Sistema de pagamentos PIX será a morte da TED e do DOC? Entenda

Chegada do sistema de pagamentos instantâneos desenvolvido pelo Banco Central deve gerar mudanças profundas no mercado financeiro nacional

Sistema de pagamentos PIX será a morte da TED e do DOC? Entenda
Foto: Shutterstock


A chegada do PIX, o sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central, traz a promessa de quase zerar os custos das transações bancárias e de começar a cavar a cova na qual deitarão juntos a TED e o DOC.

Isso significa que tanto essas duas famosas operações bancárias vão morrer com a chegada do PIX? As assimetrias próprias da sociedade brasileira, das periferias das grandes cidades aos rincões do interior do país, recomendam cautela ao decretar um falecimento imediato.

“Estamos diante de uma nova era dos meios de pagamentos que não só mudará a forma como lidamos com o dinheiro, mas que também abre infinitas possibilidades de negócios”, analisa Leo Monte, diretor de Inovação da Sinqia, empresa que fornece tecnologia bancária e também assessora clientes no processo de adesão ao PIX.

Adeus, TED e DOC?

A chegada do PIX torna tanto a TED quanto o DOC, no mínimo, obsoletos para a maioria dos casos. Isso porque as transações a partir desse novo serviço passam a ocorrer no sistema 24×7 — ou seja, independente da hora ou do dia da semana, inclusive em feriados. Além disso, a expectativa é que o PIX seja um serviço bem barato, de poucos centavos.

Por esses motivos, a crença no mercado é que essas duas operações, que há anos fazem parte do sistema bancário brasileiro, percam espaço e se tornem cada dia mais irrelevantes.

O consultor de finanças Edson Santos, com experiência de 20 anos no mercado de meios de pagamento, acrescenta que a chegada do PIX amplia um ambiente de interoperabilidade que vai facilitar a integração de serviços. E por consequência, reduzirá custos.

“Essa interoperabilidade promove uma integração entre as diversas fintechs que surgiram nos últimos anos, e especialmente nos bancos digitais, que até hoje não tem integração com outros. E isso vai promover uma facilitação enorme de serviços”, explica Santos, que também é autor do livro “Do Escambo à Inclusão Financeira – A Evolução dos Meios-de-Pagamento”.



No entanto, o raciocínio válido quando para pequenas transações não exatamente é aplicável quando se fala em movimentar grandes valores, como entre empresas.

“Acabam a TED e o DOC para pequenos valores, certamente. Mas será que o PIX vai oferecer de início o mesmo conforto de segurança de uma TED numa transação de R$ 100 mil [entre empresas], por exemplo? Vai ter um período no qual as pessoas precisam ganhar confiança no sistema”, afirma Carlos Lino, empreendedor e fundador das empresas Zigpay e iUPAY, ambas fintechs do setor de meios de pagamentos.

Essa fase de transição também é pontuada Leo Monte. Para ele, a substituição de TED e DOC passa pela adaptação tecnológica das instituições, mas também por uma aceitação cultural e mudança de comportamento:

“Também existe um período de adaptação e de adesão de mais instituições financeiras até que tenhamos um ambiente de abrangência do sistema para que todos possam usufruir das facilidades. Uma vez que esse cenário se estabeleça, aí sim penso que será difícil a manutenção do TED e DOC”.

Mas o que são TED e DOC?

DOC é a sigla para Documento de Ordem de Crédito. Trata-se de uma opção de transferência comum, mas que é limitada a R$ 4.999,99 por operação. Além disso, o dinheiro transacionado via DOC não cai no mesmo dia na conta do destinatário.

Já a TED — sigla para Transferência Eletrônica Disponível — foi criada em 2002 pelo Banco Central. Ao contrário do DOC, não possui limite de valor, mas de horário — só cai no mesmo dia se realizada até às 17h.

Em geral a TED costuma ser mais vantajosa que o DOC, que ainda detém algum apelo por ser mais barato e para transações que precisam ser feitas após às 17h — horário limite para uma TED ser compensada no mesmo dia.

Tanto a TED quanto o DOC são bastante caros, especialmente nos grandes bancos, em valores que variam de R$ 8 a mais de R$ 20 — o Banco do Brasil chega a cobrar R$ 21,95 por uma dessas transações, dependendo da circunstância. As gratuidades nessas operações costumam ser reservadas apenas a clientes premium.

Em contraposição, fintechs que atuam como bancos nativos digitais têm justamente como um de seus atrativos a isenção de tarifas nesse tipo de operação.

Legado x disrupção

Além das duas operações clássicas, também deverão sangrar com a digitalização dos meios de pagamento: os cartões de plástico — para operações de crédito e de débito — e até mesmo o dinheiro físico.

Essa situação está longe de ser futurista demais. China e Índia são dois países nos quais a digitalização dos meios de pagamento caminha a passos largos, reduzindo paulatinamente as operações com dinheiro físico. Com isso, a tendência para longo prazo é que cédulas e moedas se tornem itens de colecionador.

No entanto, ainda hoje é possível encontrar pessoas, especialmente nas periferias de grandes cidades e nos “rincões” do Brasil, que ainda utilizam o famoso cheque em papel — seja para pagamentos no ato como para parcelamento de compras.

“Não precisa ir muito longe. Na zona leste de São Paulo ainda tem gente que usa apenas dinheiro vivo”, recorda Lino.

No entanto, casos como o lançamento do aplicativo Caixa Tem —para o pagamento do auxílio emergencial — mostram que a crescente inclusão digital também pode ser acompanhada de uma inclusão financeira. E com ela, uma maior digitalização dos meios de pagamentos.

“O PIX vai colocar na mão de cada brasileiro uma agência bancária digital. Temos já uma inclusão de tecnologia, mas ainda não financeira. No entanto, se usarmos tecnologia, podemos levar também a essa inclusão financeira”, finaliza Santos.


BitcoinTrade: Negocie criptomoedas com segurança e agilidade!

Cadastre-se agora! Eleita a melhor corretora do Brasil. 95% dos depósitos aprovados em menos de 1 hora! Acesse: bitcointrade.com.br