S&P rebaixa nota de banco brasileiro de investimento e muda perspectiva para negativa
Foto: Shutterstock

O banco comercial de criptomoedas Galaxy Digital LP anunciou um prejuízo de US$ 76,65 milhões (R$ 300 milhões) no terceiro trimestre deste ano, segundo relatório publicado pela instituição nesta terça-feira (27).

A instituição tem como fundador e proprietário o bilionário americano Mike Novogratz, exímio entusiasta da criptoeconomia.

Publicidade

Estes números são responsáveis por mais de um terço de sua perda acumulada nos últimos nove meses, que é de US$ 175,68 milhões, considerando um período que se encerrou em 30 de setembro.

A perda líquida de ativos digitais, conforme mostram os registros, somam quase US$ 38 milhões no período, um dos principais fatores que contribuíram para a perda líquida global.

Outro fator, foram despesas com custos operacionais que somaram quase US$ 30 milhões. Como resultado, as ações da empresa listadas na Bolsa de Valores de Toronto caíram mais de 10%, conforme análise da Coindesk.

No entanto, em relação a 2017, quando a empresa detinha cerca de US$ 54 milhões em ativos totais, hoje acumula US$ 418,5 milhões, sendo US$ 123 milhões somente com criptomoedas.

A empresa disse que realiza vários métodos de negociação, incluindo arbitragem, bem como outras estratégias de trading.

Recentemente, Novogratz, que já trabalhou no Goldman Sachs, disse que este ano tem sido difícil para a empresa.

“É uma droga construir um negócio em um mercado em queda”, disse ele a uma reportagem do Financial Times.

Ele prevê que no próximo ano as instituições financeiras não vão ficar somente nos investimentos em fundos de criptomoedas. O empresário acredita que elas vão partir para investimentos em suas próprias criptomoedas.

Publicidade

“Você vai ver isso no próximo ano. É quando os preços voltarão a se movimentar”, disse o bilionário.

Empresa tentou esconder números

Em agosto deste ano, prestes a ter produtos listados em uma bolsa regulamentada, o Galaxy Digital teve que divulgar o balanço financeiro do primeiro trimestre deste ano.

Porém, se não fosse obrigatório, Novogratz disse que não o teria tornado público.

É que, juridicamente, tornar o balanço público faz parte dos trâmites nas questões regulatórias. E a Galaxy Digital adquiriu a ‘First Coin Capital Corp.’, que se fundiu com a ‘Bradmer Pharmaceuticals Inc.’

Devido a isto, era necessário que os números da empresa viessem a público, uma conduta obrigatória para qualquer empresa que deseja ser listada em uma bolsa regulamentada.

O problema, no entanto, não era o anúncio da receita, mas sim seus números. A empresa havia fechado o primeiro trimestre com US$ 134 milhões negativos.

Publicidade

Grande parte desse prejuízo foi devido ao forte declínio do mercado de criptomoedas, onde o banco fez um número significativo de investimentos.

Na ocasião, Novogratz disse que se dependesse dele, manteria o balanço do banco em segredo por mais um tempo.

“Se eu soubesse o que sei agora diria que manteria segredo [das perdas] para evitar que o mercado e a comunidade se assustassem. Então eu ficaria quietinho por mais um ano e depois tornaria o fato público. Eu não acho que seria um erro”, disse o investidor na ocasião.


BitcoinTrade

Baixe agora o aplicativo da melhor plataforma de criptomoedas do Brasil Cadastre-se e confira todas as novidades da ferramenta, acesse: www.bitcointrade.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Bitcoin em gráfico de alta com seta azul apontado para o alto

Traders esperam que Bitcoin supere a máxima de US$ 74 mil em breve

“Esperamos um impulso de alta aqui que pode nos levar de volta às máximas de US$ 74 mil”, disse a QCP Capital sobre o momento do Bitcoin
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de criptomoedas e forex de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa diária de R$ 1 mil, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Xpoken
Estátua da justiça e martelo de juiz à frente de bandeira do Canadá

Canadá multa Binance em R$ 22,5 milhões por violar as leis de combate à lavagem de dinheiro 

Agência do governo menciona falta de registro e ausência de relatório de transações enquanto corretora operou no país
Imagem da matéria: Maior plataforma P2P de Monero fecha após 7 anos de operação

Maior plataforma P2P de Monero fecha após 7 anos de operação

A plataforma peer-to-peer focada na moeda de privacidade Monero (XMR) citou “uma combinação de fatores internos e externos” para sua decisão de fechar as portas