Imagem da matéria: Austrália confisca US$ 1,2 milhão em criptomoedas de jovem que vendia contas roubadas do Netflix e Spotify
Foto: Shutterstock

O Tribunal de Justiça do estado de Nova Gales do Sul, na Austrália, autorizou na semana passada o confisco de US$ 1,66 milhão oriundos da venda ilegal de contas roubadas da Spotify e Netflix praticada por um hacker australiano. Do montante, US$ 1,2 milhão estão alocados em criptomoedas, disse a Polícia Federal da Austrália (AFP) em comunicado na sexta-feira (29).

Segundo a AFP, o autor do crime, de 23 anos, cujo nome não foi revelado, roubava logins e senhas de clientes de serviços de streaming da Austrália e outros países, para então vender as contas mais baratas em um site chamado WickedGene outro de nome AccountBot.

Publicidade

“Ele converteu alguns desses rendimentos em várias criptomoedas”, diz a agência, ressaltando que a atividade ilícita foi descoberta em 2018 pelo FBI que avisou a autoridade australiana.

Preso em casa

As investigações foram feitas até que a AFP concluiu que havia indícios suficientes para conseguir um mandado de busca e apreensão na casa do suspeito, o que foi feito posteriormente com autorização da Justiça.

Durante a ação dos agentes, foram encontradas as criptomoedas e várias evidências do crime, disse o órgão federal, sem detalhar quais criptomoedas. O acusado, contudo, antes de ser condenado a dois anos e dois meses de prisão, alegou no Tribunal que os valores obtidos com a atividade ilícita foram entre US$ 500 mil e US$ 1 milhão.

O australiano já havia confessado os crimes em outubro de 2020, tinha 152.863 usuários registrados e forneceu pelo menos 85.925 assinaturas para acessar ilegalmente serviços de streaming legítimos, como Spotify e Netflix e Hulu. Apenas por meio do Paypal, o acusado recebeu mais de AUD $ 680 mil (dólar australiano), vendendo assinaturas.

Publicidade

Criptomoedas vão para Comunidade Britânica

Os valores confiscados vão ficar sob a gestão do Criminal Assets Confiscation Taskforce (CACT), órgão da AFP, e depois serão redistribuídos pela Ministra de Assuntos Internos Karen Andrews à Comunidade Britânica (The Commonwealth). A organização deve aplicar os fundos na prevenção do crime, a aplicação da lei e iniciativas relacionadas à segurança da comunidade, diz a AFP.

“O bom trabalho da AFP fez com que um criminoso deixasse de possuir  ganhos ilícitos e que tais fundos fossem redirecionados para melhorar a segurança das comunidades ao redor da Austrália”, disse a ministra do Interior Karen Andrews.

Para a comissária assistente da AFP, Justine Gough, enganam-se os criminosos que acreditam erroneamente que a polícia não pode tirar sua riqueza ilícita se ela tiver sido convertida em criptomoeda. “O CACT, liderado pela AFP, perseguirá implacavelmente ativos obtidos criminosamente em qualquer forma que forem encontrados – seja em dinheiro, contas bancárias, casas, carros de luxo ou criptomoeda”, disse conluio Gough.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Bitcoin salta 6% e supera US$ 66 mil conforme a inflação desacelera nos EUA

Bitcoin salta 6% e supera US$ 66 mil conforme a inflação desacelera nos EUA

“Os números do CPI dos EUA desencadearam uma ruptura na faixa de ativos de risco”, disse a empresa de Cingapura QCP Capital sobre a alta do Bitcoin
Imagem da matéria: Como um trader cripto ganhou mais de US$ 100 mil com apenas dois tuítes

Como um trader cripto ganhou mais de US$ 100 mil com apenas dois tuítes

“Somente em criptomoeda.” A memecoin Pacmoon recompensou um usuário com um grande airdrop – que foi maior do que o esperado graças ao erro de um amigo
criptomoedas, criptoativos, regulação, Brasil, projeto de lei

Banco Central anuncia próximos passos da regulamentação do mercado cripto no Brasil

Sem definir datas, BC diz que irá fazer mais uma consulta pública no segundo semestre e um planejamento interno sobre stablecoins
Logo da ftx, dólares e bitcoin

Analistas preveem alta no mercado cripto com ressarcimento bilionário a clientes da FTX

A FTX deve cerca de US$ 11 bilhões a credores, mas a massa falida conseguiu levantar mais de US$ 14 bilhões