Imagem da matéria: Argentino quer trocar apartamento no centro de Buenos Aires por dois bitcoins
Prédio onde fica o apartamento. (Foto: Divulgação)

Um argentino está vendendo seu apartamento, localizado no centro de Buenos Aires, por dois bitcoins, segundo reportagem publicada pelo La Nation na segunda-feira (12). De acordo com o Índice de Preço do Bitcoin (IPC), o valor daria cerca de R$ 730 mil.

O vendedor – cujo nome não foi revelado – disse ao veículo que prefere receber por meio do ativo digital para se proteger da depreciação da moeda dos Estados Unidos:

Publicidade

“Não vou conseguir o preço que desejo vendendo (o imóvel) em dólares por causa da situação que vemos hoje. E, para vender mal, prefiro que seja em uma moeda que me proteja contra a desvalorização do dólar”.

Ele falou também que, além de bitcoin, está disposto a aceitar altcoins. De acordo com ele, as criptomoedas são uma “salvaguarda” que as “pessoas dão valor e estão dispostas a trocá-las umas com as outras”, inclusive para comprar uma casa. 

O apartamento à venda, segundo o La Nation, é um studio localizado em um prédio importante da cidade, considerado pelo governo argentino um “Distrito de Proteção Histórica”.

Construído no início do século XX, sua arquitetura foi projetada para sinalizar onde morava a burguesia argentina, e já serviu como sede do Ministério do Trabalho. O link do anúncio não foi divulgado na matéria.

Publicidade

Adoção das criptomoedas na Argentina

O proprietário, que segundo o site argentino vive na Espanha desde 2019, acredita que o bitcoin e as outras criptomoedas continuarão em alta no futuro.

“Se você levar em conta que apenas 5% da população sabe que a criptomoeda existe, imagine o potencial de crescimento que ela tem. Ver o bitcoin em US$ 600 mil não será estranho em alguns anos. Que me deem um bitcoin e meio por este studio, que pergunto ao comprador ‘onde assino?’”, disse.

As criptomoedas estão em alta no país vizinho. A crise econômica levou a população a procurar ativos alternativos, como as criptomoedas, para proteger seu dinheiro da desvalorização do moeda local.

Em janeiro, a busca no Google por bitcoin bateu recorde no país e foi duas vezes maior do que durante o bull run de 2017, um acontecimento que não se repetiu no Brasil, por exemplo.

Publicidade

Enquanto isso, o governo argentino aumenta a fiscalização no setor. Na semana passada, o Banco Central da Argentina (BCRA) obrigou as instituições financeiras a dar informações de todo cliente que compra, vende e armazena ativos digitais.

VOCÊ PODE GOSTAR
Costas de um policial de Hong Kong

Empresário e filho se entregam à polícia após sequestrarem investidora de criptomoedas

A dupla teria tentado acertar as contas com a mulher de 55 anos que teria intermediado um investimento de cerca de R$ 10 milhões em criptomoedas
Moeda prateada da Chainlink com reflexo em um fundo roxo

Chainlink sobe 18% ao lançar projeto piloto em Wall Street com JP Morgan, BNY Mellon e DTCC

A DTCC anunciou que acaba de concluir um projeto piloto de tokenização com gigantes de Wall Street, como JP Morgan e BNY Mellon, aproveitando o CCIP da Chainlink
Estátua da justiça e martelo de juiz à frente de bandeira do Canadá

Canadá multa Binance em R$ 22,5 milhões por violar as leis de combate à lavagem de dinheiro 

Agência do governo menciona falta de registro e ausência de relatório de transações enquanto corretora operou no país
moeda de bitcoin sob nota de dinehiro da nigéria

Tensão entre Binance e Nigéria escala após CEO acusar governo de suborno de R$ 770 mi

Funcionário do governo nigeriano disse que alegações são infundadas e que disputa contra Binance deve ser resolvida na Justiça