Imagem da matéria: Aproveite a Black Friday com dinheiro na mão e sem vender seu bitcoin

Cerca de 23 anos após o nascimento do PayPal, a primeira Fintech do mundo, o termo se tornou comum, descrevendo empresas que unem tecnologia à finanças para promover disrupção ao setor financeiro.

Criado no início da internet, o PayPal também inovou ao estar entre as primeiras Fintechs a oferecerem soluções para outro mercado nascente, o de Criptomoedas.

Publicidade

Trata-se de um mercado em ascensão, que no mundo reúne ainda empresas como a Square, de Jack Dorsey (uma empresa que vale $80 bilhões na NASDAQ, mais do que os grandes bancos brasileiros), que não apenas transaciona criptos como investiu parte do seu caixa em Bitcoin.

No Brasil, o Banco Central autorizou o lançamento da primeira empresa na área agora em 2020, a Rispar, uma Fintech de crédito que aceita bitcoin como garantia para reduzir os juros cobrados do consumidor (a partir de 0,99%).

Utilizando o Bitcoin e sua agilidade e baixa burocracia, a Rispar consegue oferecer taxas bastante menores que outras financeiras brasileiras e depositar o valor do empréstimo em no máximo 48h, e claro, sem consulta ao SPC.

Nascida neste final de ano, a Fintech também entrou na vibe da Black Friday, com uma promoção que garante juros de 0,99% ao mês para qualquer valor dado em garantia.

Publicidade

A ideia, segundo Rafael Izidoro, CEO da empresa, é que ninguém precise mais vender seus bitcoins e assim evite aquela sensação de “ter vendido cedo”, comum a muitos investidores de cripto diante de cada nova alta.

Por meio de uma parceria com a BitGo, maior empresa do mundo em custódia de Cripto, a Rispar empresta em reais cerca de 20 a 60% do valor em Bitcoin dado em garantia, com prazo de até 24 meses para pagar. A BitGo garante seus Bitcoins de volta ao final do empréstimo.

A Fintech se soma a outras que possuem um inimigo em comum: a absurda concentração bancária no mercado de crédito brasileiro.

Segundo dados do Banco Central, cerca de R$ 83,7 em cada R$ 100 em crédito no país, está nas mãos de apenas 5 bancos, a Caixa, o Banco do Brasil, Itaú, Bradesco e Santander.

Publicidade

Juntos estes bancos dominam ainda os depósitos, e boa parte dos investimentos.

A ausência de concorrência por décadas criou um ambiente não apenas de juros, mas de taxas elevadas.

É justamente este mercado que a Rispar, investida da holding QR Capital, quer ajudar a reorganizar, ao lado de outras empresas como Creditas (que tem entre seus sócios o gigante japonês Softbank) e Bom pra Crédito (que recebeu aporte de R$35 milhões do grupo Globo).

Com a agilidade e custos reduzidos em relação aos grandes bancos, as empresas conseguem oferecer juros menores.

No caso das duas últimas, as garantias ocorrem em função de imóveis ou automóveis, o que cria um ticket médio elevado para o valor do empréstimo.

No caso da Rispar os valores ganham maior flexibilidade, começando em R$ 500 (ou R$ 1500 no caso da promoção da BlackFriday).

“São empréstimos que ajudam os investidores a cumprir obrigações de curto prazo e se sentirem mais tranquilos para segurar o ativo e aproveitar o seu potencial de longo”, avalia Izidoro.

A promoção da Rispar e o simulador estão disponíveis aqui, para quem quiser simular.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: CoinEx comemora Bitcoin Pizza Day com campanha “Uma mordida de Bitcoin”

CoinEx comemora Bitcoin Pizza Day com campanha “Uma mordida de Bitcoin”

Uma fatia de pizza mudou as finanças globais. Em 22 de maio,…
Imagem da matéria: Baleias cripto perdem mais de $8 milhões vendendo o fundo, enquanto holders seguram o token KANG após anúncio de listagem

Baleias cripto perdem mais de $8 milhões vendendo o fundo, enquanto holders seguram o token KANG após anúncio de listagem

Quando o mercado de altcoins está em uma fase vulnerável, não é…