Imagem da matéria: Adoção institucional do bitcoin está em um ‘momento decisivo’, diz Fidelity
Foto: Shutterstock

Com os problemas econômicos globais causados ​​pela pandemia do coronavírus, o Bitcoin e outras criptomoedas estão vendo um grande impulso para a adoção por parte de investidores institucionais, disse Christine Sandler, chefe de vendas e marketing da Fidelity Digital Assets.

Fidelity não é um novata no mercado de criptomoedas. Na verdade, a empresa começou a estudar a tecnologia já em 2013–2014, de acordo com Sandler. Na época, a empresa queria impulsionar sua perspectiva mais ampla e experiência nos setores financeiros tradicionais para ajudar a unir os dois mundos.

Publicidade

“Percebemos que havia uma série de atritos que as instituições enfrentavam em termos de armazenamento seguro e negociação desses ativos, e havia uma falta de infraestrutura geral. E acho que isso contribuiu para a nossa decisão de criar serviços e produtos institucionais”, disse Sandler, falando durante o último episódio do podcast Unchained.

Historicamente, a Fidelity tinha clientes como investidores de varejo, indivíduos de alto patrimônio líquido, family offices, consultores de investimento registrados, fundos de hedge e endowment, permitindo à empresa trazer novas ofertas para clientes que não estavam familiarizados com eles e aliviar alguns atritos de integração.

Grande ano para o bitcoin

No entanto, não foi até 2020 quando uma grande mudança em direção aos investimentos institucionais em Bitcoin ocorreu. Entre os principais fatores contribuintes, Sandler citou a pandemia de coronavírus, uma mudança em direção a uma abordagem mais “produtiva” à regulamentação exibida por organizações como a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC) e o Gabinete do Controlador da Moeda, e endossos de Bitcoin de famosas empresas financeiras e grandes players do mercado

“O que vimos em 2020 foi uma adoção mais ampla da narrativa do ‘ouro digital’, que começou a ressoar em grupos de investidores institucionais, ou seja, fundos hedge, indivíduos com patrimônio líquido ultraelevado e, subsequentemente, familt offices”, disse Sandler, acrescentando, “Portanto, vimos uma ampliação da base em termos dos tipos de clientes que víamos se engajando com o ecossistema.”

Publicidade

De acordo com as pesquisas da Fidelity, os investidores institucionais mostraram “algum interesse” no Bitcoin em 2018, que aumentou um pouco em 2019. No entanto, foi o tumultuoso 2020 que se tornou o ano decisivo e um “momento decisivo” para a adoção institucional do Bitcoin, observou Sandler.

Um ETF seria “fantástico”

Em agosto, o presidente da Fidelity Investments, Peter Jubber, anunciou os planos da empresa de lançar um fundo de índice de Bitcoin. Com um nível mínimo de entrada de US$ 100.000, esta oferta também será voltada para instituições e investidores credenciados que não podem obter exposição ao Bitcoin diretamente por algum motivo, disse Sandler.

“Descobrimos que havia uma série de clientes que queriam exposição à classe de ativos, mas não tinham o luxo de manter Bitcoin à vista”, explicou ela, observando: “[O fundo de Bitcoin da Fidelity é] principalmente para acomodar aqueles que realmente tinham desafios em termos de manter Bitcoin à vista em seus portfólios. ”

Embora Sandler tenha dito que o fundo será lançado “muito em breve”, ela não forneceu datas concretas. Ao mesmo tempo, é “improvável” que a Fidelity ofereça a seus clientes serviços futuros de Bitcoin – pelo menos no curto prazo.

Publicidade

“Não somos muito interessados em futuros. Não está fora do reino das possibilidades, mas não está no roteiro de curto prazo. Claramente, vimos uma tendência em que muitos investidores, particularmente no lado dos fundos de hedge, olharam para os futuros como uma rampa ou caminho para esta classe de ativos, não podemos negar isso. O crescimento dos contratos em aberto também está enfatizando uma narrativa institucional mais ampla”, disse ela.

Tocando nos fundos negociados em bolsa (ETFs) de Bitcoin – uma iniciativa que foi proposta várias vezes por várias empresas e repetidamente encerrada pela SEC – Sandler disse que seria “fantástico”. Esses fundos, quando ou se forem lançados, oferecerão aos investidores tradicionais acesso quase instantâneo ao Bitcoin e provavelmente terão alta demanda.

“A oportunidade de ter um ETF de Bitcoin seria fantástica. Embora ainda estejamos falando sobre uma indústria e um ecossistema nascentes, acho que um ETF seria recebido com muitos elogios”, disse Sandler. “Se houver uma preocupação – estamos prontos para isso? Estamos prontos para esse tipo de volume? ”

E quanto às altcoins?

No entanto, parece que o amor institucional pelo Bitcoin ainda não passou para altcoins como o Ethereum. Apesar do recente lançamento do Ethereum 2.0, Sandler disse que, embora os clientes da Fidelity mostrem interesse e busquem acesso ao Ethereum “ocasionalmente”, a narrativa institucional predominante ainda está focada principalmente no Bitcoin.

“Acho que essa narrativa de ‘ouro digital’, que é o tema de investimento predominante, realmente ressoou no lado mais tradicional, e esse é o cliente com o qual Fidelity Digital Assets está se envolvendo com mais frequência”, observou ela.

Publicidade

Sandler acrescentou que o conjunto mais amplo de casos de uso mantidos pela Ethereum ou sua variedade de plataformas financeiras descentralizadas ainda não são atraentes o suficiente para desviar os clientes da empresa do Bitcoin hoje.

No entanto, o suporte para Ethereum está “definitivamente no roteiro” da Fidelity Digital Assets, disse Sandler – mas não forneceu uma data aproximada para isso. Da mesma forma, como o novo algoritmo de consenso de prova de participação é um dos principais recursos do Ethereum 2.0, a Fidelity planeja adicionar suporte para os serviços correspondentes no futuro.

“Acho que para ser um custodiante de ativos digitais, […] você definitivamente precisa oferecer serviços de staking”, explicou Sandler. “Eu esperaria que desenvolvêssemos esses serviços assim que pudéssemos oferecer suporte ao Ethereum. Para ser bem sincera, muito do que ouvimos é ‘Bitcoin’”, disse ela.

CBDCs não estão tão longe

Falando sobre o futuro, Sandler disse que as instituições financeiras tradicionais também estão ativamente alcançando a indústria de criptomoedas emergente, e provavelmente veremos iniciativas como as moedas digitais do banco central (CBDCs) se concretizando nos próximos dois anos.

“Acho que veremos [CBDCs] pelo menos no curto prazo, em alguns anos veremos moedas digitais viáveis ​​do banco central”, disse Sandler. “E o motivo pelo qual acho que os veremos é que acho que o ecossistema está crescendo tão rapidamente, especialmente quando você pensa em casos de uso para a tokenização de ativos do mundo real e aproveitando coisas como contratos inteligentes.”

“Eu não acho que esteja fora do reino da possibilidade de usar um dólar digital ou uma moeda digital do banco central para interagir com esse ecossistema. Acho que eles vão existir lado a lado com as moedas fiduciárias tradicionais ”, acrescentou ela.

Publicidade

Dado o ritmo em que as criptomoedas estão sendo adotadas, a Fidelity pode até abrir seus serviços para investidores de varejo em algum momento, disse Sandler, acrescentando: “Nós pensamos nisso o tempo todo”.

*Traduzido e editado com autorização do Decrypt.co
VOCÊ PODE GOSTAR
bitcoin e ethereum em grafico vermelho de queda

Manhã Cripto: Bitcoin cai abaixo dos US$ 63 mil com instabilidade dos mercados

O Bitcoin caiu 3% nas últimas 24 horas e pode cair o suficiente para testar o nível de suporte de US$ 60 mil
homens em miniaturas lidando com moeda gigante de bitcoin

Gigante das telecomunicações chinesa investirá US$ 13,5 milhões na mineração de Bitcoin

Entrada na mineração de Bitcoin marca mudança significativa para a Coolpad, que tradicionalmente se concentrou no mercado de smartphones
smartphone com logotipo da Toncoin TON à frente de monitor que mostra gráfico de mercado

Semana Cripto: Bitcoin cai enquanto Toncoin sobe e se aproxima da Dogecoin em valor de mercado

Criptomoedas de grande capitalização como PEPE e WIF também tiveram quedas de até 20% na semana
Moedas de bitcoin sob mesa escura com sigal ETF

Bolsa de valores da Austrália recebe seu primeiro ETF de Bitcoin

O VBTC da gestora global de ativos debutou na ASX com uma alta de 1% em relação ao seu preço de abertura