Imagem da matéria: Repressão na China afeta parte de operações de mineração de bitcoin no país
Foto: Shutterstock

Após o Conselho de Estado da China falar em reprimir a mineração e o trade de bitcoin na última sexta-feira (21), as empresas de mineração HashCow e BTC.TOP suspenderam suas atividades. Algo parecido ocorreu na Huobi, que nesta segunda-feira (24) já não está mais aceitando novos clientes e interrompeu temporariamente os contratos futuros. As informações são da Reuters em publicação no mesmo dia.

É a primeira vez que um alto órgão do governo chinês defende coibir a atividade de mineração como parte dos esforços para evitar riscos financeiros — a proteção ao investidor e a lavagem de dinheiro são preocupações específicas dos reguladores financeiros globais.

Publicidade

A notícia intensificou a queda no mercado cripto que já vinha caindo em decorrência de comentários do Departamento do Tesouro dos EUA sobre a tributação de criptomoedas. O mercado também já vinha indicando uma correção. O bitcoin, por exemplo, já estava abaixo dos US$ 40 mil pela primeira vez desde início de fevereiro.

Riscos regulatórios

A partir da nova realidade, tanto as empresas de mineração quanto as exchanges de criptomoedas começaram a se movimentar para não perder o controle dos ativos. Isso porque há bilhões de contratos futuros nas exchanges e milhares de milhões investidos em equipamento de mineração por parte das grandes empresas do setor. Estima-se que 70% da mineração do bitcoin é oriunda da China.

À Reuters, a Huobi disse que sempre se esforça para cumprir as políticas e regulamentos em evolução de cada jurisdição.A HashCow não hesitou em afirmar que vai parar de comprar novas plataformas de mineração de bitcoin. A BTC.TOP também anunciou a suspensão de seus negócios na China alegando riscos regulatórios. Segundo a Reuters, seu fundador, Jiang Zhuoer, disse em um microblog via Weibo que seu negócio de mineração não estará mais aberto à China continental.

Zhuoer disse também que, eventualmente, a China perderá poder de mineração nos mercados estrangeiros, prevendo o aumento dos pools de mineração nos Estados Unidos e na Europa.

Publicidade

Pessimismo na China

Chen Jiahe, diretor de investimentos do family office Novem Arcae Technologies, com sede em Pequim, disse que se a onda das criptomoedas não for contida, o mercado pode ter o mesmo desfecho da febre das tulipas que correu no século XVII, considerada a primeira bolha financeira registrada na história.

“A única diferença é que depois que a bolha das tulipas estourou, ainda havia algumas lindas flores. Mas se a bolha das moedas virtuais estourar, restaria apenas alguns códigos de computador”, comentou ao jornal Chen.

VOCÊ PODE GOSTAR
Fachada de um prédio da BlackRock na Califórnia, EUA

Investidores seguem confiantes no Bitcoin e ETF da BlackRock tem maior captação desde março

Desde março o ETF de Bitcoin à vista da BlackRock não captava mais de R$ 2,9 bilhões em um único dia
Ilustração de moeda NOT dourada com logotipo do jogo Notcoin do Telegram

Usuários do Notcoin agora recebem benefícios nos jogos Pixelverse e Musk Empire

O jogo cripto original do Telegram se uniu ao Pixelverse e Musk Empire para oferecer benefícios especiais aos jogadores
Arte mostra imagem do espaço mirando a Terra envolta a uma rede de sinais holográficos

Núclea lança rede para tokenização de ativos financeiros

Testes da primeira duplicata tokenizada devem finalizar em julho e o serviço começa a ser ofertado de forma ampla ao mercado em setembro
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin atinge US$ 68 mil após China reduzir inesperadamente as taxas de juros

Manhã Cripto: Bitcoin atinge US$ 68 mil após China reduzir inesperadamente as taxas de juros

“Se essa tendência persistir, o BTC poderá ultrapassar US$ 70 mil amanhã com o lançamento de ETFs de Ethereum”, escreveu um analista