STJ dá razão ao Bradesco e mantém conta da Foxbit encerrada
(Foto: Shutterstock)

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou recurso da corretora de criptomoedas Foxbit contra o Bradesco para que reabrisse sua conta corrente. Na decisão publicada na quarta-feira (14), consta que o banco agiu de acordo com as regras do Banco Central.

A Foxbit vinha lutando na Justiça para reabrir sua conta encerrada no Bradesco ainda em 2017, mas não teve jeito. A conta continuará encerrada. A corretora de criptomoedas havia sustentado que o banco não poderia encerrar a conta de forma unilateral mesmo com notificação e fixação de prazo para esse encerramento. Esse ponto de vista, porém, não é o mesmo do Judiciário.

Publicidade

De acordo com a decisão do ministro relator Paulo de Tarso Sanseverino, o entendimento do STJ é de que “é cabível a resilição unilateral do contrato de contas bancárias pela instituição financeira, desde que haja prévia notificação”.

Sansaverino apontou na decisão que a Foxbit foi notificada duas vezes do encerramento. O magistrado, então, afirmou que não há o que reformar na decisão da corte estadual que decidiu em favor do banco Bradesco e que a discussão levada ao STJ pela corretora de criptomoedas seria apenas “mero inconformismo com a decisão posta, o que não revela, por si só, a existência de qualquer vício nesta”.

Foxbit e Bradesco

A Foxbit argumentou que seria o caso de aplicação do Código de Defesa do Consumidor (CDC) ao caso e que havia a necessidade de inversão do ônus da prova. Em outros termos, o banco é que deveria provar que a versão narrada pela corretora era falsa. 

O resultado, contudo, foi que o ministro do STJ apenas citou outras decisões da corte superior mostrando que independente de ser matéria consumerista, o banco pode rescindir o contrato unilateralmente, sem qualquer problema.

Publicidade

Além desse fato, o magistrado pontuou que a Foxbit havia confessado que recebeu duas notificações do Bradesco. Uma delas foi enviada a corretora em abril de 2017, pela qual o banco informava que em quinze dias se encerraria a conta da Foxbit.

“Diante da confissão da própria requerente, e sendo o expediente regular e permitido, a solução da controvérsia se deu independentemente de discussões acerca da aplicação ou não da Lei n° 8.078/1990 ao caso”.

Decisões diferentes

Segundo consta na decisão do ministro relator, a corte estadual havia julgado de forma fundamentada o caso, “expondo as razões que levaram às suas conclusões quanto à confissão da agravante quanto à notificação e ao prazo de 15 dias para a rescisão. Além disso, transcorreu mais de 1 anos do referido prazo”.

Esse prazo que o ministro se remete se deu pelo tempo em que a Foxbit manteve sua conta aberta no Bradesco mesmo após a notificação. A questão é que a corretora obteve uma decisão favorável da 10ª Vara Cível de Santo Amaro (SP), onde a ação foi movida originariamente. 

Publicidade

Depois da antecipação de tutela em maio de 2017, o juiz responsável pelo caso converteu a liminar em decisão definitiva por meio da sentença proferida em fevereiro de 2018.

O Bradesco estava proibido pela Justiça de encerrar a conta da Foxbit, pelo menos durante esse tempo. Com essa decisão, o banco resolveu, então, recorrer e em julho de 2018, a 22ª Câmara de Direito Privado do TJSP permitiu que o Bradesco encerrasse a conta da exchange. 

A Foxbit permaneceu com a conta aberta por decisão judicial entre maio de 2017 e julho de 2018, decidiu então levar o caso para o STJ, onde não obteve sucesso.

VOCÊ PODE GOSTAR
Homem preso com as mãos algemadas nas costas

Polícia do Rio prende suspeitos de integrar quadrilha especializada em golpes com criptomoedas

Operação ‘Investimento de Araque’ foi deflagrada nos estados do Rio, Amazonas e Pará; suspeitos movimentaram mais de R$ 15 milhões em dois anos
Policiais federais fotografados de costas

PF e Receita Federal caçam grupo suspeito de lavagem de dinheiro com criptomoedas

Policiais federais e auditores-fiscais se mobilizaram em quatro estados para cumprir mandados de prisão, busca e apreensão em um esquema de importações ilegais
moeda e notas pendurada em um varal

Operação contra maior milícia do RJ revela que suspeitos compravam Bitcoin para lavar dinheiro

Fonte do dinheiro movimentado pelos suspeitos seria oriundo de grilagem de terras, extorsão contra comerciantes e exploração do transporte
logo do bitcoin em cima de livro

Goiânia recebe lançamento do livro “101 Perguntas Sobre Bitcoin”

A obra da Editora Portal do Bitcoin escrita pelo engenheiro Breno Brito serve como um guia para compreensão da criptomoeda mais popular do mundo; veja como participar