Imagem da matéria: XRP reaparece na Coinbase, dispara e volta a cair após exchange afirmar que foi erro
Foto: Shutterstock

Por um breve momento na noite de quinta-feira (9), os clientes da Coinbase se surpreenderam ao ver a XRP entre as criptomoedas listadas na plataforma. A felicidade de alguns durou pouco e a corretora logo veio à público dizer que tudo não passou de um mal-entendido.

“Conforme anunciado no passado, a Coinbase suspendeu a negociação de XRP. Devido a um problema técnico, o XRP estava temporariamente visível no aplicativo móvel Coinbase Pro para alguns clientes, mas não era negociável”, escreveu no Twitter a exchange americana.

Publicidade

A corretora não deu mais detalhes sobre o que causou o “erro técnico”, mas o caso teve impacto direto no preço da moeda. Em pouco mais de uma hora, a XRP foi de US$ 1,08 para US$ 1,24, uma valorização de 14%.

Quando a Coinbase esclareceu que não tinha voltado a listar o token, os preços logo voltaram a cair para uma mínima do dia de US$ 1,06. Nas últimas 24 horas, a XRP enfrenta uma queda de 3%, um prejuízo que sobe para 14,7% nos últimos sete dias, segundo o CoinMarketCap.

SEC vs Coinbase e XRP

A Coinbase deixou de listar a XRP no ano passado quando a Ripple, empresa por trás da moeda, começou a ser processada pela Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC). Curiosamente, a XRP voltou a aparecer na plataforma na semana em que a própria Coinbase se tornou o alvo dos reguladores

Brian Armstrong, CEO da Coinbase, revelou na sua conta pessoal do Twitter que a SEC ameaçou processar a exchange se oferecesse rendimentos aos usuários por meio do seu produto de empréstimos. Segundo o Armstrong, a SEC disse que o produto é uma oferta de valor mobiliário, mas se negou a explicar como chegou a esse entendimento. 

Publicidade

O comportamento dos reguladores enfureceu o empresário que acusou a SEC de operar “táticas de intimidação à porta fechada” ao invés de orientar a indústria de forma clara.

Os fãs de XRP aproveitaram o clima de tensão para pressionar a Coinbase a listar novamente a moeda. “Fique com Ripple contra a SEC. Caso contrário, a SEC se alimentará do espaço cripto por décadas. Última chance, Coinbase”, escreveu @xrpmaximalist.

Apesar disso, a maior parte da comundade cripto acredita que isso pode demorar para acontecer. “Eles não vão listar XRP novamente até que o processo SEC vs Ripple termine. Só porque há um problema entre a SEC e a Coinbase sobre a tecnologia não significa que eles vão direto ao caso cuspindo na SEC. Eles não querem problemas”, opinou @teqnikg.

Nas discussões, muitos usuários também criticaram os erros técnicos que estão se tornando recorrentes na exchange que é hoje a mais utilizada nos Estados Unidos. Na semana passada, a Coinbase enviou para 125 mil clientes uma notificação enganosa de que as configurações de dois fatores (2FA) de suas contas haviam sido alteradas.

Publicidade

As mensagens não eram verdadeiras mas partiram dos canais oficiais da exchange, o que causou pânico entre os investidores sobre a segurança de seus fundos.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin recua 1,2% e pane cibernética global faz surgir dezenas de memecoins

Manhã Cripto: Bitcoin recua 1,2% e pane cibernética global faz surgir dezenas de memecoins

O mercado cripto repercute o problema global com piadas e, claro, memecoins
Donald Trump é fotografado em comício nos EUA

Trump quase baniu o Bitcoin em 2020, mas uma pessoa o impediu

“Trump não acredita em nada além de si mesmo”, disse o executivo da Block Inc., Mike Brock
Imagem da matéria: Governo dos EUA move US$ 4 milhões em Bitcoin apreendido de usuário do Silk Road

Governo dos EUA move US$ 4 milhões em Bitcoin apreendido de usuário do Silk Road

O Bitcoin apreendido pelos EUA em 2021 de um homem condenado por vender Xanax na dark web está em movimento
Imagem da matéria: Justiça torna sócios da gestora cripto Titanium réus por crimes financeiros

Justiça torna sócios da gestora cripto Titanium réus por crimes financeiros

Juiz aceitou a denúncia do Ministério Público contra os sócios da Titanium e da Sbaraini, além de mais sete pessoas, por investigações da Operação Ouranós