ETF, criptomoedas, QR capital, QR Assets, Brasil

“A descentralização do dinheiro com a criação do Bitcoin foi um passo revolucionário no mundo, permitindo investimentos globais que não estejam atrelados a política e instabilidades locais. O mercado de DeFi, ou Finanças Descentralizadas, leva essa lógica para todos os serviços financeiros básicos como seguros, empréstimos e investimentos”.  

Assim resume Fernando Carvalho, CEO da QR Capital, holding controladora da gestora QR Asset, sobre o mercado que a empresa levou a bolsa de valores na última semana, por meio do QDFI11

Publicidade

O ativo, que segue o índice Bloomberg Galaxy DeFi Index, e é composto por 9 criptomoedas, foi pioneiro ao fazer da B3 a única bolsa do mundo a dar acesso a este mercado que já movimenta US$ 240 bilhões.

O QDFI11 ainda garantiu um singelo bônus ao investidor ao iniciar negociações na bolsa por meio de uma listagem direta, o que reduz os custos do investidor em cerca de 1,5%, usualmente valores que são pagos aos bancos e agentes autônomos que coordenam a oferta.

Segundo Carvalho, a opção foi importante também pelo ativo, afinal: “o mercado de DeFi é um mercado que busca incessantemente reduzir custos e eliminar assimetrias de informações, tornando o sistema financeiro mais eficiente. Por isso foi importante repassar essa filosofia do setor para o investidor que agora participa deste mercado via QDFI11”.

As Finanças Descentralizadas

Com um crescimento exponencial de 110.800% nos últimos 2 anos, os tokens de DeFi saíram de mero conceito para agregar casos de uso reais e bastante volumosos, como é o caso da exchange descentralizada Uniswap. 

Publicidade

Por meio do token UNI, investidores de todo o mundo podem ter acesso a outros protocolos de cripto realizando trades a custos menores e com maiores opções. A facilidade aliada à redução de custos levaram a “DEX”, sigla para exchange descentralizada, a processar cerca de US$ 1,9 bilhões em volume diário, metade do total processado pela bolsa brasileira.

A empresa por trás do Token conta com investidores conhecidos do mundo de Venture Capital, como a Andreessen Horowitz, que liderou uma rodada de US$ 220 milhões para alavancar os negócios. 

Outros tokens negociados no QDFI11 são o Aave protocol (AAVE), cujo setor de atuação são os empréstimos colateralizados, MakerDao (DAO), focado em estruturas de governança corporativa baseadas em blockchain, como a utilizada recentemente para adquirir o controle da marca americana Blockbuster. 

Também em exchanges, há a presença da criptomoeda Curve (CRV), focada em stablecoins (criptos lastreadas em dólar, real ou demais moedas fiduciárias), a Sushiswap (Sushi), uma cripto que atua como formadora de mercado e provê liquidez entre quaisquer pares de moedas digitais, e a 0X (ZRX), exchange exclusiva na rede Ethereum

Publicidade

Na parte de investimentos, o QDFI11 investe em ativos como a Synthetix (SNX), Yearn Finance (YFI) e Compound (CMP), que permitem aos detentores do token investir em uma gama de criptomoedas buscando maximizar o seu retorno, atuando, em suma como “gestoras descentralizadas”.

A variedade de ativos do índice cobre a maior parte dos valores transacionados na rede, com uma recalibragem de pesos e ativos realizada mensalmente pela Bloomberg e pela Galaxy Digital, provedoras do índice.

A Indústria de ETFs

O QDFI11 cobra uma taxa de administração de 0,9% ao ano, sem qualquer taxa sobre performance ou tarifas de estruturas intermediárias, seguindo, assim, o padrão de ETFs americanos. A categoria popularizada nos EUA por gestoras como Vanguard, BlackRock e Fidelity busca justamente entregar maiores retornos sem custos elevados para o investidor.

Com mais de 6 dezenas de ETFs à disposição, a bolsa brasileira vem apostando na popularização da classe de ativos, que nos EUA responde por mais de 10% da capitalização total de mercado, e no Brasil ainda busca passar de 1%. 

No último ano, a B3 dobrou o número de ETFs oferecidos, incluindo ETFs de cripto como QBTC11 e QETH11, que lideraram a valorização na bolsa com retorno de 78,8% e 64,3% em 2021, ambos da gestora QR Asset Management. 

Publicidade

O QDFI11 é portanto o 3º da gestora, e o primeiro a buscar exposição em uma classe de ativos, e não apenas em um único ativo.

Segundo Alexandre Ludolf, CIO da QR Asset Management, a escolha se deu pois:

“Ao olharmos o mercado de cripto vemos uma variedade bastante significativa de ativos surgindo, mas muitos ainda tímidos em valor de mercado, especialmente quando comparados ao Bitcoin e Ethereum. A maneira que encontramos de garantir maior diversidade ao investidor, sempre reduzindo os riscos, foi buscar um índice que agregasse uma cesta de ativos. Para este papel, escolhemos o Bloomberg Galaxy DeFi Index, o índice mais antigo e maduro disponível no mercado de DeFi”.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Hong Kong aprova ETFs Bitcoin e Ethereum enquanto novo token sobe 290%

Hong Kong aprova ETFs Bitcoin e Ethereum enquanto novo token sobe 290%

Hong Kong aprovou recentemente as solicitações de ETFs spot tanto para Bitcoin…
Imagem da matéria: Traders mudam o foco para este novo projeto após Ali Martinez fazer advertência quanto ao Ethereum e ao Bitcoin 

Traders mudam o foco para este novo projeto após Ali Martinez fazer advertência quanto ao Ethereum e ao Bitcoin 

À medida que o mercado de criptomoedas continua a crescer em popularidade,…
Imagem da matéria: Analista cripto faz projeção ousada para Dogecoin, enquanto Uniswap atinge US$ 2 trilhões em volume total e KangaMoon sobe 290%

Analista cripto faz projeção ousada para Dogecoin, enquanto Uniswap atinge US$ 2 trilhões em volume total e KangaMoon sobe 290%

Com a data do halving do Bitcoin se aproximando, traders e investidores…
Imagem da matéria: Michael Van de Poppe segue Bullish no Bitcoin, enquanto KangaMoon toma os holofotes da Shiba Inu

Michael Van de Poppe segue Bullish no Bitcoin, enquanto KangaMoon toma os holofotes da Shiba Inu

O mercado de criptomoedas continua a ser um cenário fascinante com forças…