que constam do polo passivo da lide”.


Compre Bitcoin na Coinext

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de forex e criptomoedas de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Kaarat
moedas de Bitcoin sobre notas de ienes

Anúncio de investimento em Bitcoin faz ações de empresa asiática disparar 90%

Seguindo o manual da MicroStrategy, a empresa japonesa Metaplanet está atraindo forte interesse dos investidores
Miniaturas de homens em cima de moeda de Bitcoin gigante fazendo medição pela metade

Halving do Bitcoin pode não ter efeito imediato no preço como mercado espera, diz Coinbase

Coinbase disse acreditar que o atual movimento de preços é apenas o começo de uma corrida de alta mais longa
Homem aponta controle para TV que emerge imagens em 3D

‘TV 3.0’ que chegará ao Brasil em 2025 vai precisar de internet ou conversor? Entenda

Novo sistema de transmissão para TVs promete enviar som e imagem com qualidades maiores, além de maior interatividade com o espectador