Imagem da matéria: Apps do Itaú, Bradesco e Santander ficam fora do ar em dia de cadastro no PIX
Foto: Shuttestock

Os aplicativos dos bancos Itaú, Bradesco e Santander ficaram fora do ar nesta segunda-feira (05), dia em que começaram os cadastros para o PIX, o sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central.

Três pessoas consultadas pelo Portal do Bitcoin — uma de cada um dos bancos afetados — enviaram imagens das telas dos respectivos aplicativos mostrando os problemas de acesso.

Publicidade

Pelo Twitter, o Itaú respondeu a diversos clientes que postaram as reclamações nas redes sociais:

O site Down Detector, que monitora falhas massivas de sites aplicativos, também apontou as falhas nos três bancos. Os problemas começaram a ser registrados por volta das 10h e ainda não foram solucionados. A abertura para os cadastros começou às 9h.

Print de tentativa de acesso ao app do Bradesco

Por conta das reclamações, Itaú e Bradesco apareceram nos trending topics do Twitter.

Durante uma live nesta segunda, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou às 12h30 que um milhão de chaves haviam sido registradas até o momento.

VOCÊ PODE GOSTAR
logo do bitcoin em cima de livro

Goiânia recebe lançamento do livro “101 Perguntas Sobre Bitcoin”

A obra da Editora Portal do Bitcoin escrita pelo engenheiro Breno Brito serve como um guia para compreensão da criptomoeda mais popular do mundo; veja como participar
moeda e notas pendurada em um varal

Operação contra maior milícia do RJ revela que suspeitos compravam Bitcoin para lavar dinheiro

Fonte do dinheiro movimentado pelos suspeitos seria oriundo de grilagem de terras, extorsão contra comerciantes e exploração do transporte
Homem preso com as mãos algemadas nas costas

Polícia do Rio prende suspeitos de integrar quadrilha especializada em golpes com criptomoedas

Operação ‘Investimento de Araque’ foi deflagrada nos estados do Rio, Amazonas e Pará; suspeitos movimentaram mais de R$ 15 milhões em dois anos
Sede da Braiscompany em Campina Grande, Paraíba

TRF anula contrato e Braiscompany é condenada a pagar R$ 50 mil a cliente

O contrato de serviço de cessão temporária de criptoativos foi anulado pela 17ª Vara Cível de Brasília