Imagem da matéria: Alguém pagou R$ 2 milhões por um NFT do Vitalik Buterin como bobo da corte
“EthBoy” de Trevor Jones (Imagem: Trevor Jones)

Uma pintura em NFT do criador do Ethereum, Vitalik Buterin, vestido como um bobo da corte, acabou de ser vendida por 200 ETH, equivalente a quase R$ 2 milhões no momento da venda. A aquisição injetou mais uma faísca de esperança no ecossistema NFT, que há muito tempo enfrentava desafios.

A pintura digital, um NFT exclusivo intitulado “EthBoy” criado pelos artistas cripto Trevor Jones e Alotta Money (pseudônimo), quebrou recordes quando foi leiloada em novembro de 2020 por impressionantes 260 ETH, tornando-se na época a obra de arte NFT mais cara já vendida.

Publicidade

No entanto, com as flutuações no preço do ETH ao longo dos anos, o valor dessa venda – cerca de US$ 140 mil na época – parece insignificante em comparação com a revenda desta semana.

Quando “EthBoy” foi criado pela primeira vez, entrou em um ecossistema NFT muito diferente do atual. A arte cripto e os NFTs de PFP (fotos de perfil) consistentemente quebraram recordes de venda em sua ascensão para o auge do mercado de NFT em 2021.

Além disso, o novo meio foi entusiasticamente adotado por artistas tradicionais como Jones (um pintor de ofício), devido à sua priorização de royalties para criadores – taxas, geralmente entre 2,5% e 10%, que eram então obrigatoriamente adicionadas a todas as vendas secundárias de um NFT e entregues ao criador da obra.

No último ano, as taxas para criadores se tornaram o foco de uma crise crescente no ecossistema NFT. Antes consideradas um incentivo-chave para artistas aplicado por todas as principais plataformas de NFT, as taxas agora se tornaram opcionais em grandes plataformas como a OpenSea, que têm enfrentado dificuldades para atrair clientes e manter a receita estável em meio ao atual mercado em baixa.

Publicidade

Embora “EthBoy” tenha sido vendido esta semana via o marketplace da OpenSea, parece que o novo proprietário do NFT optou, por vontade própria, por pagar a taxa do criador, apesar de não ser obrigado a fazê-lo. A taxa de royalties de 10%, equivalente a 20 ETH, automaticamente paga à Async Art, a plataforma que coordenou a criação da obra, constituiu essencialmente uma gorjeta de US$ 39.230.

Quando “EthBoy” foi criado pela primeira vez, seus criadores, então determinados a demonstrar os benefícios das vendas de arte on-chain, se comprometeram a compartilhar um terço das taxas de criador geradas pelas vendas futuras da obra com o primeiro comprador, perpetuamente.

O primeiro proprietário, o pseudônimo MaxStealth, tem mantido “EthBoy” desde 2020. Além da receita base que coletaram ontem com a venda da obra, eles também devem receber em breve pouco mais de US$ 13.000 em ETH como parte da taxa de criador. É um vislumbre atraente, mas potencialmente prestes a ficar desatualizado pelo potencial econômico do mercado de arte NFT.

* Traduzido e editado com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
Logo da ftx, dólares e bitcoin

Analistas preveem alta no mercado cripto com ressarcimento bilionário a clientes da FTX

A FTX deve cerca de US$ 11 bilhões a credores, mas a massa falida conseguiu levantar mais de US$ 14 bilhões
Bob Burnquist

Bob Burnquist e sua cruzada para empoderar os artistas por meio da Web3

O skatista é membro ativo de duas DAOs e participou do Ethereum Rio para falar sobre como as comunidades estão se tornando um novo meio de conexão para os artistas
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de criptomoedas e forex de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa diária de R$ 1 mil, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Xpoken
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns