Imagem de várias máquinas de mineração de criptomoedas
Foto: Shutterstock

A Receita Federal da Argentina (AFIP) apreendeu milhares de máquinas de mineração de criptomoedas após descobrir um esquema de superfaturamento em uma importação que saiu da China com destino à cidade de La Plata.

O caso ocorreu com uma importação recepcionada em Ezeiza, cidade da Grande Buenos Aires, onde fiscais descobriram uma diferença de US$ 5 milhões entre o valor da nota e os preços dos produtos praticados no mercado.

Publicidade

De acordo com os agentes da Alfândega argentina, as 2.233 mineradoras de criptomoedas estavam avaliadas no documento de importação com uma média de US$ 10 mil cada. Segundo o site Infobae, após pesquisar sobre o preço de mercado dos equipamentos nos terminais da agência, os fiscais contabilizaram um montante diferente do anotado, de US$ 21,9 milhões.

“Os valores reais dos produtos, devido ao histórico de destinos alfandegários recentes, estão em uma faixa inferior à declarada nos destinos fiscalizados: US$ 5.770 a US$ 7.420. Além disso, das consultas às bases de dados públicas para compras deste produto, o preço também difere: USD 6.316 a USD 7.700″, explicou a Direção Geral de Aduanas, segundo a reportagem. “Com base nesses valores, estima-se o superfaturamento do total de importações em torno de US$ 5 milhões”, acrescentou.

O diretor da Alfândega, Guillermo Michel, ressaltou a importância da agência em “cuidar” dos dólares para a geração de empresas e criminalizar qualquer especulação financeira.

“A importação de máquinas de mineração de criptomoedas é de origem da China, mas são faturadas por uma empresa estrangeira, em uma típica manobra de triangulação”, comentou Michel.

Publicidade

Contudo, ainda será feita uma perícia nos equipamentos para identificar as configurações dos dispositivos e então determinar o poder de mineração de cada máquina, “já que o custo de uma máquina está diretamente associado ao poder de gerar criptomoedas”, ressalta o texto. 

Fora isso, a Alfândega também está investigando as ligações entre um dos argentinos responsáveis ​​pela empresa sediada nos EUA, Limited Liability Company, bem como sua relação com funcionários dos bancos argentinos que lhe prestam atendimento.

O suposto esquema foi denunciado primeiramente pela AFIP após identificar diferenças cambiais muito altas em importações de mineradoras, supostamente com valor irregular e diferente ao valor de mercado.

O processo foi encaminhado para o Tribunal Penal Econômico Nacional de Buenos Aires, que deferiu o pedido de vistoria nos equipamentos.

VOCÊ PODE GOSTAR
dupla de homens sendo presa

Irmãos são presos por roubo de R$ 130 milhões em ataque de 12 segundos na rede Ethereum

O procurador americano Damian Williams disse que “este suposto esquema era novo e nunca havia sido acusado antes”
moedas de Bitcoin, Solana e Ethereum emparelhadas - ao fundo gráfico de mercado

Solana será a próxima criptomoeda a ganhar um ETF? Especialistas respondem

Veja também se Dogecoin, Toncoin e outras criptomoedas poderão futuramente estrear no mercado financeiro tradicional como o Bitcoin e o Ethereum
Gustavo Scarpa em um campo de futebol usando o uniforme do Atlético Mineiro

Scarpa x Bigode: Pedras preciosas não valem como garantia em processo contra pirâmide cripto, diz PF

Um laudo das pedras de alexandrita apreendidas da suposta pirâmide Xland foi avaliado por um juiz, que determinou que elas não têm valor significativo
Imagem da matéria: Vitalik Buterin critica prisão de dev do Tornado Cash: "Realmente lamentável"

Vitalik Buterin critica prisão de dev do Tornado Cash: “Realmente lamentável”

O fundador do Ethereum nem se importou em comentar sobre os ETFs, mas refletiu sobre a recente condenação de um desenvolvedor do Tornado Cash