Imagem da matéria: Por que eu não acredito em web3? | Opinião
Foto: Shutterstock

Criptoeconomia não é uma novidade. E como qualquer inovação, ainda desperta diferentes sentimentos.

É preciso separar as emoções da realidade. Isso se resume ao seguinte:

Publicidade

-Produtos e serviços baseados em blockchain são realidade e futuro. Mas precisamos ser céticos e não meros evangelistas;

-Há fraudes e negócios duvidosos nesse setor. Mas há também empresas sérias, preocupadas com seus clientes e em cumprir a lei — são essas que precisamos incentivar.

-Modas e buzzwords (como web3 e metaverso) são importantes. Aumentam o interesse e incentivam empreendedorismo. Mas não podem confundir mais do que explicar.

Tecnologias Blockchain e Imaginários

Blockchain ainda é uma tecnologia em construção.

Na história da inovação, tudo normalmente começa com conceitos mais abstratos (e = mc2). Depois vêm pesquisas aplicadas (pesquisa nuclear). Após tentativas e falhas, chegam os produtos e serviços (usinas).

A internet foi assim. Conceitos e protocolos pensados nos anos 1960 e 1970. Aplicações de rede a partir do final dos anos 1970. A internet comercial somente em meados dos anos 1990.

Mas o mundo não funciona mais assim, de forma tão lenta e linear.

A inovação de hoje é descentralizada. São ecossistemas em que mercado, academia e setor público agem ao mesmo tempo.

Então é normal que produtos e serviços em construção sejam colocados no mercado. Blockchain não está totalmente pronta, mas precisa ser colocada no mercado. O melhor teste sempre é de quem consome.

Aliás, tentativa e erro no empreendedorismo é algo sensacional. Por conta disso, produtos e serviços chegam mais rápido para o mercado. Lembram do primeiro Iphone? Então, faz só 15 anos.

Publicidade
Fonte. Linkedin

Com novas tecnologias, surgem também narrativas de entusiasmo e otimismo. A inovação é sempre anunciada como um caminho para mudar o mundo.

Pensem em como motores a vapor permitiram o surgimento de fábricas e novos produtos. E como tudo isso catalisou a revolução industrial, o pensamento da modernidade. Aliás, até criaram fantasias e ficções científicas — já ouviram falar de steampunks? E A Volta ao Mundo em 80 dias?

O entusiasmo e otimismo com blockchain existe. Mas não se deve acreditar nas fantasias.

Narrativas surgem mais rápido com ecossistemas descentralizados e mídias sociais. E também evaporam mais rápido.

Só lembrar do ciberespaço livre de leis humanas nos anos 1990. E das primaveras construídas pelas redes sociais no início dos anos 2010.

Imaginários construídos pelo mercado são importantes. Cumprem funções econômicas e até mesmo motivam políticas públicas. Mas não criam fantasias.

Essa postura pode até parecer tradicional e antiquada. “Meu avô disse a mesma coisa sobre a internet”. Mas há bons exemplos em que ser mais racional em relação à criptoeconomia pode ser mais sensato.

Publicidade

Criptomoedas substituindo moedas tradicionais e bancos centrais parece algo ingênuo. Pelo menos hoje. Não admitir problemas de especulação nesse mercado parece a atitude dos Três Macacos Sábios.

Tudo isso não diminui o otimismo com a tecnologia blockchain.

Ainda não exploramos nem uma fração de seu potencial. Há aplicações incríveis sendo testadas. Empresas investindo muito em P&D. Conceitos que ainda nem imaginamos. O cenário futuro é, sim, positivo.

As Maçãs Podres da Criptoeconomia

Toda semana surgem escândalos e denúncias relacionadas à criptoeconomia. Há sites, inclusive, que mapeiam todas essas notícias negativas.

Mas vamos parar para pensar como funcionam os jornais desde que surgiram. Notícias mais críticas e negativas costumam ocupar com mais frequência as manchetes de jornais e portais. Também ocupam o primeiro bloco de programas em vídeo. É normal, né?

Essa é a função da mídia. Ser crítica e denunciar o que acontece de errado na sociedade e no mercado. Mas isso não significa que não haja muita, mas muita gente séria trabalhando nesse mercado.

Claro que até mesmo o setor de capital de risco erra. Afinal, são atividades baseadas na incerteza. Se não fosse assim, não haveria nem as Grandes Navegações, quanto mais o venture capital!

Publicidade

Há inúmeros exemplos de empresas que vão muito bem, obrigado. Inclusive tentam influenciar o setor e o poder público para criação de boas práticas, regras de autorregulações e até mesmo novas legislações. Isso pode dar maior segurança jurídica e tirar do mercado oportunistas, que não contribuem para a imagem do setor.

Hypes e Buzzwords

Modas e palavras-conceito para divulgar novas tendências é uma estratégia antiga (e eficiente) do marketing. É legítima, faz parte do jogo. Ajuda a conscientizar audiências. Motiva consumidores e consumidoras.

Mais importante: estimula as pessoas a empreender. São os espíritos selvagens, inconformados, e que enxergam uma nova tendência. A oportunidade de criar algo e transformar comunidades.

O risco dessas estratégias é simplificar demais coisas complexas e confundir o público.

A pesquisa trabalha com informações concretas e testadas. Já o marketing é com a persuasão. Se campanhas são criadas para facilitar conceitos difíceis, excelente. Mas quando isso desvia os propósitos iniciais e confundi mais do que ajuda, não é bacana.

Metaverso, por exemplo, é uma expressão que ajudou bastante o público. Ajuda entender como funcionam ambientes virtuais (algo que não é novo) e seu potencial futuro. Que, aliás, agora é muito maior por conta de equipamentos de VR mais estáveis e as conexões 5G.

Ao mesmo tempo, essa expressão no singular em vez do plural confunde. Não há um único metaverso controlado por uma empresa. Há metaversos: jogos virtuais, redes sociais em ambiente virtual ou até mesmo iniciativas descentralizadas por blockchain.

Publicidade

Aliás, usar o hype dos metaversos para vinculá-los com tecnologias blockchain (como se fossem o único caminho para o verdadeiro metaverso) é também forçar a barra.

Web3 já é algo mais confuso, e tem ajudado pouco o mercado.

Foi criada para reunir todas as iniciativas que utilizam blockchain, e apresentá-las como (muito) transformadoras para a sociedade.

Mas essa expressão simplifica demais um setor diverso. Ao usar o número 3, também passa a falsa impressão de que significa uma nova era para a internet — o que não é verdade.

O blockchain, assim como as redes sociais (dita como Web 2.0) e a world wide web (a Web 1.0) não alteram nenhum fundamento técnico da internet — continua TCP/IP, acesso universal, redes privadas interoperáveis.

A descentralização de decisão, argumento principal de quem defende esse conceito de Web3, parece mais um argumento de persuasão do que algo provado (ou comprovável). A tecnologia nem está totalmente pronta para isso.

Blockchain não é (nem foi criado para) uma mudança na economia política da internet.

O mercado ainda funciona na lógica do empreendedorismo de inovação. Criar produtos, destruir tecnologias antigas, dominar mercados e centralizar a oferta por meio de efeitos de rede.

Logo, não parece coerente statups e VCs fazendo essa defesa da descentralização ao mesmo tempo em que captam volumosos investimentos para dominar seus campos de atuação.

Web 1.0, com os grandes sites e portais, e Web 2.0, com rede sociais, foram por esse caminho. Começaram com discursos de marketing e incentivaram surgimento de campeões. E não há nada de errado nisso, aliás. É como a economia funciona, e sempre que houver abusos o Estado deve intervir para equilibrar as coisas.

Empresas podem usar Web3 como parte de suas estratégias de marketing. Isso é legítimo. Mas há também outras formas de defender o entusiasmo e as promessas baseadas no blockchain, de uma forma que seja mais razoável e sincera.

A criptoeconomia vai bem, obrigado. Mas não acredito em web3.

Artigo originalmente publicado no Medium.

Sobre o autor

Pedro Henrique Ramos é professor do Ibmec/SP e advogado. É doutorando em Comunicação e Consumo pela ESPM/SP.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: BitMEX se declara culpada de violar lei de sigilo bancário nos EUA

BitMEX se declara culpada de violar lei de sigilo bancário nos EUA

O Departamento de Justiça dos EUA disse que a BitMEX se envolveu em “evasão intencional” das leis combate à lavagem de dinheiro
Ilustração mostra sinal triangular de alerta vermelho e anzol simulando golpe de phishing

Compound, um dos maiores serviços DeFi, tem site invadido por hackers

O site da Compound Finance foi substituído por uma página de phishing que tenta roubar criptomoedas dos clientes
farao do bitcoin glaidson

Justiça do Rio inicia julgamento da GAS Consultoria na próxima semana

Na próxima quarta-feira, a 1ª Vara Criminal Especializada de Combate ao Crime Organizado do Rio de Janeiro irá ouvir testemunhas
Jerome Powell, presidente do Fed, mostrado em tela de computador

O que o discurso do presidente do Federal Reserve hoje significa para o Bitcoin?

“Acreditamos que o fundo do poço ficou para trás ou muito próximo e recomendamos aumentar a exposição à medida que o Bitcoin ganha impulso”, disse um analista