Imagem da matéria: Ajuste faz placa da Nvidia consumir menos sem perder eficiência para  jogos e mineração
(Foto: Shutterstock)

O alemão Igor Wallossek, fundador da empresa de TI igor’sLAB, publicou um artigo explicando como modificar uma placa da Nvidia para torná-la mais eficiente no consumo de energia, mantendo sua eficiência para videogames em 4k.

No teste, Wallossek considerou a placa NVIDIA GeForce RTX 3090 Ti SUPRIM X, que mudou o consumo do dispositivo de 500 Watts para 300 Watts, mantendo seu poder de computação. O relatório da experiência, ou seja, o que aconteceria com a mudança, foi publicado pelo especialista na semana passada na página da igor´s LAB.

Publicidade

“O que realmente acontece quando você desacelera com força e astúcia uma GeForce RTX 3090 Ti, que engole até 500 watts em ultra HD, para 300 watts?”, diz o início do artigo.

Em resumo, Wallossek explica que, ao limitar o uso da placa a uma potência de 300W, bem como as curvas de voltagem e frequência, haverá uma queda de 37% em sua classificação TGP (sigla em inglês para Potência Gráfica Total).

Segundo o relatório, os testes foram feitos com 10 jogos diferentes e em resolução 4K. Como descreve o texto, com modificação, a “GeForce RTX 3090 Ti vira a lista de eficiência de cabeça para baixo”.

Como descreveu o WCCFTECH ao comentar o assunto, a RTX 3090 é a placa de vídeo com mais consumo de energia já lançada, consumindo mais de 500 Watts de energia e exigindo soluções massivas de resfriamento de GPU para manter o calor sob controle.

Publicidade

Contudo, de acordo com o site, o teste é bom apenas para fins de demonstração de eficiência e não um caso de uso prático. Mas, em teoria, a placa gráfica NVIDIA GeForce RTX 3090 Ti ajustada para TDP de 300W oferece maior eficiência e desempenho de jogos mais rápido que a concorrente AMD 6900 XT.

Técnica é conhecida como overclocking

Em teoria, a modificação também poderia prover maior lucro para mineradores de criptomoedas, segundo o brasileiro Denny Torres, que é especialista em mineração. A alteração é conhecida como overclocking.

“Esse ajuste a gente tem que fazer placa por placa. Já existe uma tabela de overclock padrão; algumas placas aceitam um pouquinho mais, outras um pouquinho menos”, disse Torres ao Portal do Bitcoin.

Ele deu um exemplo na mineração do Ethereum onde utiliza-se mais a memória que a GPU: “Então, quando a gente faz o ajuste do overclock, a gente abaixa o consumo da GPU e aumenta o da memória”.

Publicidade

O ajuste, ressalta, faz com que a placa gaste menos energia, esquente menos e produza mais ETH. Segundo ele, existem criptomoedas que usam mais a GPU e então acabam consumindo mais energia.

“A magia do negócio é essa, é você regular as tensões da placa para que elas possam trabalhar com maior eficiência — trabalhando mais gastando menos”, concluiu.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Wormhole diz pagar mais de 999% na semana em staking de novo token

Wormhole diz pagar mais de 999% na semana em staking de novo token

Token W, lançado esta semana, está chamando atenção ao render mais de 999% em staking na plataforma Kamino
Ilustração de mão segurando smartphone com logotipo da Toncoin

Toncoin (TON) bate recorde de preço e supera Cardano como 10ª cripto mais valiosa

O Toncoin (TON) da Open Network disparou nas últimas semanas e expulsou a Cardano do top 10 das criptomoedas
Vitalik Buterin

Criptomoeda Railgun dispara mais de 100% após Vitalik Buterin dar apoio ao projeto

A criptomoeda Railgun passou a disparar na manhã desta segunda após Vitalik Buterin fazer uma postagem apoiando o projeto
Vitalik-Buterin-Ethereum

Vitalik Buterin se torna defensor do “comunismo degenerado”; entenda

Para o criador do Ethereum, o “comunismo degen” abraça abertamente o caos, mas ajusta regras e incentivos para fazer com que as consequências do caos estejam alinhadas com o bem comum