Imagem da matéria: Agência de classificação de risco faz alerta contra risco das stablecoins
Foto: Shutterstock

A Fitch Ratings, empresa de classificação de risco e uma dentre as “Big Three” do setor (junto com Moody’s e Standard and Poor’s), emitiu um alerta de que as stablecoins podem afetar os mercados de valores mobiliários.

“A Fitch Ratings acredita que stablecoins que se aproximam de uma escala sistemicamente importante podem ter um papel importante nos mercados de valores mobiliários a curto prazo, como notas comerciais, enquanto apresentam novos riscos a esses mercados”, afirmou a Fitch Ratings nesta segunda-feira (18).

Publicidade

A Fitch Ratings acrescentou que a extensão na qual stablecoins impactam valores mobiliários irá depender da “evolução das regulações que afetam a classe de ativos”.

Stablecoins e notas comerciais

A agência acrescentou que “a inquietação relacionada a stablecoins” pode abalar o mercado de notas comerciais, além de “transmitir choques para outros participantes de mercado”.

A Tether (USDT), a maior e mais conhecida stablecoin do mundo, com paridade ao dólar americano, possui, por exemplo, um lastro de quase 50% em notas comerciais.

Este ano, a fornecedora da stablecoin publicou um relatório de garantia, fornecendo um panorama dos ativos da empresa. Do lastro total de US$ 62,7 bilhões da Tether, US$ 30,8 bilhões é proveniente de notas comerciais. Apenas 10% do lastro da Tether é em dinheiro em espécie.

Publicidade

Esse relatório não era condizente com a própria análise da Tether, publicada em maio, de suas reservas, que sugeria que 76% das reservas da Tether estavam na forma de dinheiro em espécie ou equivalentes monetários. Por sua vez, essa análise não condizia com a afirmação da Tether de que seu token possuía 100% de lastro em dinheiro em espécie.

A stablecoin U.S. Dollar Coin (USDC), de acordo com um relatório escrito por contadores da empresa de auditoria Grant Thornton, também é bastante dependente de notas comerciais. Um total de 14% da USDC é dividida entre papéis comerciais e títulos comerciais, apesar de antigas afirmações da Circle (empresa por trás da USDC) de que o lastro da stablecoin era em dinheiro físico, em uma paridade de 1:1.

Dança da regulação

Stablecoins, assim como o restante da indústria cripto, estão sendo alvo de reguladores nos últimos meses.

Janet Yellen, secretária do Tesouro Americano, já conversou com diversas agências federais com o intuito de apresentar uma abordagem regulatória para stablecoins.

Durante a reunião, Yellen enfatizou que existe uma “necessidade de agir rapidamente” para garantir que stablecoins sejam controladas na ampla estrutura regulatória americana. Jerome Powell, presidente do Federal Reserve, acredita que stablecoins devem ser regulamentadas assim como depósitos bancários e fundos de mercados monetários.

*Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento com autorização da Decrypt.co

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: EUA acusam  2 chineses de lavarem US$ 73 milhões em esquema com criptomoedas

EUA acusam 2 chineses de lavarem US$ 73 milhões em esquema com criptomoedas

O Departamento de Justiça acusou Daren Li e Yicheng Zhang de orquestrar um esquema com criptomoedas de “abate de porcos”
criptomoedas, criptoativos, regulação, Brasil, projeto de lei

Banco Central anuncia próximos passos da regulamentação do mercado cripto no Brasil

Sem definir datas, BC diz que irá fazer mais uma consulta pública no segundo semestre e um planejamento interno sobre stablecoins
Imagem da matéria: Manhã Cripto: CVM aplica multa de R$ 55,8 milhões a Atlas Quantum e dono foragido

Manhã Cripto: CVM aplica multa de R$ 55,8 milhões a Atlas Quantum e dono foragido

A CVM multou a pirâmide financeira Atlas Quantum após identificar indícios “robustos e consistentes” de que tudo não passava de uma operação fraudulenta
Ilustração de bandeira do Brasil dentro moeda de Bitcoin

Fundos cripto do Brasil captam mais R$ 1,5 mi e chegam a 21ª semana consecutiva de entradas

Vindo de uma grande sequência de captação, fundos de criptomoedas do Brasil estão em 3º lugar no ranking global, atrás apenas dos EUA e Hong Kong